segunda-feira, 20 de junho de 2016

Viagens na Minha Terra

A cidade não é um lugar. É a moldura de uma vida. 

Mia Couto









Em cada esquina te vais 
Em cada esquina te vejo 
Esta é a cidade que tem 
Teu nome escrito no cais 
A cidade onde desenho 
Teu rosto com sol e Tejo 

Manuel Alegre





Nasci em ti à sombra da Memória, num dia sufocante de um mês estival num ano aprisionado.
Cresci e vivi em ti toda a minha vida.
Conheço-te a cor, o sabor e o aroma, aquele cheiro de maresia e sol, que aflora um sorriso aos lábios mais carrancudos.
Em ti procriei, chorei e ri.
Em ti encontrei a minha felicidade, a que cada um busca para si, aquela que não se sonha, mas se constrói.

Posso correr mundo, mas volto sempre para ti, porque és tu o meu porto seguro, a minha casa, a minha mãe.
Alenta-me a ideia de que um dia seremos uma só e que guardarás bem guardado o meu último suspiro.


Lisboa

Lumen et Mare, ad te insanis


























(Todas as Fotos por MD Roque )

                       

11 comentários:

  1. Uma cidade absolutamente extraordinária!
    Boa semana

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Ando há mais de 50 anos a descobrir Lisboa e acredito que nunca chegarei a conhecê-la bem , Pedro.
      Abraço.

      Eliminar
  2. Uma belíssima homenagem à nossa cidade, em palavras e imagens!...
    Abraço! Bom fim de semana!
    Ana

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Obrigada Ana. BFS para si também.
      Lisboa também é berço e o rio deu-nos embalo.

      Eliminar
  3. Que excelente homenagem à cidade de Lisboa, tão bela!
    Um beijo.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. É uma paixão Graça. E tem tanto mais e tão belo para descobrir. :)
      Beijinho

      Eliminar
  4. Tanta beleza!
    E quantos serão os portugueses que preferem ignorá-la, e que vão procurar longe
    apenas um pouco, se compararmos com tanto que temos, e ao nosso alcance...
    O meu obrigada pela partilha.
    Dilita

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Verdade Dilitita.
      Pergunto-me frequentemente qual a razão de querer conhecer outras paragens, se nem conheço bem a minha paragem de há mais de 50 anos.
      Sou eu quem lhe agradece.
      BFS. :)

      Eliminar
  5. Por mais que a conheçamos tem sempre surpresas a revelar,
    desde o rio até onde o olhar calhar.
    Bonitas e inesperadas(se se bem reparar) fotografias. E um texto para encantar.

    Bj

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Lisboa surpreende todos os dia, Agostinho.
      Beijinho e obrigada, meu amigo

      Eliminar
  6. Sobre a citação de Mia Couto: com as palavras que só ele domina, plasma o meu pensamento relativamente aos (meus) lugares; os lugares, os espaços são significado porque é deles que extraímos (o) sentido. É a pertença... Não raro é escrever sobre espaços da minha memória, sobretudo em prosa.
    Conheço um pouco de Lisboa; digo pouco em relação aos seus nativos, pois há vários espaços que conheço bem. Adoro Lisboa, tenho família do lado de cá e lá do Tejo, visitava-a com regularidade até há 3 anos atrás (agora vou mais para o Porto, onde reside o meu filho) e ainda aí fiz o primeiro ano da faculdade. Como alguém dizia, já por aí fui muito feliz... Tantas histórias e peripécias que por aí vivi :) Em cada visita, não dispensava os pastéis de Belém e os travesseiros de Sintra!!! Agora, estou desejosa de conhecer o mais recente Museu.
    Da postagem: excelente, como é teu apanágio.
    BJOS :)

    ResponderEliminar

É aqui que me mandas dar uma curva