sábado, 1 de julho de 2017

Invasões

(...)"Eia! eia! eia! eia-hô-ô-ô! 
Eia comboios, eia pontes, eia hotéis à hora do jantar,[...]
A grande invasão dos bárbaros amarelos pela Europa" (...)

Álvaro de Campos








Portugal exporta bens e serviços , mas um dos produtos com maior venda internacionalmente é o turismo.

Lisboa tem sido nos últimos anos o ponto de encontro de todas as nacionalidades , raças, culturas e religiões que pisam a Europa, e o Portugal profundo recentemente descoberto pelos ludambulistas nacionais e internacionais, é considerado um paraíso de tranquilidade a preços convidativos.




Vejo passivamente todos os dias entre as 10 e as 20 horas, Lisboa ser invadida pelos bárbaros.
Que nos é fundamental esta invasão para o crescimento económico, nem sequer ponho em causa.

Mas o turista que cá vem, não sabe ser turista: paga, manda e quer. Exige. Reclama !
Reclamar está na moda. Toda a gente bem lá no fundo tem uma pequena costela de escritor.
 Porque não começar pelo vermelhinho Livro de Reclamações, onde se pode dar azo à imaginação ou escrever o que nos vai na alma ? Está calor ? Reclama. Está frio? Reclama. 




Encontrar hotéis, Inns, Airbnb's, Hostels, etc. em Lisboa, basta descer a Av. da Liberdade até ao Terreiro do Paço e apontá-los, porta sim, porta não.

Apoiei a Taxa Municipal que a CML aplicou. Todas as outras cidades da Europa já o fazem há anos e se é para ajudar a criar um bom suporte de infraestrutura turística, apoiado !

Gosto de ser turista lá fora e cá dentro e de ter direito aquilo a que me propus e paguei para ter. Mas nós portugueses, que somos tão mal afamados, comparados a "criminosos de guerra" porque supostamente gastamos o que temos e o que não temos em "mulheres e bebida", somos civilizados o suficiente para entender que ver não é mexer  nem estragar. É aprender e gostar. 

Depois de ter referido o Convento de Cristo, em Tomar, garanto que em Lisboa, Porto, Braga, Évora, Sintra,etc.  Museus, Palácios e outros monumentos, para além das próprias cidades que não estão minimamente preparadas para receber tanta gente ( atentemos, por exemplo a falta de WCs públicos), sofrem as agruras da erosão desgastante de milhares de visitantes diários.



A questão aqui é que a chamada época baixa, quando se acalmava o movimento e se começava com o balanço e os preparativos para a nova invasão, que noutros tempos principiava  no despontar da Primavera e ganhava força após o Solstício de Verão, deixou de existir. A entrada de turistas é praticamente  constante durante todo ano, apenas com picos mais acentuados nos meses quentes.

Se se estão a tomar medidas de prevenção, reparação e inovação, não sei. Dizem que sim. Dizem sempre que sim, mesmo quando a resposta é indeterminada.

Pergunto-me quanto tempo durará a nossa cultura, a nossa história viva, os nossos testemunhos de pedra,  debaixo dos pés destas hordas de visitantes pouco civilizados que nunca irão parar de chegar. 



Todas as fotos por MDRoque




                    

8 comentários:

  1. Concordo que há uma certas "desordem" com a quantidade de turistas. Concordo que têm de criar-se estruturas para sermos de facto um país turístico...
    Beijo.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Pode crer Graça, um grupo de turistas descontrolado, faz mais estragos que um mini tornado.
      Beijjnhos

      Eliminar
  2. Há turista e há outros turistas ,eu nunca reclama mesmo quando tenho muita razão para reclamar .Eu simplesmente não volterá
    Abraço dum fã de Portugal

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Claro que sim , Alfacinha, mal do mundo se toda a gente fosse bicho. Sabe, eu também não sou de reclamar. Não gosto de barafunda nem confusão. Acato, tiro o nome e o endereço e depois escrevo para A CML se for em terra Lusa ou para o Turismo da Cidade em questão se for fora de Portugal. Sempre fiz valer os meus pontos de vista e acredito que houve uma chamada de atenção aos visados, até porque houve quem me contactasse por intermédio da entidade reguladora do turismo da respectiva cidade.
      Abraço de uma portuguesa para um fâ de Portugal

      Eliminar
  3. Há muito para ver, para visitar, em Lisboa.
    Bjs, boa semana

    ResponderEliminar
  4. Viva Pedro, obrigada. Lisboa é linda, isso já sabemos, mas precisamos de regras. Os Tuc-Tucs são outra praga poluidoras, por exemplo. Para mim, as atracções turísticas/ monumentos/ etc. deviam ter um x de entradas por dia, para salvaguardar o desgaste. Quando por exemplo vou para fora e compro um cartão Monumentos, atracções e transportes, bastas vezes me perguntam quais os dias das visitas para ficar pré programado. Olhe, Pompéia...
    Abraço.

    ResponderEliminar
  5. O reverso da medalha, em matéria de turismo... brilhantemente abordado neste texto!...
    Turismo, com regras e civismo... sim! Senão corremos o risco de uma invasão globalizante... que será para nós... descaracterizante... e desgastante, a vários níveis... cultural... patrimonial... sociológico...
    Beijinho
    Ana

    ResponderEliminar

É aqui que me mandas dar uma curva