segunda-feira, 30 de abril de 2018

Azul, que te quero azul

“Para vermos o azul, olhamos para o céu. A Terra é azul para quem a olha do céu. Azul será uma cor em si, ou uma questão de distância? Ou uma questão de grande nostalgia? O inalcançável é sempre azul.” 

Clarice Lispector





Fecho os olhos e deixo-me levar. Vou ao sabor da maré do sentimento. Flutuo num caudal pardacento. Vou com a corrente para onde a corrente me levar. Não quero saber. Não me interessa. Não quero acordar nesta realidade  a que a própria realidade me obriga . 

Mudar de espaço físico não é deixar para trás os males do mundo e os meus. É apenas não pensar neles enquanto os sentidos absorvem a novidade.

Cansa a monotonia carregada de um cinzento desespero.








Quero cor.
Quero vida.
Quero azul.


10 comentários:

  1. Vai dar uma curva.

    Agora a sério :) também quero azul, se encontrar digo-te onde está.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Mas eu fui !!! Fui à Curva do Danúbio -que não é azul- e tudo ! (Foto acima)
      Só que depois regressei...

      Eliminar
  2. Gosto muito da cor azul que a todosenvolve nos dando a força para caminhar e crescer.
    Um abraço.
    Élys

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Eu também gosto de azul. É a cor do céu e do Belenenses.
      Grata Elys

      Eliminar
  3. Gostei do texto. E gostei da Clarice Lispector: "O inalcançável é sempre azul.”
    Uma boa semana.
    Beijos.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Eu gosto bastante da Clarice Lispector.
      Beijinho Graça, obrigada

      Eliminar
  4. O que eu não dava para estar nesse seu espaço fisico.... talvez os meus males se fossem...(ou talvez náo).
    Essa cidade é maravilhosa.

    Bjs
    Maria

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Viva, Maria.
      Foi uma viagem muito bonita, mas o Danúbio não é azul... :(

      Eliminar
  5. Tudo muito lindo. Me afastando dos blogs e vim para aqui e me encantei com as imagens e palavras. Também amo o azul. Feliz junho. Beijos.

    ResponderEliminar

É aqui que me mandas dar uma curva