sábado, 6 de setembro de 2014

Na Fábula, para me perder e te encontrar.

"Todas as paixões passam e se apagam, excepto as mais antigas, aquelas da infância."

Cesare Pavese




"Em Veneza há três lugares mágicos e secretos: um, na Calle Dell'Amor Degli Amici, o segundo junto da ponte delle Maravegie, o terceiro na Calle Dei Marrani, perto de San Geremia, no velho gueto. Quando os venezianos se cansam das autoridades, dirigem-se a estes três lugares secretos e, abrindo as portas ao fundo desses pátios, partem para sempre para países fantásticos e outras histórias."


Hugo Pratt in "Corto Maltese - Fábula de Veneza"








Conheço-te desde sempre.
Contigo chorei e ri, senti ódios e paixões, conheci lugares e tempos estranhos, gente ainda mais bizarra, viajei por todos os mares em exóticas embarcações, enfrentando todos os perigos, sem medo e com a bravata que a inocência dos 12 anos traz fresca na guelra, como um narval turbulento e irrequieto, formidável e inconformado, mas tímido e enamorado.

Cresci contigo sempre presente.
Toquei-te, folheei-te, li e reli páginas e páginas, em preto e branco, em cores, em êxtase, sempre debaixo do teu encantamento mestiço, que me tomou de amores, como um vendaval de emoções e sensações que antes nunca sentira.

Foste o meu primeiro amor.
Imaginei e acariciei o meu primeiro beijo,  com o sabor à maresia e o cheiro ao sal da tua pele tisnada, rasgada por dois lagos claros e límpidos onde mergulhei e me perdi.

Os anos levam-nos a candura, trazem responsabilidades e a realidade vai amadurecendo as ideias e esbatendo os sonhos.

O ocaso aproxima-se- Penso em ti. Procuro-te nas sombras , nas pedras, em cada ola, em cada vaga, em cada reflexo de prata na lagoa. 
Sei que não vou ter medo, porque tu estarás lá, irónico, despreocupado, com a mesma magia e sedução  que me derreteu a alma. Contigo vou sem receio para onde me levares: às profundezas mais negras das fossas marítimas, aos mais altos e alvos picos, a heteróclitos céus  ou aos insignes infernos . Contigo partirei.


Encontrei-te







































































Jamais alguém conseguiu esquecer o primeiro amor.


                                

54 comentários:

  1. Corto e Hugo. Hugo viveu a juventude em Veneza, Corto visitou Veneza em 1921. Pratt nasceu em 1927. Nada impediria que lá voltasse depois, que se cruzassem nas ruas de La Serenissima. Quem sabe se um Corto maduro não terá até falado com um jovem Pratt, lhe tivesse contado histórias de viagens da Sibéria à Argentina No mundo deles, tudo é possível, não é?

    Boa continuação da magia, cara MD :)

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Quase posso jurar que da sombra de um fio de fumo azulado dum cigarro enrolado, naquela viela sinuosa e escura onde me perdi, sorriu para mim, aquele sorriso irónico e brilhante, cheio de promessas de aventura e prazeres loucos, que me arrebatou num embalo doce, até que abri os olhos e me voltei a encontrar.
      Para lá do mundo, tudo é possível, querido X.

      Um mágico FDS e um beijinho

      Eliminar
  2. Ohhhh que texto espectacular e que fotos e imagens deslumbrantes...

    Adorei este post!

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Viva Daniel, muito obrigada :):):):)
      Abraço amigo e bom FDS

      Eliminar
  3. Respostas
    1. :):):)
      Querida Andreia, todos os velhinhos já foram crianças cheias de sonhos e grandes paixões.
      Um beijinho grande e um bom FDS

      Eliminar
  4. Respostas
    1. Absolutamente, Marcos :):)
      Abraço e BFS

      Eliminar
  5. Se isto não é das mais bonitas declarações de amor que já li, então não percebo nada de declarações de amor.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. A idade pode tornar-nos nostágicos, mas os sonhos, assim como as paixões, não têm idade.
      Obrigada e um beijo cheio de mar salgado, aventura e amizade.

      Eliminar
  6. Sou do tempo dos rabiscos de Cortos em tudo o que era caderno. Lembras-te da Dra. Rosarinho, quando demos Jack London, dizer que era um conhecido do teu marinheiro e tu ficares escarlatíssima? Lindo o que escreveste. Lindo e real :):):). Beijos, menina das tranças. :)

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Querida Lu... Querida Lu... :') :') :')

      Eliminar
  7. Roquamiga

    Veneza é indescritível. é como o Brasil, ame-a ou deixe-a...

    E o Cesare Pavese tem toda a razão quando diz que "Todas as paixões passam e se apagam, excepto as mais antigas, aquelas da infância."

    Foi então por isso, pela tua paixão pelo Corto Maltese,que te levou a descobrir os três lugares mágicos e secretos?

    O teu texto é... fabulástico. Consegues transmitir-me (-nos) um sentido de alma, um amor total, um desprendimento do desprezível, uma auréola, um nascer do sol. Contigo - ficarei

    Qjs

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Henrique, hoje sorri com lágrimas. Agradeço a compreensão nas suas palavras . :')
      Abraço amigo e BFS.

      Eliminar
  8. Que texto mais lindo!

    O primeiro amor?

    nem sei bem qual foi.

    O 1º namorado não foi, na certa: uma desilusão.

    Logo, tenho de pensar.

    Como gostaria de me passear por Itália!!!!!!!!!


    beijinhos

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. O primeiro namorado não tinha aquela aura de romance. Foi giro, não foi uma paixão e muito menis amor, Perolazinha. :):)
      Beijoca

      Eliminar
  9. Não é que coloquei o comentário doutro blog?

    Já troco as páginas abertas do Chrome, acho que envelheço a olhos vistos.

    Desculpa-me, querida.

    Por acaso, não, Itália é mesmo teu, agora que cuidadosamente coloquei tudo no lugar.

    Outras desculpas..

    Beijinhos


    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Itália teve-me por alguns dias. Foi uma entrga voluntária, de corpo e alma. Deixei-me levar, perdi-me, encontrei - me, fui feliz.
      As mulheres têm o tal sexto sentido. Eu soube que o momento era aquele e agarrei-o com unhas e dentes. Pode tardar, mas virá.
      Beijinho, minha Pérola :):):)

      Eliminar
  10. Um texto maravilhoso, imagens fantásticas e Corto Maltese, claro!
    Tu e as tuas extraordinárias associações!
    E a música a "fechar" muito bem.
    xx

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Veneza é a nossa fábula, Laurinha, passe o tempo que passar :)
      Beijoca e bom Domingo.

      Eliminar
  11. Texto e imagens sensacionais,é muito dificil esquecer o primeiro amor, M D Roque passando pra desejar um ótimo sábado beijos.
    Blog /Fan Page / Twitter /

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Viva, Lucimar. O primeiro amor é aquela marca indelével e permanenre no coração, que, despertada por alguma memória , nos dá " aquele" baque e acelera sem compasso nem razão. É permanente, doce e terna. :):):)
      Bom Domingo e um beijinho

      Eliminar
  12. Vim agradecer tua visita e conhecer teu cantinho. Tens uma forma bonita (e enigmática) de colocar a poesia nos teus textos. Dá prazer de ler! Também as fotos são belíssimas! Parabéns pelo teu espaço!
    Deixo estrelas e sorrisos nos votos de uma semana pontilhada de alegrias.
    Com carinho,
    Helena

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Viva, Helena, muito, muito obrigada mesmo :):):)
      Um beijinho e bom Domingo

      Eliminar
  13. Sempre terna e delicada querida M.
    Obrigado pela fantástica partilha. Recordou-me tempos mais cândidos e a importância da memória, da utopia e do sonho quando tudo o resto parece sombrio.
    Beijinho.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Agradeço, amigo. Sempre presente a escrever o que é importante e no momento certo.
      Mil beijinhos e votos de um óptimo Domingo :)

      Eliminar
  14. Já sei que, quando venho ao teu espaço, é para me deliciar com os teus escritos. Este está soberbo porque explicas indiretamente o porquê desta fabulosa experiência de que nos deste conta. Eis desvendado o mistério do título das postagens. Mas, o que me fez sorrir de admiração, foi o cuidado de alinhares imagens da "fábula" com as tuas fotos, sempre que te foi possível. De facto viveste a "Fábula de Veneza" com os olhos da tua primeira e inesquecível paixão.
    Acredita que consigo sentir-me feliz, adivinhando esse brilho no olhar.
    Meu bjo, D

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. E sorrio feliz às tuas palavras.
      É tudo isso e muito mais :) :)
      Beijos e bom Domingo

      Eliminar
  15. Respostas
    1. Ė isso viver a Fábula, Tétisq. Perder - se, encontrar-se, saborear a felicidade da juventude. :) :)
      Beijoca e bom Domingo

      Eliminar
  16. Nunca esqueceremos mesmo do primeiro amor!
    A vida é relembrar sempre, valorizar os bons momentos e viver todos os segundos intensamente!
    Bom domingo e bjus
    http://www.elianedelacerda.com

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. É isso mesmo Eliane :)
      Bom Domingo e um beijo

      Eliminar
  17. Gostei muito , como sempre do seu texto , M D Roque .
    As fotos e a música espelham o brilho e o fascínio do primeiro amor .
    Parabéns !
    Agradeço a partilha .
    Beijos e bom domingo

    ResponderEliminar
  18. Viva Marisa. Muitos me perguntaram porque dei o nome de Viver a Fábula à última série de foto-pots sobre Itália... respondi o melhor que sei. :):):)
    Obrigada, Beijinho e Bom Domingo

    ResponderEliminar
  19. A Fábula em Veneza, de Hugo Pratt, sempre foi O meu livro de banda desenhada.
    Gosto muito de banda desenhada.
    Sou um fã completo de Hugo Pratt e do seu personagem Corto Maltese.
    Boa semana

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Corto tem livros fantásticos. Por exemplo Ss Célticas, que retratam a época tão marcante e pouco divulgada que foi a primeira grande guerra...
      Abraço a oriente, Pedro :)

      Eliminar
  20. MD. Regressar de férias e ser brindado por tal "recordação" é viajar devagarinho por onde só me lembro de sorrisos e alegrias.
    Melhor que nunc. Forte aplauso.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Sorrisis e alegrias forever, E.M.
      Obrigada e beijinho :)

      Eliminar
  21. Isto por aqui está cada vez melhor. A aventura não tem limites.
    Parabéns, MD.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Viva, Agostinho. A Fábula já faz sentido? Foi um passeio à minha mocidade, sentir o primeiro amor quse palpável e rejubilar .
      Abraço amigo :) :) :)

      Eliminar
  22. O primeiro amor. Um texto magnífico. Imagens de Veneza. Corto Maltese. Andrea Bocelli. Nada falta à memória de quem ama a beleza. Obrigada por partilhar.
    Beijo.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Sou eu quem agradece as suas palavras, Graça.
      Beijinho. :)

      Eliminar
  23. Boa tarde, publicação linda com um brilhante texto, sempre pensei que um novo amor faz esquecer o outro.
    AG
    http://momentosagomes-ag.blogspot.pt/

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Quando a sua vida te passa como num filme, as emoções que reacendem são sempre as mais fortes, e nada como as primeiras experiências para nos avivar a terna chama da paixão, daquele amor tão puro, tão limpo, tão nosso, António.
      Obrigada e um grande beijo.

      Eliminar
  24. Querida M D, ando um bocado desfasada e só agora li este texto maravilhoso!
    Passam-se muito bons minutos a ler por aqui, adorei. :-)
    Um beijinho.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Querida Susaninha. Só cheguei ontem e ainda nem assentei. Também estou em falta para com os meus amigos :).
      Foram mais foto-posts estes último, excepto este, queem bailava no peito há tanto, tanto tempo.
      Um beijinho grande, querida :)

      Eliminar
  25. "As memórias são / Como livros escondidos no pó/ As lembranças são / os sorrisos que queremos rever"
    :)
    Beijinhos

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. "De súbito, contemplo, surpreendido, longas caravanas de caminhantes que, chegados como eu a este caminho, com os olhos adormecidos na recordação, entoam canções e recordam. E algo me diz que mudaram para se deter, que falaram para se calar, que abriram os olhos atónitos ante a festa das estrelas para os fechar e recordar... "

      Obrigada ! :):)
      BJ.

      Eliminar
  26. Excelente texto, e fotos muito bonitas. Estive aqui há dias, por duas vezes comentei o texto, mas ao clicar para publicar aparecia sempre uma mensagem "Ops, erro"
    Um abraço e bom fim de semana

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. viva, Elvira.
      Obrigada! Foi uma excitação completa, um deslumbre.
      Um grande, grande beijo :):):)

      Eliminar
  27. Não há Amor como o primeiro, diz a voz do Povo.
    Na verdade, o que nos marca e se grava dentro de nós é a vivência desses momentos únicos que tornam o gostar (simples) em Amar.
    Acho que o teu texto é uma vera Declaração de Amor cujas imagens retratas desde dentro de ti.
    Tudo belo.


    Beijos


    SOL

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Quando falar, já não é o suficiente... contar, já contei, agora grito e tinjo o meu grito com as cores da memória.
      Obrigada, Sol, um abraço amigo

      Eliminar
  28. Assim como o primeiro sorriso, a primeira passada e a primeira palavra pronunciada, o primeiro amor ganha importância máxima na história e lugar cativo na memória. Belo texto amiga.

    Abraços,

    Furtado.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Viva ! É isso mesmo, concordo plenamente. :)
      Obrigada e um abraço amigo

      Eliminar

É aqui que me mandas dar uma curva