quinta-feira, 31 de março de 2016

Pingos de memória

Há duas épocas na vida, infância e velhice, em que a felicidade está numa caixa de bombons.

Carlos Drummond de Andrade



... ou quem sabe em gotas de chuva fria ?





As gotas de água caiam esparsas mas pesadas, ploc ploc, no nariz, na cabeça, na boca aberta, escancarada num meio sorriso que me rejuvenesce meio século.

Algures nas entranhas da mala que me oscila no ombro, daquele alforge de bufarinheiro que me é tão característico, conservo trezentos e sessenta e cinco dias por ano,  um projecto de guarda-chuva, encolhido e amarfanhado, nunca se sabe, digo, quando me criticam ... é bem verdade que a mala pesa arrobas e que eu não sei precisar com exactidão o que por lá vai...

Penso um nanososegundo e continuo à chuva.  A senhora quer "boleia" no meu chapéu? Não, pequeno, obrigada, estou bem assim, faz-me remoçar. Ele riu... remoçar, pois sim.

Preguiça ou vontade de me molhar? Nem eu sei ao certo, mas que sabe bem... uma poça à frente, pulo? Ora, se já estou molhada, porque não ? Fico encharcada até aos joelhos. O rapaz olha para mim atónito ... nunca, mas nunca... que coisa esta !? Quer esperar aqui enquanto vou buscar o carro ? Ficou lá em cima no largo. Não, vou contigo, não quero ficar aqui sozinha à chuva a esta hora da noite. Mas é sempre a subir. Não faz mal.

Respirei fundo e arrepiei caminho, calçada a cima. Tentei acompanhar a passada. O rapaz é maratonista e eu apenas anafada... controlar a respiração... não sou atleta, cruzes... Inspira pelo nariz... expira pela boca... raio, será que o maldito carro ainda está longe ? Isto de não dar parte de fraca é complicado.

Trauteei mentalmente o " Joana come a Papa", provavelmente por ser um, dois três, uma colher de cada vez... Finalmente ! Deslizei o mais levemente que consegui para o banco. A música metálica jorrava rádio afora e os decibéis  disfarçaram o abalo de Richter provocado pelos meus batimentos cardíacos. 

O carro cheirava a novo e eu a saltar pocinhas... não admira que o rapaz olhasse de lado aquela mostra de infantilidades nimbosas.


                                                         

20 comentários:

  1. Respostas
    1. E eu gosto tanto de estar convosco aqui e lá. Qualquer dia não me deixa entrar no navio... estou a ser um pirata relapso, mas creio que são só mais meia dúzia de meses.
      Depois passo de pirata cansado a pirata chorão, mas as coisas são como são, Capitã, é a insustentável insatisfação do ser...
      Beijocas.

      Eliminar
  2. Respostas
    1. Viva Pedro ! Obrigada!
      Muito lhe agradeço a presença, que me estimula a não desistir. :)
      Abraços a oriente

      Eliminar
  3. Por onde tens andado, ó ingrata miragem???

    Beijinhos
    MARIAZITA / A CASA DA MARIQUINHAS

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Pois é Mariazita, minha amiga.
      Presentemente conjugo dois verbos . Netar e trabalhar :) :)
      Prometo ser mais assídua e visitar os amigos , se é que ainda se lembram de mim.
      Beijinhos

      Eliminar
  4. Estou a tentar visitar todos os seguidores do Peregrino E Servo, pois por uma acção do google meu perfil sumiu e estava a seguir o seu blog sem foto e agora tive de voltar a seguir, com outra foto. Aproveito para deixar um fraterno abraço e muita paz e saúde.
    António Jesus Batalha.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Viva António

      Retribuo o abraço e em breve retribuirei todas as visitas.
      Obrigada

      Eliminar
  5. Ora até que enfim voltou.
    Que bom! Espero que esteja bem.
    Um abraço e bom fim de semana

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Viva Elvira
      Obrigada por não desistir de mim.
      Prometo ser mais presente. Só daqui a uns mesinhos, mas retomarei esta vontade com a mesma que tinha quando comecei.
      Beijinho

      Eliminar
  6. Olá, MD.
    "Isto de não dar parte de fraca é complicado" =)
    Costuma ser, costuma. Mas lá chegou. E com aquele sorriso rejuvenescedor, que não se faz por menos!
    Gostei de ler.
    bj amg

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Carmem, que bom ! :) :) :)
      Pois é... eu não gosto que me tomem por uma velhota acabada :) :)
      Sei que algumas actividades menos físicas, ainda dou cartas a muitos jovens, mas nunca fui desportista e alturas há em que muito me arrependo de não ter tido força de vontade, para depois de um dia estafante no trabalho, arranjar um tempo para o ginásio. Já sei que os quilómetros que faço todos os dias não são propriamente andar saudavelmente e blá blá blá , mas juro que muitos dias há que chego a casa sem pernas.
      Desistir, não desisto; acompanhar é que são elas :) :) :)
      Beijinho

      Eliminar
  7. E' un piacere soffermarsi sulle tue pagine
    Un saluto,silvia

    ResponderEliminar
  8. Pareceu-me estar a ver um filme, tão bem contado que estava. Ou será que já passei pelo mesmo? Gostei muito.
    Beijo.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Nem acredito haver alguém que numa noite chuvosa com apelativas poças de água por todo o lado e sem vivalma para contemplar a traquinice, não lhe tenha fugido o pé para a infância, Graça :) :)

      Eliminar
  9. Querida M.D. Roque,
    'Bora saltar poças de água e deitar a língua de fora à chuva, entre a infância e a velhice. Talvez assim se não acabem os chocolates.
    É bom lê-la.
    Beijos,
    Outro Ente.

    ResponderEliminar
  10. A memória é algo formidável e misterioso!
    Adelia Prado já dizia que tudo o que aalma ama permanece eterno!

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. E eu subscrevo a citação, Malu.
      Bejinho

      Eliminar

É aqui que me mandas dar uma curva