sexta-feira, 10 de julho de 2015

E a vida fica para trás....

“Working gets in the way of living.”


Omar Sharif


 "Portanto, nada de contenção exagerada. O seu discernimento deve ser o seu guia. Ajuste o gesto à palavra, a palavra ao gesto, e cuide de não perder a simples naturalidade. Pois tudo o que é forçado foge do propósito da actuação, cuja finalidade, tanto na origem como agora, era e é erguer um espelho diante da natureza. Mostrar à virtude as suas feições; ao orgulho, o desprezo, e a cada época e geração, sua figura e estampa. O exagero e a imperícia podem divertir os incultos, mas causam apenas desconforto aos judiciosos; àqueles cuja censura, ainda que de um só, deve pesar mais em sua estima que toda uma plateia de ignorantes.





William Shakespeare, in "Hamlet"










"I don't like people who have never fallen or stumbled. Their virtue is lifeless and it isn't of much value. Life hasn't revealed its beauty to them"


Zhivago





"In time to come, I tell them, we'll be equal
 to any living now. If cripples, then
 no matter; we shall just have been run over
 by 'New Man' in the wagon of his 'Plan'."

Zhivago's Poems












De entre os filmes da minha vida , destaco sem grandes demoras Dr. Zhivago e Lawrence of Arabia, duas obras grandiosas desse excelente director que foi David Lean, ambas protagonizadas por Omar Sharif.

Omar Sharif deixou-nos hoje com 83 anos. Sofria de alzheimer.
Creio que todos os que o viram como Yuri Zhivago ou Sherif Ali, nunca o esquecerão. Ele já se esquecera de si próprio e das grandiosas histórias da história de que fez parte.


Estará sempre na memória de todos aqueles que ainda gostam de bom cinema e para quem a História Mundial não é apenas um passatempo, é um registo da vida.












"Does it surprise you, Mr Bentley? Surely, you know the Arabs are a barbarous people. Barbarous and cruel. Who but they! Who but they! "


Sherif Ali


"Truly, for some men nothing is written unless THEY write it."


Sherif Ali



Até sempre, egípcio misterioso. Que Alá te guie até ao poço onde beberás e te refrescarás para a tua última viagem




PS: Nem sei se alguém se lembra de eu ter contado que o meu primeiro animal de estimação foi um cágado, a quem muito apaixonadamente chamei Omar Lombrando :)

12 comentários:

  1. Que linda forma de homenageá-lo. Também vi esses filmes, também eles me ficaram na memória

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Do tempo em os efeitos especiais eram tão imaginativos como reais. Na cena da batalha, a neve era pó de mármore... Disto, já não há.
      Bom fim de semana

      Eliminar
  2. Pois o egípcio Omar Sharif partiu :(
    Lembro-me obviamente de "Lawrence da Arábia" e "Dr. Jivago", filmes marcantes para este actor. "Mayerling", "O Ouro de Mackenna" e "Funny Lady", outros conhecidos e que vi há já alguns anos. Mais recentemente "Monsieur Ibrahim".
    Paz à sua Alma !!!

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Mesmo quem o não considera uma estrela maior terá que reconhecer que tinha um brilho muito especial.
      Grandes filmes , os que referiu, Ricardo.
      Abraço, meu amigo, BFS :)

      Eliminar
  3. Olá, MD
    O tempo passa e leva os artistas que nos fascinaram e fizeram, de uma certa forma, parte de nossas vidas. Mais uma perda, mas, a estar com Alzheimer, infelizmente, já não vivia.

    bjn amg

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Pois sim, Carmem, era somente o invólucro das nossas memórias, só das nossas, porque as dele perdeu-as para o ladrão das lembranças felizes.
      Beijinho, minha amiga e BFS.

      Eliminar
  4. Lindo blog. Grande inspiração. Um belo fim de semana

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Viva.
      Agradeço e retribuo votos de bom descanso. Conto consigo por aqui mais vezes.
      Abraço

      Eliminar
  5. Grande actor, grandes fitas protagonizou. De um tempo em que o cinema tinha um fascínio intenso, mais autêntico.
    Um bom domingo, MD.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. É verdade Agostinho. O Cinema antigamente era visual QB, mas os enredos , mesmo baseados em factos verídicos ou adaptados deixavam as entrelinhas à nossa imaginação.
      Era raro sair do cinema aborrecida ou decepcionada, salvo quando já tinha lido os livros, que transpostos à película, deixavam quase sempre muito a desejar, porque o que para o director era o essencial à compreensão da história, para mim nem por isso... faltavam sempre quilómetros de película...
      Agora é raro ir ao cinema. Gosto de cinema, mas sou muito revivalista. Lamento afirmar que os aplaudidos filmes de autor tantas vezes nem têm ponta por onde se lhes pegue.
      Abraço, amigo Agostinho

      Eliminar
  6. Um tempo, uma época. E as memórias ficarão com quem as poderá recordar. Felizmente que haverá sempre testemunhos. Como este.
    Excelente, querida D
    Bjo :)

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. O Dr. Zhivago foi um dos poucos filmes que achei muito fiel à obra original.
      Sei que muitos fizeram casting para o Yuri, mas agora é difícil imaginar outro actor no papel.
      Que nos possa ser sempre concedida a graça de ter memória de tão boas recordações.

      Beijoca :)

      Eliminar

É aqui que me mandas dar uma curva