quarta-feira, 2 de julho de 2014

Três-Cinco-Cinco-Zulu-Tango- Foxtrot

"No meio da dificuldade encontra-se a oportunidade."
Albert Einstein


"O divórcio entre o progresso e as pessoas, a impossibilidade que a maioria já mostra para o acompanhar, alheando-se da realidade, será um sinal de que está perto o dia em que já não será possível acelerar mais. Para uns será o Apocalipse; para outros simplesmente o início de uma nova era."

José António Saraiva




Três-Cinco-Cinco-Zulu-Tango-Foxtrot, repito , Três-Cinco-Cinco-Zulu-Tango-Foxtrot, ... zzzzzzt zzzzzt...nada, só estática, white noise, nada se propaga pelo éter nas frequências que tentei. E ainda tentei algumas com as quais me lembro  ter conseguido excelentes DX nos meus tempos áureos da Banda do Cidadão.

Nunca ninguém deu muito crédito às previsões apocalípticas que se vêm tornando cada vez mais frequentes à medida que o tempo passa, mas acredito que a NASA, a ESA e os chineses  sabiam que a tempestade solar geomagnética iria dar cabo dos satélites, anulando todo e qualquer tipo de comunicação sem fios e atirando-nos de novo para a pré-história da globalização. Era previsível que acontecesse mais tarde ou mais cedo e os altos dignitários da informação espacial optaram por não informar do "bloqueio temporário" para não criar o caos e levar ao o pânico das massas e a tragédias de proporções inimagináveis.

 Já passaram sete meses e não acredito como não enlouqueci.

 Felizmente há luz eléctrica à noite, mas tive que comprar um pequeno fogão a gás para cozinhar uma refeição quente diária. Só uma por dia, porque o gás está a ser racionado e eu quero que dure enquanto durar o "bloqueio temporário". Olho com tristeza para o meu tablet, companheiro de tantas horas de chats em todas as redes sociais onde estava registada... eram tantas, tantos amigos, tantos LOLs, tantos likes, tantas apps que ligavam os gadgets entre si para me manter sempre actualizada, sempre online.
Carrego-os todos à noite quando chega a luz e a primeira coisa que faço quando chego a casa é verificar se já funcionam para que eu também possa voltar a funcionar.

Escrevinho e guardo os meus escritos sempre na esperança que possa fazer um post ou dois no dia seguinte, ou ligar-me à rede por breves minutos, até segundos... preciso, preciso tanto de falar pelos dedos ,  só eu e o meu teclado virtual e toda a world wide web onde passei metade da minha vida de adulta.

Pego num livro todas as noites e leio meia dúzia de páginas... ajuda à privação mas não é o bastante. Diz que o tempo também remedeia, mas não me parece para aí virado. Passa lenta e penosamente. As horas transformam-se em dias, os dias em meses e continuo à espera que acabe a provação, porque quero sentir-me viva de novo, preciso respirar a normalidade da vida que interrompi abruptamente há sete meses atrás.

Sinto-me regredir, embruteci. Estou mais magra mas com algum tónus , musculada e agradável  de tanto subir e descer escadas com um elevador parado no rés do chão. Todos os dias trago a fruta ,os legumes e a proteína que consegui arranjar na fila para a comida fresca e dou graças pela minha psicose - assim diziam - de ter uma dispensa farta. Faço dois ou três pães à noite para não estar mais outra hora na fila; leite, guardo-o em pó . Olho tristemente os meus pacotes de café em grão; são uma relíquia e tenho 4. Tinha seis, quando começou o "bloqueio temporário". Noite sim, noite não tomo um, acabado de moer, escuro, aromático, sem açúcar. Sabe-me pela vida... 

Não consigo impedir as lágrimas de correr. Ainda ninguém recuperou do choque, mas a vida continua e temos que nos habituar. Temo que a situação seja para durar e que dias mais difíceis virão. O desalento deu lugar àquela força instintiva que nos impele à sobrevivência. As notícias que nos chegam com a luz à noite, são sempre animadoras... como quase sempre o foram nos últimos 15 anos, mas pelo menos ainda estamos vivos e o céu que nos cobre é a fantasia de qualquer poeta e sonho de qualquer pintor.

Três-Cinco-Cinco-Zulu- Tango- Foxtrot, repito , Três-Cinco-Cinco-Zulu- Tango- Foxtrot, ... zzzzzzt zzzzzt...





                                

56 comentários:

  1. Estamos tão ligados à rede que quando nos falha sentimos que nos falha tudo

    Beijinhos*

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Mas poderá ser uma oportunidade para inovar, Andreia, um recomeço com base nos valores e nas tradições dos nossos avós, sermos nós a comandar e não a deixar-nos comandar pelos comandos...
      Beijinho e boa quarta feira. :):)

      Eliminar
  2. Belo depoimento , M D Roque . Você nos envolve com sua escrita . Dias melhores para todos nós , é minha esperança . Beijos

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Se uma visão apocalíptica de futuro se limitar aquilo que escrevi, Marisa, teremos muita sorte. Não acredito em predições catastróficas, mas sei por estudos efectuados que daqui a 50 anos a população mundial quase duplicará e a comida natural será cada vez mais escassa. Com ou sem tecnologia , teremos que reaprender a viver da terra para subsistir.
      Obrigada, boa semana e um beijinho.

      Eliminar
  3. Lindas palavras de Albert Einstein.
    E quantas oportunidades encontramos no meio das dificuldades!
    Linda postagem.
    Bjs amiga
    Carmen Lúcia.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Diz-se que é da necessidade que nasce o engenho Carmen, e mais tarde ou mais cedo a humanidade terá que ser inventiva para subsistir e reaprender a viver da terra é uma solição.
      Obrigada, beijinho e boa semana

      Eliminar
  4. Sabes que acredito piamente que qualquer coisa no género possa vie a acontecer? O espaço é uma lixeira cheia de todas as porcarias que para lá enviámos, nem precisas duma tempestade solar electromagnética, basta a tralha espacial entrar em rota de colisão, pois muitos são pesados, vã-se desagregando e não se limitarão a gravitar. Gostei muito de ler. Teremos muita sorte se assim for. Luz e comida fresca é a parte do fantástico neste conto.
    Beijocas. L

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Um dia destes escrevo sobre aquelas coisas horríveis das bolas de fogo , das trombetas do céu e dos quatro cavaleiros para te fazer feliz. :):):):):)
      Beijos

      Eliminar
  5. Foi tão convicente que até pensei, de repente, que era verdade, e que estavas para aí escondida num país qualquer das arábias, a fazer um estudo sobre a privação das redes sociais. Muito bom miúda! Muito bom.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Gracias, "velhota" , Glad you like it.
      Beijocas :):)

      Eliminar
  6. É sim, essa foi boa. Estás antenada.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Pode ser, mas sem fios, Marcos. :):):)
      Beijinho

      Eliminar
  7. A eletrónica poderá falhar, mas o ser humano tem duas armas poderosas, as suas mãos, e um enorme instinto de sobrevivência.
    A vida poderá ser diferente, mas não será impossível. A menos que a poluição destrua o planeta, quer alterando o ar que respiramos, quer aquecendo demais o planeta. Porque caminhamos para isso, mas o homem continua a conspurcar a água que bebe, e a inquinar o ar que respira.
    Um abraço

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Acredito que sim Elvira, ou pelo menos quero muito acreditar que ainda sabemos manobrar com precisão as duas ferramentas que a criação nos forneceu à nascença se a necessidade se apresentar.
      Tem alturas que nos comparo a nós, os humanos, a uma marabunta que tudo destrói à sua passagem, sem ser sequer para saciar a fome.
      Beijinho e um bom resto de semana.

      Eliminar
  8. Quando tudo falhar ainda existe a imaginação humana... Um texto excelente, apesar de inquietante...
    Beijo

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Sabe Graça, eu penso que depois do choque inicial era prova ( e provação) superada. O engenho humano não depende de satélites. :):):)
      Beijinho e bom resto de semana

      Eliminar
  9. Gosto tanto de ler a tua fixação pela ficção :):):):)
    Jinhos

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Quem é que aprendeu trocadilhos com a velhota, quem foi ? :):):):)
      Vá, fica bem, um Xi. :):)

      Eliminar
  10. É que parece-me que até tive um calafrio! Que conto fantástico!
    Beijo, querida M D !!!


    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Como felizmente não tenho dotes divinatórios, enquanto estás visões futurísticas se mantiverem no campo da ficção,, tudo ok. :):):)
      Também, se o futuro for passar pela privação da tecnologia, será complicada o desmame, mas acredito que conseguimos na boa, Susaninha
      Beijinho

      Eliminar
  11. COMUNICADO:
    TENHO ESTADO DOENTE
    04.07.2014

    Há cerca de cinco dias fui atacado por uma forte gripe, que mostrou intenções de invadir zonas do meu corpo que não lhe diziam respeito, nomeadamente a zona pulmonar.
    O médico que me tem assistido moveu-lhe guerra feroz, e da refrega saíram dois vencedores: o médico e eu.
    Hoje já tive autorização para me levantar duas ou três horas, e mal pus o pé fora da cama, corri – em sentido figurado, que as forças ainda não dão para correr – “corri” para o computador para estar um bocadinho convosco.
    Espero em breve estar são como um pêro…“Bravo de Esmolfe”– o mais doce do reino *perófico* (de pêro).
    Sei que a palavra não existe, acabei de a inventar… mas é gira, não é? 

    Miguel, o rei perófico

    (AQUI APARECE A FOTO DO REI, QUE POD VER NO BLOG)
    Beijos para as meninas e abraços para os meninos.
    Até breve, até sempre.
    P.S. O meu primo vai-me fazer o favor de levar este comunicado aos blogues amigos, para que não me esqueçam...
    Miguel

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Boa melhoras , Querido Miguel !!!
      Mil beijocas :):)

      Eliminar
  12. Adorei o conto! Bom fim de semana, querida.
    Beijos,
    Renata

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Viva Renata, obrigada. Um grande beijo e um bom fim de semana. :)

      Eliminar
  13. Um texto para refletir...
    Com ou sem fios, só sobrevive quem consegue
    adaptar-se as inúmeras mudanças que acontecem todos os dias.
    Bjs!

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Tentei uma pequena alegoria, querida Clau. Penso que funcionou menos mal. :):)
      Beijo e um fim de semana tranquilo.

      Eliminar
  14. Talento é isso! Nos transporta de forma tão intensa, que nos vemos na cena, sentindo tudo como se fosse real. Ai, acordei... Bjs

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. :):) Acordar é sempre bom, dependendo da realidade de cada um, Cris :):)
      Beijo e BFS.

      Eliminar
  15. Ui... de arrepiar, pois será bem assim! Estamos usando e abusando dos recursos do Planeta e quando começar a faltar... ah... aí voltaremos a vida simples dos nossos avós e bisavós! Serão tempos difíceis, mas nos adaptaremos e recomeçaremos! O apocalipse para mim será o início de uma nova era! Bjks e bom final de semana! Tetê

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Penso o mesmo Tetê. Apocalipse quer dizer revelação, e acredito que a única revelação que nos resta é a de um recomeço saudável, que nos revigore a nós e ao planeta.
      Beijo e BFS.

      Eliminar
  16. Que maravilhoso conto .Misto de fantasia, realidade.,Gostei muito! beijos,chica

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Talvez uma realidade fantástica mas não impossível ? :):):)
      BFS, Chica. Beijinho.

      Eliminar
  17. recentemente deixei de ter televisão e acho que ganhei em qualidade de vida. por vezes, privo-me propositadamente durante longos períodos das redes sociais, custa mas ganho tempo para outras coisas...

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Se eu não gostasse tanto de escrever, já não andava por aqui. Talvez um destes dias dê folga ao blog, como já dei ao FB, para onde já só mando praticamente fotos que tiro aqui e ali. Num repente , escrevo um texto, idealizo a imagem e tenho a música de fundo. 10, 15 minutos, está feito. Depois falta rever a pontuação, os erros que o corrector não detecta, as bacoradas do iPad, sei lá...levo mais tempo nos retoques do que no resto. Muitas vezes nem tenho paciência e deixo como está...
      Nos dias de folga é um sprint contínuo entre a cozinha e o PC... Estou velha para estas coisas ... E tempo de qualidade para mim? Ah, isso é um mito urbano :):):):)
      Beijinho Tétisq e BFS.

      Eliminar
  18. Diante de tantas coisas absurdas que veem acontecendo no mundo, concluímos que nada é impossível mesmo. Belo texto amiga.

    Beijos e um ótimo final de semana para ti e para os teus.

    Furtado.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Obrigada, Rosemildo. Não se pode descartar a possibilidade de um blackout tecnológico. Não seria o fim do mundo, mas marcaria o fim de uma era de dependências e de prioridades.
      Um excelente fim de semana. Beijinho.

      Eliminar
  19. Olá,Boa noite, MDRoque
    adorei o escrito... nesse mundo atual , estamos sujeitos a um avanço tecnológico muito rápido e essa modernização é bastante eficaz no nosso cotidiano, onde em questão de segundos, vários conteúdos são expostos para todos que estão conectados e dessa forma tornou-se muito essencial, tanto que estar fora ou impossibilitado de usar a tecnologia é estar fora do mundo...creio que, o dia que haver um bloqueio, mesmo temporário, iremos saber quem soube utilizar da melhor e mais produtiva maneira e quem utilizou da tecnologia para o seu próprio crescimento e não cresceu dependendo sempre da tecnologia , que não pode ser um instrumento de escravismo da razão, pensamento e compreensão da realidade e sim, um apoio as tarefas do dia a dia, da velocidade na comunicação, na interatividade entre as pessoas... esses que souberam utilizá la da melhor maneira , serão somente sutilmente “convidados” a retomar os hábitos e iniciar um belo recomeço...que é uma oportunidade que a vida oferece para melhorar e evoluir no caminho do bem, do que é justo, correto e verdadeiro, pois sempre acreditarei que cada um de nós tem muitas oportunidades e novas possibilidades de retornar e recomeçar...enquanto há vida...
    Obrigado pelo carinho, belo fim de semana, beijos!

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Viva Felis, que bom ter a sua visita. É certo que é um cenário fictício, mas não é completamente impossível. E recomeçar pode nem ser uma tragédia, pode ser dar-nos uma chance de renovação, a nós próprios e á mãe terra, tão massacrada.
      Beijinho e BFS. :):):)

      Eliminar
  20. Fantástico! Trabalho com tecnologia e sempre imagino uma situação próxima a que colocaste. De fato, possível e libertador/aprisionador, vai depender do quão maduro for o vivente. Obrigado por expor sua ideia. Abraços! http://wordsinthesea.blogspot.com

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Viva Daniel. A maturidade vamo-la adquirindo conforme os obstáculos se forem apresentando e nós os conseguirmos ultrapassar.
      BFS. Abraço :):)

      Eliminar
  21. Em muitos lugares as novas tecnologias estão a ofuscar o passado recente, mas ainda há aldeias do país onde a «rede de internet e telemóvel» lá não chegou (pela minha aldeia falo) e a energia eléctrica "volta e vai, e volta e torna a ir" quase sempre quando há trovoada ou um vento mais forte e ninguém gosta da situação, claro, por outro lado, acho que pitoresco um lugar onde não há tanto agito do tempo tecnológico... onde se conserva os costumes simples, se dá os bons-dias às pessoas e não se vive tantas preocupações...não é fácil passar muitos dias sem acesso às tecnologias...então 7 meses...!!! mas 1 semana até sabe bem!
    Gostei muito do texto. Parabéns!
    Bom Fim de Semana... Bjs**

    ResponderEliminar
  22. Sabe, aluap, estive uma semana perto de Linhares da Beira, andei para trás no tempo e regressei 20 anos mais nova :):):):). Costuma dizer-se que há males que vêm por bem ... quem sabe ? :):):)
    BFS. Beijinho

    ResponderEliminar
  23. Relato emocionante e bem construído dos que nos poderá acontecer...alguns recuperaremos esse instinto que nos impele a continuar. Sempre me julguei uma sobrevivente... :)))

    bjs

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Uma situação como esta não é difícil de acontecer e nós, depois de purgamos as lágrimas, o desespero a raiva e o desalento, arregaçamos as mangas e arrepiamos caminho, porque faz parte do nosso ADN.
      Beijinho, Ana e um BFS. :):)

      Eliminar
  24. Bjins e belo domingo.
    CatiahoAlc./ReflexodAlma

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Obrigada, querida CatiahoAlc. Um xi <3 :)

      Eliminar
  25. Depois de ler varias postagens sua me emocionei com muitas delas,
    mais fiquei triste em perceber que poucas vezes estive aqui.
    Agradeço por encontrar um blog onde não deixa nossa alma sair vazia
    porque muitas vezes é nos blogs que procuro forças para seguir em frente.
    Pessoa linda e iluminada um abençoado final de semana abraços.
    Evanir.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Evanir, que bondade a sua, querida, muito obrigada. :)
      Um grande beijo e um excelente Domingo. :):)

      Eliminar
  26. Já tinha lido mas, por falta de tempo, não comentei.
    Excelente esta tua "versão apocalítica". Habituamos que estamos a tanta tecnologia, ficamos aparvalhados quando surge uma simples falha elétrica! Claro que, como somos sobreviventes natos, ultrapassaríamos a situação. Contudo, esta interatividade que parece já fazer parte de nós, seria muito difícil de ultrapassar. Provavelmente, seriam criadas clínicas de desintoxicação...:)
    Ainda sobre o teu texto: penso muitas vezes no tempo em que havia necessidade de racionar alimentos e outros bens, temendo que possamos ter esse tempo de volta; contudo, penso que isso não seria o pior. Há tantos países onde ainda falta o básico nos dias de hoje!
    Bjo, querida D :)

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Sabes EU querida, os ditos terceiromundistas seriam os primeiros a recuperar duma falha tecnológica geral a nível mundial . Nunca poderiam sofrer da privação de algo que não têm.(comida, até) e têm criando "anticorpos" contra a sua desventura. Nós amolecemos e iria ser difícil ( mas nunca impossível) recuperar a endurance que caracteriza os menos afortunados.
      Beijo grande e boas melhoras. :):)

      Eliminar
  27. Um dia a casa cai. Estamos drogados de tecnologia, viciados no on-line. Começo a olhar umas montanhas em volta, imaginando como seria viver rusticamente.
    Sei lá!, vai quê, né?

    :)

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. É uma realidade, Allan. Não é impossível que aconteça o que escrevi, aliás, até não seria mau de todo se acontecesse só assim, porque não seria complicado demais.
      Obrigada e um BFS. Abraço

      Eliminar
  28. Ás vezes temos que começar do zero.... Para que tudo volte a ter sentido....Estamos tão embrenhados nas tecnologias que entramos em pânico quando tudo falha...
    Um conto interessante e que nos faz reflectir.
    Obrigada pela visita
    Beijos e abraços
    Martaa

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Viva , Marta, obrigada pela presença :)::)
      Quem sabe um recomeço não seria positivo, mais saudável para as pessoas e para o planeta?
      BFS. Beijinho.

      Eliminar

É aqui que me mandas dar uma curva