sábado, 7 de fevereiro de 2015

Novidade

"O que mais importa não é o novo que se vê mas o que se vê de novo no que já tínhamos visto."

Vergílo Ferreira





The News



Here is The News:


'Two incredible shoes.


Two incredible shoes.
That's The News.

When it rains
they walk down drains.

They glow
in the snow.

They grizzle
in a drizzle.

They sneeze
in a breeze.

They get warm
in a storm.(...)





M. Rosen












Não sei ao certo em que altura da  vida se iniciou o meu processo de mecanização.
Deve ter acontecido entre o adormecer numa noite escura e fria e o acordar num dia triste e cinzento, com o som amargo do despertador a chamar para mais uma realidade diluída nos anos que já passaram comigo aqui. Resmunga-se o grunhido habitual à alvorada que ainda não despontou e vai-se a ver se chove.
O meu andamento ritmado toca diariamente as mesmas notas, toada descomposta de som e de cor, batida constante e cadenciada, mecânica, igual. É a minha normalidade. É o que dá o tom ás horas que compõem os meus dias, todos diferentes e sempre tão iguais entre si em cada minuto que passa. Não passa nada. É bom. É normal.

Não sei ao certo em que altura da vida criogenizei os pensamentos e opiniões para servirem o advento da minha imortalidade futura. Sempre acreditei que enquanto de mim houver memória numa memória do porvir, o nome da minha identidade terá a imortalidade fugaz que a minha normalidade conferiu à minha existência.

Mas sei precisar ao milésimo de segundo o momento da vida em que a minha normalidade sofreu o mais forte abalo telúrico de sempre. Um bomba feita gente pequena que mexeu com os meus dias, revolveu as minhas horas, revirou os meus minutos, os meus tons e os meus sons.
No degelo dos ideais, encontrei uma verdade maior e um sentido único com derivações de cor e sabor a vida nova.







                                                                        

28 comentários:

  1. É isso mesmo. Ver o que é lembra como era, verdade Maria D?

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Verdade, Lu. Revisitar o passado num sorriso de criança, faz-nos repensar todas as nossas prioridades e projectos de vida :) :) :)

      Eliminar
  2. O melhor vem quando menos contamos, mas depois nunca mais o esquecemos.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. É verdade Andreia. Todas as lembranças felizes que temos, reflectem o melhor que nos aconteceu.
      Beijinho querida

      Eliminar
  3. O importante para mim, sempre foi a capacidade de sermos diferentes e de podermos ajudar os outros, nesta sociedade difícil que construímos e que temos de atravessar. Procuremos ajudar e acho que seremos premiados com Amizade, talvez, quando verdadeiro o sentimento mais importante !

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Tem razão Ricardo. Um individuo pode não possuir nada material a que possa chamar seu, mas se tiver amigos de verdade, é riquíssimo em valor sentimental. É algo muito raro de se encontrar, porque é difícil ser-se desinteressado e dar só pelo prazer de poder dar, de ajudar e de se sentir bem, sem segundas intenções.
      Um bom fim de semana e um abraço amigo :)

      Eliminar
  4. No início acordamos, olhamos em volta e vemos as coisas iniciais, imaculadamente inocentes. Vamos à descoberta e acreditamo-nos invencíveis, invulneráveis e, neste ponto, a confiança atraiçoa-nos - atraiçoamo-nos a nós próprios - passando a agir intuitivamente, apesar de seres inteligentes. Aos poucos instala-se a rotina dos dias na teima em manter o nosso mundo de aparências sem que percebamos o cerne: as aparências somos nós: nós seres aparentes em processo de protelamento por insuficiência de tempo ou por desfasamento do tempo real.
    Rebela-te, desconforma-te: revela-te.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Um bom domingo, MD, com surpresas das coisas (re)veladas.

      Eliminar
    2. É bem mais simples e confortável viver na nossa cápsula temporal do que nos aventurarmos á descoberta de nós próprios, Agostinho.
      Não e fácil lidar com a mudança nem as surpresas são todas agradáveis ou sequer surpreendentes.
      Por aqui não se diz que se não gosta do que nunca se experimentou, por isso... :) :) :)

      Bom Domingo, Agostinho.
      Abraço amigo :)

      Eliminar
    3. Há uma pancada de tempo que não vinha aqui. Quem perde sou eu, bem sei. Mas isso não impede que volte à estação em que saí da carruagem e, a partir daí, retome a viagem até ao presente. Por quê? Porque isto, aqui, tem substância, um gosto especial.
      Ao ler a resposta da MD ocorreu-me a ideia de intranquilidade: e se eu não me exprimi convenientemente utilizando a expressão “coisas (re)veladas? Queria eu referir-me às coisas que vemos sem as ver – o sol, a lua, um sorriso, uma flor, uma maçã… tanta coisa boa que está ao nosso dispor. Nossas. Reveladas mas que continuam veladas aos nossos sentimentos.

      Eliminar
  5. Repensar a vida, mesmo quando as manhãs nos parecem iguais. Há sempre qualquer coisa que marca a diferença se estivermos atentos. Um bom texto ao som da voz de Teresa Salgueiro...
    Beijo.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Creio que somos nós quem faz a diferença, mas temos dificuldade em constatar essa realidade, Graça. :)
      Boa semana e um beijinho

      Eliminar
  6. Sem dúvida que o mais importante será conseguir descobrir a novidade no que já não é novo.. É olhar com outro olhar, olhar de uma outra forma, só que a normalidade tem tendência a fechar-nos numa rotina, que por vezes pode ser menos má, porque não nos deparamos com novidades más, mas por outro lado, temos o perigo de nos virmos a tornar autómatos, se não nos depararmos de vez em quando com uma tentativa de observação das coisas à nossa volta, enquanto não somos salvos de uma certa "mecanização" por uma bela novidade, por esse "abalo telúrico" de que falas.
    A imortalidade futura é o que restará de nós naqueles que ficam, e essa imortalidade vai-se construindo nos instantes preciosos que com eles passamos.
    Uma bela música, e um belo texto!
    xx

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Nem mais. Laura dixit!
      Beijinho e boa semana :)

      Eliminar
  7. Sim, verdadeiro mesmo!
    observo hoje lugares que antes eu passava e até vivi por anos, mas que meus olhos veem de outra forma, acho até meio estranho!
    Concordo!
    Bjus
    http://www.elianedelacerda.com

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. E isso aplica-se às pessoas também Elyane. :) :)
      Beijo e boa semana

      Eliminar
  8. Nossas ações e reações refletem as experiências vividas. A memória presentifica o passado e faz significar cada momento que experimentamos no dia a dia. AbraçO

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. É isso mesmo Nidja, minha amiga :)
      Beijinho

      Eliminar
  9. Com a idade, vamos acomodando-nos e a rotina instala-se e apodera-se de tudo à nossa volta. Até ao dia em que somos avós. E aí começa um novo ciclo e tudo se renova. A nossa vida passa a dividir-se no antes e o depois desse momento. Aconteceu comigo no dia 4 de Fevereiro de 2009.
    Um abraço

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. A dividir-se e a desdobrar-se, Elvira :) :) ... faz um mês amanhã :)
      Beijinho

      Eliminar
  10. Respostas
    1. Credo ! :) :) ... Obrigada (acho) é sempre bom estar informada legalmente em caso de estupro !

      Eliminar
  11. 1 - Nunca sabemos quando ou qual o olhar que nos acorda para nos revisitarmos. Mas, seguramente, serão circunstâncias que a, dado momento, se conjugam.
    2 - Há rotinas necessárias mas, mesmo essas, nunca se processam de igual forma.
    3 - Perpetuamo-nos sempre, de alguma forma, na memória dos outros (um exemplo: estou a escrever sobre a minha avó paterna e já faleceu há 40 anos).
    4 - E, no teu agora, tens um ser que conferiu um outro sentido na tua vida. E muitas coisas deixaram de fazer sentido...
    5 - Excelente texto.
    (Hoje deu-me mais jeito comentar por itens.)
    Bjo, querida D :)

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. E eu mesmo por itens, de pernas para o ar ou do avesso, adoro ler o que escreves.
      Obrigada e um beijinho

      Eliminar
  12. Respostas
    1. Ajudam e complicam ao mesmo tempo :)

      Eliminar
  13. Minha querida MD,
    Li e reli este seu magnífico texto e já estava para aqui a engenhar resposta a esta sua reflexão acerca da cadência que a vida adquire, quando deparo-me com um "comentário" em idioma asiático a que prontamente lhe responde de uma forma tão franca e a tocar a perplexidade, que deu-me semelhante acesso de riso, aqui, sozinha, que nem imagina...
    Achei que merecia saber o bem que me fez - e sem Actimel =)

    Mas, em relação ao texto, digo-lhe, que, de minha parte, esta cadência monocórdica é sufocante, não que seja dada a aventura ou desgoste do sossego, mas é o saber exatamente como o dia vai começar e correr e terminar, sem que acrescente-se-lhe aquele algo que vale a pena, aquele algo que não queremos ver passar um dia atrás do outro sem que realmente se materialize. E num ser empreendedor, numa vida que foi, até um dia, plena de produção, chegar a este espaço-temporal da vida em banho-maria torna-nos acabrunhados. Isto é o mais próximo do que sinto em relação a esse tema.
    Um bjo amg

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. :):):)
      Tenho alguns seguidores chineses e há sempre o tradutor. É bom saber o que nos escrevem na caixa de comentários, nem que seja ( como parece o caso) a oferta de serviços legais em caso de estupro. :) :) :)

      Os nossos ritmos são necessários e tornam-se muitas vezes sufocantes e difíceis de quebrar.
      Aí está uma aforismo excelente, Carmem " passar a vida em banho- maria" ! É isso mesmo que nos acontece sem darmos realmente por isso.
      Beijinho

      Eliminar

É aqui que me mandas dar uma curva