sábado, 29 de novembro de 2014

Talibã

"A pontualidade é uma ladra de tempo." 
Oscar Wilde





"O que me cansa, o que me irrita mesmo, são as desorganizações, o não se cumprirem os horários marcados, os imprevistos que não me é possível controlar."


  Francisco Sá Carneiro








Amor , uma cabana e uma catraia a tiracolo...  um começo pouco auspicioso para uma dupla de ostracizados da moral e dos bons costumes, que quis cortar com as parcas de tesouras afiadas e línguas ainda piores e rumar para outras paragens, distantes o suficiente para não alterar radicalmente a ordem das coisas mas o bastante para nos encontrarmos um ao outro, juntos os três, sem ruído de fundo.
Escolher o Cacém foi ingénuo . Visitar a localidade distante  20 minutos de carro e 15 de comboio  dos nossos locais de trabalho, num belo Domingo de Setembro à tarde, foi ingénuo. Comprar o apartamento  solarengo, num doce 4º andar a contar vindo do céu, de onde se via um ribeiro, que corria entre ervas , árvores e cabrinhas a pastar, foi muito, mas muito ingénuo.
Não demorou três anos para que o pequeno paraíso boçal  se transformasse pelas artes de uma qualquer desconhecida Medusa, na maior selva de pedra da Linha de Sintra, onde a poluição atmosférica , sonora e humana era tão asfixiante e densa que quase se podia cortar à faca.

Se há algo que o meu pai me ensinou e que raramente quebro , é dar valor à pontualidade.
Eu sou o exemplo vivo de um talibã da pontualidade, sou fundamentalista nesse ponto. Não faço ninguém esperar. Não me atraso. Não sou condescendente para quem falha , principalmente para com os contumazes.

Nunca , mas nunca me esquecerei que, recém casados, fomos de lua de mel para Amsterdam. Devido a um acidente na 2ª Circular, que esteve mais de duas horas intransitável, perdemos o avião. Como é possível perder-se um avião? Hummm??  A lição que retirei deste facto, foi que , independentemente de onde me encontre, chego SEMPRE ao local de embarque no transporte escolhido, duas horas mais cedo do que nos é indicado no título de transporte. Há sempre um livro que ajuda a manter viva a eficiência da pontualidade.
A TAP entendeu e reemitiu o bilhete para o dia seguinte graças à simpatia da KLM, e lá fomos a caminho  do frio, dos moinhos, dos tamancos, das flores, do gouda... e do haring, cru, odoroso, intenso ... uma semana e já era uma iguaria.

De volta ao Cacém, retomámos os nossos hábitos diários, tentando contornar situações complicadas e exasperantes que, se ainda o são em 2014, como o não seriam em 1980 ... Estoicamente , sobrevivemos durante 19 anos à custa de muita abnegação.
Foram tempos muito difíceis, mas deixaram recordações maravilhosas e inesquecíveis e uma imensa saudade, principalmente no que toca ao  respeito entre as pessoas, termo já descontinuado nas mentalidades de última geração.

Só a partir 2000, a  talibã da pontualidade conseguiu adquirir para si um pouco de um dos bens mais preciosos do mundo e que tão dificilmente se encontra disponível. Dá pelo nome de tempo e é raro não estar esgotado.



Tempus fugit navi fieri velis et vita ad eam




             

37 comentários:

  1. Um bom texto sobre a pontualidade que é desprezada e totalmente ignorada por quase todos hoje em dia.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. É um conceito em desuso, nestes tempos em que o tempo se esgota com tanta facilidade.
      Obrigada, Juliana. Beijinho e BFS. :)

      Eliminar
  2. Um texto muito interessante e excelentemente escrito. Gostei de recordar os Pink Floyd. E também gosto da pontualidade.
    Beijo.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Eu sou uma fanática da pontualidade. Regra com excepções, claro, mas o brio na pontualidade é um excelente juiz de carácteres.
      Bom fim de semana e um beijinho, Graça. :)

      Eliminar
  3. Respostas
    1. Obrigada, minha querida Andreia. Um beijinho grande, grande e um bom fim de semana.:)

      Eliminar
  4. Que bem resumiste uma fase intensa da tua vida, por certo marcante! Deixaste entrever um início de vida corajoso, guiado pelo amor...:)

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Escrever é para mim sempre catártico. Já escrevi só por escrever, ou para desabafar, ou por este ou aquele mote inspirador... tento não entrar em campos que não se enquadram no meu conhecimento ou de que pura e simplesmente não gosto.
      Durante estes anos que vivi, passei por momentos tão plenos de interesse e emoção, que pensei, porque não falar neles, sem qualquer ordem cronológica específica. Como disse antes , falar do que foi, para que o futuro possa um dia saber do passado.
      Beijinho, Miú querida.

      Eliminar
  5. Um atraso pode ser a morte do artista. Outras vezes, uma descoberta e uma aventura, como parece ter sido o seu caso.
    Bom sábado, M D Roque.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Viva XPTO, Obrigada. A Agência está em força ... Faltam-me os dois últimos dias... e tempo, claro.
      Abraço amigo e BFS,. :)

      Eliminar
    2. Estamos a contratar, não se acanhe.

      Abraço.

      Eliminar
  6. Concordo plenamente. Gosto de ser pontual e que o sejam para comigo.
    Bjs

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Acho essencial a todos os níveis de interacção social - trabalho, escola, lazer... é um princípio fundamental em que fundamentalistas da pontualidade como eu, se baseiam para armar em profiler, mas olhe que raramente me engano, Elisabete.
      Beijinho e BSF. :)

      Eliminar
  7. Muito interessante a forma como a partir da tua viagem de lua de mel a Amesterdão e particularidades sobre o teu início de vida familiar no Cacém, partes para considerações sobre o tempo e a pontualidade.
    Eu também sou uma talibã da pontualidade, algo a que a maioria dos portugueses não parece ligar a mínima! É uma questão de responsabilidade por um lado, e também de respeito pelos outros.
    Também gostei dos Pink Floyd.
    xx

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Brincar ás casinhas no Cacém parece um conto de ficção... Os belos 15 minutos de percurso estendiam-se por horas enervantes. O acordar com o sol e os passarinhos não tardou no acordar de noite e com a lua ( e com a lua em todos os sentidos)... As Velhas do Restelo sorriram venenosas apregoando o castigo que não tardou... Eu e ele, ora, Laura...
      Que quem já é pecador
      sofra tormentos, enfim!
      Mas as crianças, Senhor,
      porque lhes dais tanta dor?!…
      Porque padecem assim?!

      Chorei pelas minhas pequenas, que vogavam connosco ao sabor das intempéries durante aquele período jurássico, em que jurámos mudar. Como quem porfia mata caça, calámos muito arauto da desgraça. saiu-nos da pele , do cabelo que descorou, das doenças que vieram precocemente...nada grave... e como nada se perde, tudo se transforma e o que não nos mata , faz-nos rijos, hei-de falar mais desses tempos, porque a liberdade também teve grilhetas pesadas.
      Beijocas, minha querida

      Eliminar
  8. entre um início de vida que assentou arraiais a 15 minutos do local de trabalho e um atraso para ir viver uma semana num país do "primeiro mundo" passando por uma adoção de comportamento "talibã" face à pontualidade, eu posso ser signatária desta última modalidade. não faço esperar, mas também não gosto que me deixem "pendurada". os "pink"? incontornáveis.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. A primeira "modalidade" como contei à Laura mais acima, não foi nem pouco mais ou menos um mar de rosas como o talibã da pontualidade que sempre fui, passei e dei a passar as passas do Algarve para não ser faltosa nesse ponto particular.
      Os Pink, são os Pink , what else ? :) :) :)
      Beijinho DER, boa semana.

      Eliminar
  9. Também sou exigente com a pontualidade. Prefiro chegar adiantada e esperar do que chegar atrasada,.
    Um abraço e uma boa semana

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Eu sou mesmo fundamentalista a esse respeito, Elvira. Ai de quem não se justifique convenientemente :) :) :)
      ( porque tem que haver alguma abertura a excepções, casos sérios, e assim...).
      Beijinho, Bom início de Dezembro !

      Eliminar
  10. "O tempo e o modo" - foi o que me ocorreu, de imediato, após leitura de mais um interessante e muito bem escrito texto. Não sei porquê. Talvez me tenha parecido que seria perfeito para resumir a "luta" que foi a tua vida, visando sempre um futuro mais consentâneo com os teus/vossos objetivos. Se por um lado o tempo pode ser um ladrão do nosso tempo, por outro ele pode ajudar a atingir alguns objetivos, dentro do nosso tempo.
    Os imprevistos não se controlam, mas podemos habituarmo-nos a ser mais previsíveis.
    Gosto de pontualidade mas não sou exemplar que se recomende, salvo nos assuntos, digamos, mais profissionais.
    Como conheço o Cacém há um bom par de anos (além de outras cidades dormitório da zona), entendo muito bem essa exasperação. Mas, com dizes, depois de depurados os ciscos ficam as tetinas limpas para fixar os bons momentos.
    Bjo, querida D :)

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Corrijo: retinas :) :)

      Eliminar
    2. O tempo e o modo,que se tornou imperativo mudar... :) :) Gostei muito da tua apreciação.
      Beijinho e obrigada :)

      Eliminar
  11. Era muito descuidado no cumprimento de horários.
    E esse descuido trouxe-me alguns dissabores.
    Aprendi a lição.
    Boa semana

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Esta minha DOC com a pontualidade foi amarga de alimentar. Continuo talibã, mas muito menos aguerrida, Pedro. :) :)
      Abraço a Oriente e auspicioso início de Dezembro

      Eliminar
  12. Lembro-me muito bem de dois jovenzinhos sempre alegres, que faziam piadas por terem horários e dias de descanso desencontrados , que encontravam sempre tempo para os amigos apesar das poucas horas de sono e do muito cansaço e que se diziam utilizadores profissionais de estradas congestionadas.
    Lembro-me de um dia me dizeres que a Virginia Woolf escreveu As Horas a pensar no IC 19. Ainda uso essa citação tua sempre que fico encalhada no transito .
    Xi- coração, minha velha. És uma querida.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Pois foi Lu :D:D:D:D:D ... aquilo era tremendo. Sair de casa com uma criança pequena às 6 da manhã, para poder estar em Belém às 8 era uma coisa do demo...
      Também dava para Amor em tempos de Cólera, porque colérica era o meu middle name... :) :) :) Aquilo tirava qualquer um do sério, principalmente quando demoravam a entrar, a sair, a pedir explicações, sei lá que mais, e atrasava tudo...tudo e todos, EU INCLUSIVE !!!
      Jinho

      Eliminar
  13. Creio que pontualidade é uma questão de educação.
    Não tem coisa mais desagradável do que o médico que atrasa os horários dos pacientes!
    Pior ainda é quando você se atrasa por culpa do trânsito, chega 10 minutos após o horário
    da consulta e o médico já foi embora! Aquele mesmo médico que sempre se atrasou!

    Falando ainda em pontualidade, estou aqui retribuindo sua visita.
    Quero te avisar que seu avatar não contém o link do seu blog, o que torna mais difícil te achar.
    Só te encontrei através do Google.
    Abraços e boa semana!

    VitorNani/Hang Gliding Paradise

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Viva, Vitor, bem vindo ! :) :)
      Creio que já "taguei" o meu avatar com o meu nome, obrigada por me informar.
      Boa semana e bons voos !

      Eliminar
  14. Como não gosto de atrasos costumo chegar sempre antes do tempo, também pode ser defeito, parece-me.

    Quanto ao controlo...ah? Existe mesmo???

    Beijinhos

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Se não existisse controlo, a vida seria um caos total. Ainda hoje o ser humano luta para que o verniz com que supostamente a civilização o pintou, não estale e não o mostre como a besta que nunca deixou de ser.
      Eu gosto de me controlar. A minha vida sou eu quem decide e por tal não me agradam as coisas que me fogem ao controlo.
      Bejinho, Pérola querida

      Eliminar
  15. Boa noite, MD
    Boa história partilhada dum tempo de “combate”: o princípio de vida a dois. Olhando para trás, para o caminho percorrido, a satisfação faz brilhar os nossos olhos; um orgulhozinho é o gozo dos guerreiros.
    Na atualidade, os trunfos que apontou pontualidade, abnegação, respeito, que ditaram decididamente o vosso êxito, passaram de moda.
    Pontualidade ? Horário flexível.
    - Cada um faz a gestão do SEU tempo esquecendo que o tempo também é dos outros, melhor, o tempo não é de ninguém.
    Abnegação? Egoísmo.
    - Era o que faltava vergar a mola, nem pelo meu irmão, cada um que se …
    Respeito? Desconsideração, má criação.
    - Isso era no tempo da outra senhora

    ResponderEliminar
  16. Viva, Agostinho. Eu acho que a educação vai de todos e cada um de nós e não do tempo em que vivemos. É a educação que fundamente em nós o respeito pelos outros... é tudo uma questão de educação, costuma dizer-se. E nu fundo, até é... ou se tem ou não se tem, e pouco terá a ver com a época em que se vive , tampouco com o extracto social.
    Abraço e bom fim de semana. :) :)

    ResponderEliminar
  17. Eu tenho um grande problema com relação a horários, sempre cumpro com rigor, mas fui educada desta forma e passei isso para meus filhos com orgulho!
    bjus
    http://www.elianedelacerda.com
    OBS:Não gosto de esperar ninguém, apenas 15 min é meu tempo máximo!

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Nós que passamos a vida à espera, detestamos esperar. Contrassenso mas real, Elyane.
      Beijo e bom fim de semana

      Eliminar

É aqui que me mandas dar uma curva