segunda-feira, 8 de dezembro de 2014

Heroína

"Feliz aquele que não se condena na decisão que toma."

Textos Bíblicos




"O verdadeiro herói é sempre herói por engano; sonhou ser um cobarde honesto como todos os outros."

Umberto Eco







Não,  não vou falar de cavalo, pó, castanha, merda , H... ou de qualquer outro termo pelo qual é vulgarmente conhecida a heroína, um opiáceo viciante depressor do sistema nervoso, nem da excitação, euforia ou  prazer a que eleva a psique de quem consome, tampouco do infortúnio , da miséria ou das fatalidades que lhe são associadas.


A propósito da morte confirmada  por decisão da família da jovem Tugce, uma alemã de origem turca agredida com violência após ter interrompido uma situação de abuso e assédio a duas menores num restaurante de fast-food em Offenbach, donde resultou traumatismo irreparável, coma e morte cerebral, repenso a minha noção de heroína. 

É certo que são as ocasiões que revelam o melhor e o pior que há em cada um de nós. São tantas as trivialidades do dia a dia que expõem as nossas forças e fraquezas, que nos passa praticamente despercebida a qualidade da nossa vertebração.

A minha profissão, stressante, enervante, gratificante, mirabolante, todos os dias diferente, não é isenta de risco. Passados  mais de trinta anos e alguns milhões de pessoas, já vi muita coisa, ouvi demasiado e intervim algumas vezes. Mediei diversas situações de agressão física, muitas mais de agressão verbal, mas nada que possa sequer almejar alcançar o patamar do heroísmo.

Verdade seja dita, nunca registei qualquer acontecimento verdadeiramente dramático, em que fosse necessário uma decisão rápida,  cirúrgica e eficaz. Mas penso nessa eventualidade. Penso muito, demasiado até.
Os tempos são conturbados e as pessoas imprevisíveis. O que é hoje , amanhã pode não ser. O que é agora, pode esfumar-se em segundos. Ninguém pode prever ninguém.

Penso principalmente no que eu faria se,  ou no caso de... a avaliação, o discernimento, os reflexos, a capacidade de resposta... ou então a paralisia total, o medo, a incapacidade...
Assusta-me pensar que  uma decisão tomada a quente possa ter consequências trágicas e nem estou a pensar na forma em como me atingiriam fisicamente, mas sim em como conseguiria conviver o resto da minha vida com quem me aconselha todos os dias e que conheço pelo nome de consciência desde que me entendo como gente.



                                 

36 comentários:

  1. Vi... li... gostei... te seguindo... me segues também!... BeijoooO

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Olá Nidja, bem vinda. :):)
      Gostei do teu espaço . Beijinho. :)

      Eliminar
  2. E infeliz aquele que se condena para sempre numa decisão que tomou. Até agora as grandes decisões da minha vida foram curiosamente as mais impulsivas. Correram bem, foram instintivamente certas, mas também me pergunto como será viver com uma grande decisão errada, já que o instinto também falha. Não há preparação possível e se bem me conheço não superaria muito cedo essa irreversibilidade.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Ter ponderação é uma arte que se vai adquirindo com os anos. Não creio que conheça nenhum " cinturão negro".
      Pensa-se, tenta-se e espera-se. Eu não sou de todo pessimista, mas prefiro não ter grandes expectativas para não ser trucidada pelas circunstâncias.
      Beijo, Mãe que sabe muito mesmo. :)

      Eliminar
  3. Quando referes que as pessoas são imprevisíveis, acho que esse é mesmo o aspeto central. São as situações que nos moldam e nunca sabemos como vamos reagir quando algo de grave nos acontece

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Eu gosto de pensar que detenho conhecimento baseado no simulacro de N possibilidades e o sangue frio necessário para o poder aplicar.~
      Também sei que são fantasias de natal e o pragmatismo que me assiste ri-se a bandeiras despregadas desta minha presunção, Andreia, porque no fim é isso mesmo.
      Beijinho :)

      Eliminar
  4. O mundo está cheio de loucos. É um bom pressuposto a considerar antes de qualquer intervenção.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Creio que é na realidade O pressuposto a considerar sempre. Nós conhecemo-nos a nós próprios vagamente, quanto mais aos outros.
      Grande Xi-<3 ( muito pouco filibusteiro, isto do abraço, mas é sentido) Cuca, oh Captain, my Captain

      Eliminar
  5. Existem na realidade alturas da nossa vida que podemos ou temos de passar por medidas que podem ser decisivas na vida dos outros, no entanto, profissões há, onde todos os dias se têm de tomar posições e decisões que convém serem bem ponderadas porque delas poderá depender a própria vida de pessoas. Lembro-me de enfermeiros, médicos, polícias, e muitos outros que são as chamadas profissões de sacrifício, para serem levadas com humanidade. Infelizmente, nem sempre estão todos à altura de as desempenharem,

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. É verdade Ricardo. Que poderá haver de mais ingrato para quem não sofre do complexo de deus, do que ter que decidir numa base diária, sobre a vida ou morte de outro ser humano?
      Pessoas como eu, seguramente não nasceram para tal função, e creio que o que há mais por esse muno fora é gente como eu, que anseia pelo momento em que possa deitar a cabeça na almofada, fechar os olhos e sentir alguma paz.
      Abraço amigo.:)

      Eliminar
  6. Um caso muito dramático esse da Tugce, e a tua reflexão tanto pode ser analisada em relação à atitude que tomou em defesa de duas adolescentes, como em relação à decisão dos pais ao autorizar que as máquinas fossem desligadas no dia do seu 23º aniversário, porque já não havia "volta", no entanto sempre uma decisão difícil. A decisão de Tugce decerto irreflectida, fazendo naquele momento o que achou certo e inevitável, a decisão dos pais decerto muito ponderada durante dias de agonia.
    De uma situação ou de outra não queremos alguma vez estar perto!.... A coragem cívica tem um preço às vezes tão elevado!...:-(
    xx

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Eu que defendo que somos nós quem faz o nosso futuro, vejo-me compelida a acrescentar, " se os outros deixarem". Podes ter tudo alinhavado, podes ter passado com nota máxima todos os simulacros de acção com que a consola do teu cérebro insiste em desafiar-te, mas no fundo, decisões extremas só são unilaterais na sua essência e na TUA essência, essa é que é essa.
      Beijinho, Laurinha

      Eliminar
  7. Eu, que tomo decisões por impulso, chego a sentir medo....

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Eu já fui assim, Gaja Maria, e lá bem no fundo continuo a sê-lo, porque é sempre necessária um resposta pronta.
      Tento reflectir e ser ponderada sempre. Some you win, some you don't.
      Beijinho. :)

      Eliminar
  8. Boa noite MD
    Grande debate que põe na mesa. Este caso é daqueles que nos faz sentir medo, essa é a palavra.

    Acredito que a decisão da jovem Tugce fosse fruto duma consciência social bem estruturada, pois quem toma atitudes de intervenção ao testemunhar uma agressão, tem um forte sentido de "obrigação na defesa do mais fraco". Não que não temesse, decerto o coração ia disparado quando interveio, mas o "dever" a que se obrigava falou mais alto. Certamente, se já tivesse tido experiências de retaliações de menor gravidade, isso, de certa forma refreasse sua atitude, que é o que acontece a muitos, ou a deixasse mais "alerta" às sombras, de maneira a proteger-se dum ataque posterior.
    Facto é, que vivemos num mundo cão.
    Por outro lado, no estacionamento onde foi agredida, havia um número considerável de pessoas, que "olharam para o lado oposto" e falharam no seu auxílio. E eram muitas, juntas, podiam com facilidade, intervir, e preferiram ignorar.
    Podemos colocar em causa, se uma pessoa, como no caso dela, deva intervir, quando completamente só, contra os agressores (o que, confesso, hoje, com a experiência pessoal que tenho, desaconselho, embora reconheça que será motivo de sentimento de culpa inultrapassável), mas é inadmissível que um grupo de pessoas não tome atitude.
    É horrendo.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Os nórdicos em geral e os alemães em particular tendem em ser condescendentes demais em relação aos não nacionais, tão condescendentes que os poderemos considerar xenófobos, racistas, mesmo.
      Quanto aos agressores da Tugce, não sei se foi um crime de ódio racial, se uma demonstração de poder de misógino machismo. Quando aos espectadores, foram claramente homicidas por negligência e quase que garanto que se se tratasse de um indivíduo de "raça branca", o desfecho teria sido muito diferente.
      Abraço Carmem e obrigada pelo excelente comentário.

      Eliminar
  9. Trágica infelicidade. Incomensurável número de vítimas numa era de assombro onde apesar de tudo as bestas continuam a caminhar em forma humana. É um mundo triste. Se olhássemos para os hospitais e para outras coisas que nem esse título merecem, para o medo confinado, e depois para o céu, para a promessa do infinito, quase já ali...

    Não sei o que faria. Raramente presenciei violência mas recordo a impulsividade reflexa da resposta. Recordo bullying o medo do seu início, a ansiedade da ausência, e o seu fim abrupto na violência. Funcionou apenas por surpresa, por ter libertado tudo aquilo que mantenho cautelosamente agrilhoado. podia ter acabado no hospital ou na morgue com várias facadas no peito.
    Nada decidi racionalmente. Depois restou apenas o confuso registo mental do evento.
    De facto não sei responder, mártir ou cobarde numa ocasião dessas? Penso na minha família, e com pavor reconheço que nessas circunstâncias em nada pensarei, dirigido pelo inato e pelo adquirido e esperando contrariar um pouco a entropia mortal do nosso universo. Nunca saberemos exactamente quem somos antes de o teste chegar.
    Abraço, querida M.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Nada Mais verdadeiro do que a sua última frase, querido Q " Nunca saberemos exactamente quem somos antes de o teste chegar".
      O resto é conversa e conjecturas. Esperemos que nunca chegue, o tal teste, o que definirá tudo a partir daquele momento.
      Beijo, Q, meu amigo

      Eliminar
  10. Uma pergunta que julgo todos colocamos a nós próprios.
    Mas para a qual poucos encontram resposta cabal e convincente.
    Boa semana

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Absolutamente Pedro. Pegando numa frase do Quiescente ali em cima "Nunca saberemos exactamente quem somos antes de o teste chegar". Podemos até pertencer àquele conjunto de gente feliz que nunca foi posta à prova...
      Abraço a Oriente e obrigada. :)

      Eliminar
  11. Eu sou exatamente como a "gaja Maria" tomo-as eimpulso e, muitas vezes arrependo-me, mas não há volta a dar
    Kis:=)

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. E eu no fundo, debaixo de camadas de ponderação e reflexão, sou tal qual vós sois, Avó. Tanta vez me estala a prudência e rebenta como um foguete...
      Beijo :) :) :)

      Eliminar
  12. Nem sempre pesar os prós e os contras funciona. Então se a resposta de pretende rápida, não poderá ser muito reflectida.
    Beijo

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Olha, Lu, se algum dia me acontecer " uma daquelas" estou bem tramada, porque requer uma capacidade de avaliação que muito pouca gente consegue ter sob pressão. Muito menos eu, que sei que, pragmatismos à parte, sou emocional como o raio que me parta.
      Beijocas.

      Eliminar
  13. Ontem li, hoje vou tentar ser sucinta, pois o essencial já aqui ficou registado nos comentários, subscrevendo sobretudo o registo da Carmem Grinheiro.
    Habituada a agir, frequentemente na hora, sem haver muito tempo para ponderação, entendo muito bem esta atitude. Há circunstâncias em que chega o papel de mediadora, mas outras há em que a impulsão, quase inata, leva a intervir. Contudo, em situações complexas, se estivesse sozinha, apelaria a uma intervenção conjunta e/ou contataria as autoridades competentes, sobretudo se vivesse em zonas de violência gratuita. Mas na idade desta jovem, desde que se tenha um apelo interior muito forte, age-se sem pensar no que pode acontecer. Infelizmente são desfechos destes que levam a um individualismo e indiferença cada vez maiores.
    Bjo, querida D
    (Excelente postagem)

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Eu gostaria de acreditar que interviria e faria a diferença. Creio que tenho pelo na venta qb. Já interferi numa situação em que um conhecido desportista achou por bem agredir a esposa ao estalo, ali , publicamente, on my watch... Eu pura e simplesmente perguntei-lhe se achava bem o que estava a fazer e que se era para ter continuação, chamava a Polícia. Acatou e foram ambos embora , ficando eu sempre com a consciência em torvelinho, porque nunca me decidi se fiz muito, se fiz pouco... mas cá bem no fundo tenho a certeza de que não fiz nada.
      Beijoca EU, minha amiga.

      Eliminar
  14. Vi cá em Espanha há pouco tempo uma reportagem na TV sobre violência de género, em que se falou de uma experiência levada a cabo na Suécia e depois replicada em Espanha. Consistia em pôr um casal de actores num elevador, a fingir que ele a agradia sem motivo, verbal e fisicamente, para avaliar as reacções - ou a falta delas - das pessoas que por acaso também se encontravam no elevador. Para espanto geral, de 50 situações representadas pelos actores, apenas 1 (UMA!) houve na Suécia em que a pessoa que ia no elevador se insurgiu contra o homem, dizendo-lhe que parasse. Todos os outros 49 casos foram de indiferença, medo ou cobardia. Já em Espanha, surpreendentemente ou não, dos 50 houve quase metade (45%) de pessoas que, sim, se insurgiram, ralhando, interpondo-se ou chamando a atenção do agressor. Isto mostra que, afinal, é também nos países ditos mais desenvolvidos que as pessoas se fecham na sua concha de egoísmo...
    Um beijinho para ti, Dulce, e parabéns pelo excelente 'post'

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. É bem verdade que a maior parte das pessoas escolhe não interferir, porque desconhece a causa, porque não quer problemas ou porque se está a borrifar para a vida dos outros. Os nórdicos são muito mais civilizados porta fora e muito mais selvagens porta dentro, do que os povos mais a sul. Não é por acaso que detêm uma posição de destaque no ranking dos países com maior taxa de suicídios.
      Esse estudo que viste ai, devia se passado em todo o mundo nos intervalos dos noticiários e das novelas, para acordar a pessoas que se dizem civilizadas.
      Beijo Miú, obrigada :):):)

      Eliminar
  15. Lindo texto!
    Muito informativo, realmente deveria passar na mídia para que todos soubessem e se informassem mais....
    Bjus
    http://www.elianedelacerda.com
    Nem todas as pessoas tomam atitudes em defesa dos mais fracos!Difícil mesmo!

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Sabe Elyane, agir não é difícil, difícil é decidir agir com justiça.
      Obrigada amiga. Beijinho

      Eliminar
  16. Um texto excelente a relatar o caso dramático e tão impressionante da jovem Tugce. Um caso que faz pensar nas atitudes que tomamos ou não tomamos, mas escolhas que fazemos, nos momentos das nossas forças ou fraquezas. Obrigada.
    Um BOM NATAL e um beijo.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Agradeço, Graça. Retribuo os melhores votos de Boas Festas.
      Com muita amizade e um grande, grande abraço da MD. :)

      Eliminar
  17. adorei teu texto, pq vc reflete uma inquietude e uma ânsia de acertar, que a meu ver são impossíveis,rsrs na realidade, podemos sim controlar algumas coisas, mas outras simplesmente acontecem ou não, e não tem como evitar, não dá pra prever como vamos reagir de cabeça quente, eu pelo menos penso assim. adorei teu blog, beijos :)

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Viva Jeanne :)
      Agradeço a companhia e a leitura . É frustrante e ao mesmo tempo assustador para um control freak a quem o acaso raramente troca as voltas, ter consciência que afinal não tem poder para poder controlar seja o que for, :):):)
      Beijos, :)

      Eliminar
  18. Está aqui um lençol de dimensão e qualidade notáveis. O tema é atualíssimo.
    O homem, como sabemos, é potencialmente violento e, por isso, as comunidades por ele constituídas tendem a sê-lo, cada vez mais. Isso dever-se-á a mil e um fatores que, por facilitismo, presumimos serem-nos alheios. A maioria refugia-se em atitudes de neutralidade, de abstenção – não me diz respeito - perante a evidência de situações de conflito prontas as explodir. Há o hábito de passar a responsabilidade para as instituições que não passa de uma postura de comodismo e individualismo, doenças graves do nosso tempo. Se pusermos a mão na consciência poderemos sentir-nos culpados.
    Dito isto tenho na ideia que cobardia e heroísmo são faces da mesma moeda, ambas indispensáveis na resolução dos desafios que se nos apresentam pela frente. O heroísmo que muitas vezes é determinado por sentimentos de medo, leva à tomada de posições irrefletidas que, ao invés de serem solução, multiplicam os problemas. Aliás, a "cobardia" é útil, se forem desencadeadas, depois, ações de ativismo cívico, com a participação voluntariosa de cada um na sua comunidade. Nesta participação voluntariosa é que poderá ser achado o verdadeiro heroísmo nos dias de hoje.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Tantas vezes me vem à ideia aquele antigo provérbio na língua de Shakespeare..."no good deed ever goes unpunished", Agostinho, mas tem razão, meu amigo.
      Abraço amigo.

      Eliminar

É aqui que me mandas dar uma curva