terça-feira, 22 de julho de 2014

Till Death do me (a)part...

"Pedirei a abolição da pena de morte até que me demonstrem a infalibilidade do julgamento humano" 

Marquês de Lafayette



[...] A segunda categoria é composta por aqueles que infringem as leis,
 os destruidores e os propensos a isso, a julgar pelas suas qualidades.
 Os crimes destes são, naturalmente, relativos e muito diferentes;
 na sua maior parte exigem, segundo os mais diversos métodos, a destruição do presente em nome de qualquer coisa melhor.
 Mas se necessitarem, para o bem de sua teoria, saltar ainda que seja por cima de um cadáver,
 por cima do sangue, então, no seu íntimo, na sua consciência, eles podem, em minha opinião,
 conceder a si próprios a autorização para saltarem por cima do sangue[...]

Dostoievsky







Desde que me conheço, sempre fui contra a pena de morte.

Nas leis dos homens e nos métodos de obtenção de provas tem sempre uma percentagem de falibilidade, as culpas nem sempre são provadas sem qualquer sombra de dúvida e já passámos há muitos séculos a selvajaria dos primeiros legisladores, que apesar de sábios governantes, eram violentos e sanguinários. A Lei de Talião o, Apocalipse 13:10 ou o Código de Hamurabi, deveriam ser estudados como a pré-história das regras de justiça em sociedade e não continuarem a ser aplicadas e aprimoradas na sua adaptação aos tempos modernos, estes, os da cólera que transforma homens em seres irracionais, vingativos e maus. 
Estamos a pouco menos de 600 anos de  entrar naquele estágio superior de conhecimento, aquilo a que se chama a Era de Aquárius, onde tudo é fraterno e simples, a igualdade social é um facto, dominaremos  num nível espiritual, intelectual e centificamente superior a todo o entendimento até então alcançado.
Será possível que tenhamos que esmagar mais de dois mil anos de existência para aniquilarmos trevas com  trevas e  alcançarmos a luz?

Com o evoluir dos acontecimentos neste presente que nos foi dado a viver, em que numa base diária Ucranianos, Russos, Ruandeses, Al Quaedas, Israelitas, Palestinianos do Hamas,  Somalis, Mcveighs, Breiviks, Demirovics , ou até mesmo Harris e Klebolds, jogam  vidas numa insana roleta russa com armas compradas na internet a pessoas tão ou mais desprezíveis do que os próprios criminosos, porque os armam com arsenais destruidores, conhecendo-lhes bem  o fim e embolsando lucros que fariam de Cresus um pobre diabo, pergunto-me sobre o amanhã.
Vem-me à ideia uma frase de Nietzsche :

"Aquele que luta com monstros deve cautelar-se para não se tornar também um monstro.
Quando olhas muito tempo para o abismo, o abismo devolve-te o olhar."

Continuo a achar que tornarmo-nos assassinos de assassinos não resolve nada, não devolverá ninguém à vida,  mas não será o único meio de conseguir o tão precioso desfecho, o encerramento, o fim tão necessário à sanidade mental de quem passou as piores provações?

Nunca serei a favor da pena de morte, mas será que terei a coragem necessária para desviar o olhar em silêncio , quando ouvir o ranger das dobradiças e o alçapão do cadafalso se abrir para o vazio ?




                                     

62 comentários:

  1. «Continuo a achar que tornarmo-nos assassinos de assassinos não resolve nada». Concordo, acho que não somos ninguém para decidir quando é que alguém deve perder a vida, mas a verdade é que, muitas vezes, há atrocidades que nos custam tanto a aceitar que o único desfecho que nos parece possível seja mesmo esse. Porque quando as pessoas roubam a vida a outras deliberadamente talvez merecessem receber o mesmo tratamento, mas aí entraríamos num ciclo vicioso, onde quem, supostamente, pretende fazer o bem, como se estivesse a impor justiça por quem já não está cá para o fazer, acaba por fazer exatamente o mesmo que o criminoso fez.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Ciclo e renovação, o ouroboros que persigo, ou ciclo vicioso e torno-me no monstro do monstro... Dá que pensar, caramba, Andreia, e eu já estou velhota e as engrenagens ferrugentas. :) :)
      Beijinho :)

      Eliminar
  2. Há momentos trágicos em que necessitamos questionar os nossos absolutos morais em prol da sobrevivência. Penso na pena de morte e na psicopatia quase alienígena de alguns de nós. Recordo Utoya transformada de altar sacrificial em circo mediático, as deslocações de um monstro sorridente ao local para reconstituição dos factos, recordo a barbárie inimaginável do tráfico humano, das mutilações, das pessoas convertidas em estatísticas, de todas as outras coisas que seres com máscara humana são capazes, e não consigo deixar de pensar que sim, que por vezes não só temos o direito como a obrigação de abater animais raivosos para lá de qualquer noção de redenção.
    Por vezes é inevitável, ser vítima ou agressor, sem pontos intermédios.

    E vivemos uma era de horror institucionalizado e banalizado que prospera na sombra da História. Há demasiadas coincidências que não podem deixar de insinuar um racional oculto mascarado por uma infinidade de explicações plausíveis que ofuscam uma verdade ininteligível para nós, as massas. Empanturram-nos com mentiras disfarçadas por meias verdades, e tudo rodopia na hipocrisia, ora apática ora musculada do 'mundo civilizado', num sistema de uma complexidade estrutural de tal ordem que parece aleatório ou movido pela 'vontade dos povos'. Sistema esse cada vez mais assustador e poderoso, que parece evoluir para além dos meros pressupostos iniciais dos seus criadores. O indivíduo está dependente e instrumentalizado, ocupado, lutando pela sua própria sobrevivência, ocupando apenas os espaços que o sistema lhe permite. Grassa a impunidade, o fracasso das instituições, o colapso dos 'reguladores' a submissão de uma moral fraterna à legislação imposta pela força de uns quantos. Acontece em pirâmide, governos e legisladores contra o Estado, Estados contra Estados, o fracasso da Onu massacre após de massacre, tudo isto gerido na lógica de calendários mediáticos.

    A nossa voz perde-se no turbilhão querida M. E até a vergonha Eles perderam. A 'contradição' adquiriu uma impúdica transparência nas palavras daqueles que são os nossos inimigos, os inimigos da Humanidade, os que usam as crianças como escudos, os que lançam bombas de fragmentação, anticoagulantes, os que usam máquinas no conforto da distância sobre alvos marcados por critérios comportamentais (e tudo que estiver à volta, 'colaterais' sempre 'aceitáveis'), os déspotas que' lideram' dois terços da população mundial, e tudo mais o que a perversão do espírito humano e' capaz de conceber, os que conhecem a verdade absoluta, os que sabem tudo sobre desvios de aviões e mísseis perdidos' e nada dizem, os que travam uma guerra invisível de assassinatos numa lógica de acumulação de poder dos grandes blocos que são cada vez menos geográficos, que têm agora a topologia do capital.

    Continuamos uma guerra infindável radicada nos meandros mais recônditos e sombrios da natureza humana, do nosso pobre cérebro pleistocénico replileano concebido para caçar e procriar. Talvez o Sistema tenha inelutavelmente ultrapassado o Indivíduo. Talvez estejamos de facto na orla do mítico ponto ómega.

    Não tenho grandes esperanças, e por vezes sinto-me um pouco mais tranquilo por não ter Filhos, aquele que simultaneamente considero o maior fracasso da minha existência.

    Beijinho M., e parabéns por mais um fantástico texto.
    Talvez seja a lucidez que faz de nós pessoas mais tristes.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Amen, quiescente. Bebi-lhe as palavras sem parar para respirar. apesar de não trazerem sorrisos, demonstram a realidade que eu conheço e tantas vezes não consigo explicar. quiescente entendeu-me e explicou- me para que eu me entendesse melhor. Fico-lhe imensamente grata.
      Beijos, meu amigo.

      Eliminar
  3. Apesar de todas as atrocidades a que vamos assistindo quase diariamente, continuo a ser frontalmente contra a pena de morte.
    O que não me impede de defender penas mais severas para determinado tipo de crimes.
    A castração química para pedófilos, por exemplo.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Absolutamente , Pedro. Eu acredito que a pedofilia é uma doença, um cromossoma aberrante, algo que eclode com a mudança da idade ou circunstâncias particulares, e que como a esquizofrenia, por exemplo, pode e deve ser tratado de modo a que o individuo deixe de ser um perigo para a sociedade e para si próprio. A compulsão assassina poderá ser algum dia tratada do mesmo modo ? Estudos demonstram que há indivíduos geneticamente predispostos a matar. Que dizer duma sala repleta de pessoas com cursos superiores e conhecimentos ao mais alto nível em diversos ramos da engenharia, robótica, etc., que todos os dias introduzem coordenadas no seu programa confidencial e pressionam tranquilamente um botão sabendo quais as consequências, e chegam ao fim dum dia calmo de trabalho... serenos... business as usual. Estas coisas mexem demais comigo, porque acontecem porque sim e não por extrema necessidade.
      Abraço, Pedro, um bom dia para si. :)

      Eliminar
  4. Porque a guerra é um negócio bem mais lucrativo do que a paz…

    Tudo isto é demasiado confuso, nebuloso para mim Maria…vê o que se quis fazer de bem aos judeus e o mal que eles estão a fazer na terra de outros, que tomaram como sua por direito divino…

    Lamento tanto ter de aquiescer com o quiescente…mas seja de que forma for não posso eu também ficar quiescente; infelizmente há que tomar partido (ainda que depois de ver "Manobras na Casa Branca" para todo o sempre me seja dificil acreditar em tudo aquilo que não estiver debaixo dos meus olhos, que eu não consiga palpar…mas neste caso não posso, não devo, não quero esperar que chegue tão perto que o possa sentir na pele)

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. A guerra sempre foi um negócio, Sexinho, o negócio de dominar o fogo, de ganhar terras, escravos, bens, posições estratégicas... Continua e continuará a haver guerra sempre que houver petróleo na equação, ou gás natural, ou posições estratégicas... Principalmente se se armar até aos dentes um bando de loucos inconsequentes e fanáticos e se lhes ordenar que atirem sobre tudo o que mexe, animais pessoas... até aviões. Na darknet podes comprar o teu próprio exército fully equiped, e fazeres a tua própria guerra particular. Massacras a vizinhança e declaras-te separatista ; tornas-te a ditadora da tua rua, e matas - perdão. mandas abater - os insurgentes e tudo o todos os que não sejam por ti, logicamente contra ti. Sabes que podes ? Desde que tenhas dinheiro, podes tudo. Compras um launcher de misseis terra-ar, que a DHL te entrega em casa, bem acondicionado, não vá quebrar-se.
      O pior é que as autoridades sabem que isto acontece. E acontece por todo o mundo. Um tipo simpático que te dá os bons dias quando vais passear a Mel e mete conversa sobre o seu Samoiedo, pode ter um arsenal no quarto das traseiras de meter inveja ao nosso próprio exercito.
      Como poderemos saber quem é quem e faz o quê? Ou entramos na histeria colectiva dos Doomsdaypreps ou vivemos a nossa vida com a consciência dentro do bolso.
      Ainda no Domingo à noite em Belém, e por causa de um jogo praticamente "a feijões", vi uma batalha campal de bradar aos céus. Também sei que não foi noticiado em qualquer órgão de comunicação social, o que muito me espantou, por ter sido bem mais do que uma escaramuça.

      SAbes, Sexinho, assusta-me pensar que vamos deixar "isto" como herança aos que virão, sabendo que não está em vias de melhorar.

      Bejinhos, querida. :)

      Eliminar
    2. True, true, true!
      Lá no berloque já me ouviste/ler sobre um vizinho maluco e com a mania da perseguição que tenho (lembraste de ler sobre o Mr. Smith?) Não calculas a quantidade de vezes que penso quem será na verdade e o que raio estará a fazer ele quando na calada da noite oiço, vindos de lá, sons estranhos; mesmo muito, muito estranhos (não, não são desses)...

      Eliminar
    3. :):):)
      Lembro-me de ler sobre o misterioso Mr. Smith. Parodiámos bastante, isso sei. Até pode ser que esteja a experimentar cozinhados, mas quem é que não ficaria com um pé atrás ?? Brrrrr.
      Jocas, linda.

      Eliminar
  5. O mundo está muito perigoso. Não há respeito nenhum pela vida humana. Gostei muito do texto que li e reli porque faz pensar.
    Beijo.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Perigoso demais Graça. Nós sabemos. Todos sabem. Ninguém faz seja o que for. Não creio que escritos e gritos vão mudar nada, só mostrarão o clamor da nossa indignação. Infelizmente acredito que os homens terão que renascer das cinzas e começar de novo. Tremo só de pensar no futuro.
      Beijinho e um bom resto de semana. :)

      Eliminar
  6. Não se consegue pensar com clareza, sem abanar sismicamente as nossas convicções num grau 10, pelo menos. Não é mesmo possível, porque a revolta não nos deixa sair o nó da garganta, D, não deixa.
    Um beijo

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Estás a precisar de férias. Vais a banhos, lês uns livros, tomas uns drinks, e quando regressares nem a história do avião nem a crise em Gaza estarão na ordem do dia. A tua memória selectiva ajudar-te-á a ultrapassar as crises de consciência e vais ver que ficas bem. Só não te ponhas a ver os programas das tardes de Domingo nos canais generalistas, não vá ficares contagiada pela ... sei lá, por aquilo, pronto.
      :):):)

      Eliminar
  7. LOS SISTEMAS, LAS PERSONAS DEBEMOS SER MUY ÉTICAS, PARA ELABORAR CONDENAS QUE JUSTIFIQUEN UNA MUERTE NATURAL. MUY INTERESANTE TEMA.
    UN ABRAZO

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Gracias ReltiH. Creo ser un tema moral y deontoligicamente complexo.
      Abrazo. MD

      Eliminar
  8. Quem se conhece só pode ser contra a pena de morte. Não se pode defender para os outros tudo aquilo que eventualmente pudessemos não aceitar para nós.
    Se há algo que Portugal fez e bem, foi abolir a pena de morte quando a maior parte dos países nem colocavam sequer essa hipótese.
    Um grande texto com um qb muito comprensível de raiva contida. Será que li bem?.
    xx

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Leste muitíssimo bem , Laurinha. :)
      Em Janeiro, se tudo correr de feição, vou ser avó. Não é nada transcendente, já tive avós, que tiveram as suas avós também.
      É um bocado o produto do sufoco, da impotência da fragilidade de uma vida a começar do nada e entrar de cabeça neste caos... como todas as outras de que não há sequer história, porque foram ceifadas mal brotaram... Quem não quer o melhor para os seus? ... e depois penso nos outros, nos de nada, nos de ninguém... Ai Laurinha, é tão mau...
      Beijinhos, minha querida

      Eliminar
    2. LOL, estive a comentar o outro post e só agora é que vim ler esta tua resposta...!
      Só poderia mesmo ser sentimento de avó...toda essa apreensão com um mundo injusto e difícil mesmo para quem tenta torná-lo fácil, e a verdade é que nunca somos apenas só nós, mas também os outros, os desafortunados da sorte!
      Já te estou a imaginar uma avó toda "speedada"...:-)
      xx

      Eliminar
    3. Bota speedada nisso, Laurinha ... eheheheheh

      Eliminar
  9. Apesar de tudo isto e muito mais que aqui refere, eu continuo a achar que este mundo vale a pena. E sobretudo vale a pena arregaçar as mangas para o fazer melhor, nem que seja um bocadinho muito pequeno.
    O seu neto (ou neta) terá uma maravilhosa avó. Só isso já é um privilégio que o(a) vai nutrir e munir de ferramentas para a vida. Não lhe parece?
    Felicidades para todos e um beijo para si, querida M D.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. O mundo vale sempre a pena, Susaninha, quanto aos homens, já sou mais céptica. Vou ser seguramente aquele tipo de avó que eu critico porque estraga os netos com mimos... Palavras para quê?
      :):):):)
      Beijinho grande e muito obrigada, minha querida. :):)

      Eliminar
    2. Tenho mesmo que dizer isto: eu fui barbaramente estragada por uma avó. E foi muito muito bom. :-)

      Eliminar
    3. Eu também :):):):):):):):):):)...
      E apesar de estar sempre a chamar a atenção à minha santa mãezinha em relação à minha filha mais velha, compreendo-a bem :):)

      Eliminar
  10. Há destas identificações em pessoas que não se conhecem pessoalmente mas cujos escritos no-las colocam em presença...
    Do excelente texto, aprovo a excelência. Tocaste nas cordas vibratórias de identidades que abominamos, que nos horrorizam, a par com as permanentes guerras, guerrilhas e afins, além do "superior estádio" do interesse.
    Já disse e escrevi que, em muitos aspetos estamos na Idade Média. Contudo, ainda acredito que um punhado de gente caminhe para a Era de Aquárius (por acaso sou do signo aquário...)
    Tal como tu, sou visceralmente contra a pena de morte. Na minha vida sou acérrima defensora da tolerância, da ação pró-ativa e não reativa. Em todo o caso não deixo de lamentar que haja tanta morosidade processual e que, quem tem dinheiro e poder vai ficando imune...
    E tanto poderia dizer: uma temática para um fórum de discussão!
    BJO, querida D... E, apesar de tudo, sorrio-te :)

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. É cobardia virar as costas às nossas convicções. É uma ignomínia ficar cego e surdo por conveniência, e no entanto...
      Beijo, querida EU, devolvo-te o sorriso :):)

      Eliminar
  11. Estamos todos condenados à morte, só não sabemos para quando a execução da sentença, e, quem a vai accionar.
    Até lá, vamos vivendo neste inferno, onde começa a ser 'normal' abater um avião por... engano (?). E já não é o primeiro, infelizmente.
    Brincadeiras de ditos revolucionários, defensores de algo que não entendo, manuseando armamento no valor de milhões de euros/dólares, fabricado e vendido, por aqueles que agora vêm acusar e chamar de criminosos.
    Lá diz o velho ditado: «não apontes o dedo a ninguém, pois ficarás com três virados para ti e um a fazer de juiz».
    Gostei do texto.

    Tudo de bom.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Tem toda a razão, meu amigo. Infelizmente creio a humanidade só conseguirá encontrar a salvação num plano real, com um renascimento,
      E não o acredito cultural nem metafísico.
      Boa semana e um abraço.

      Eliminar
  12. Bom diaaaaa

    Em um pais como o Brasil, em que as leis são ultrapassadas acredito que nunca haverá pena de morte.
    E essa é uma sentença muita dura, qtas pessoas inocentes foram mortas sem provas?
    Tenha um ótimo dia =)

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. É certo , Bell. Por isso mesmo nunca deveremos tornar-nos assassinos uns dos outros, mesmo que os outros o sejam na verdadeira acepção da palavra.
      Beijo grande e boa semana. :):)

      Eliminar
  13. Oi querida,
    Se houver pena de morte, pelo o menos no Brasil, não haverá mais favelas,negros, mendigos e viciados e prostitutas, pois todos entrarão na fila da morte.
    Meu paí não tem estrutura para isso.
    Eu fiz um comentário naquela postagem, depois você vais ver.
    Beijos no coração
    Lua Singular

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Oi Dorli... Ninguém tem moralmente estrutura para assassinar assassinos e criminosos. Mas acredito que no fundo, quando pensamos na justiça a sério, nos perguntamos... e se ?..apesar de sabermos que não é solução.
      Beijo, minha amiga e obrigada.

      Eliminar
  14. Bom dia amiga,um assunto bem delicado que você aborda sobre pena de morte,e aqui no Brasil não temos isso,mas na minha opinião,não adiantaria nada,pois àqueles que matam por prazer,não tem medo de morrer.
    Sou avó e gostaria que esse mundo fosse mais tranquilo,sem guerras,sem assassinatos,sem pessoas doentes,como pedófilos e sem estupradores,mas infelizmente há tudo isso.
    bjs e obrigada pela visita.
    Carmen Lúcia.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. O mundo vai caminhando rumo à completa imperfeição, cada dia pior do que o outro. O que vai alegrando as vidas são os núcleos pequenos de familiares e amigos, mas só para os que têm a sorte de viver fora de zonas de conflitos. Sei que não está na nossa mão, mas não é possível ignorar.
      Beijo Carmen Lúcia, minha querida e obrigada.

      Eliminar
  15. Olá M D Roque :)
    Quanto a pena de morte,
    se houvesse, não resolveria os problemas, infelizmente.
    Certamente nos tornaríamos mais desumanos.
    Foi perfeita essa frase de Nietzsche, que vc citou:
    'Aquele que luta com monstros deve cautelar-se para não se tornar também um monstro.
    Quando olhas muito tempo para o abismo, o abismo devolve-te o olhar.'
    Parabéns pelos textos sempre brilhantes.
    Bjs!

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Olá Clau, obrigada. Não defendo a pena de morte, mas também não acredito em bruxas. É isso que me deixa assutada quando certos pensamentos me assalta.

      Beijinho amigo :):)

      Eliminar
  16. A violência a responder à violência....não resolve nada...Enraíza ainda mais os conflitos, os ódios... Será que há alguma solução para toda esta guerra??? Receio que não haja....
    Obrigada pela visita
    Beijos e abraços
    Marta

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Compartilhamos os mesmos receios, Marta. Obrigada e um beijinho. :):)

      Eliminar
  17. Boa tarde,
    Sou totalmente contra a pena de morte e contra as prisões que os presos nada aprendem de positivo para o seu futuro.
    Os governos que nunca souberam assumir as responsabilidade pela dignidade do povo, que apoiam as sociedades que marginalizam os outros, são os verdadeiros culpados pelo crime.
    Dia feliz
    AG

    http://momentosagomes-ag.blogspot.pt/

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Sou e serei sempre conta a pena de more. António. As notícias dos últimos tempos têm mexido comigo, mas não abalaram as minhas convicções.
      Tenho ajudado com apoio e presença nas angariações de fundos e assinaturas na ADDHU.
      Pode não adiantar muito, pode ser um grão de poeira, mas pelo menos é alguma coisa.

      Abraço amigo.

      Eliminar
  18. Violência gera violência.
    Obrigada pela gentil visita e comentário
    Beijos de
    Verena e Bichinhos

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Violência só trás mais e mais violência, Verena, tem toda a razão.
      Beijo amigo e boa semana

      Eliminar
  19. Boa tarde amiga
    Eu fico olhando para traz e tento ver mais a frente, e não gosto nada do que vejo no presente.
    O mundo se tornou frio e cruel, mas para mudar, não creio que a pena de morte seja a solução, muito pelo contrario, muita injustiça talves seria cometida!. Eu creio que precisamos cuidar das bases de nossas crianças, lhes doando a base da família, educação familiar e escolar, saude e o valor do verdadeiro Amor! Sei estou sonhando, mas precisamos acreditar num amanhã renovado.
    Uma linda noite para voce! abraço amigo!
    Maria Alice

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Os pais são sempre os primeiros educadores e a pedra basilar de toda a personalidade em desenvolvimento, que desabrochará naquilo com os lhes regámos o crescimento.
      A pena de morte para mim é uma ideia obsoleta e sanguinária, mas as pessoas também se tornam cada vez mais sanguinárias sem fundamento sólido.
      Esta semana balancei, mas acho que dei a volta por cima.

      Beijinho, querida Alice.

      Eliminar
  20. Tb não concordo com a pena de morte,mas seria ótimo se essas pessoas pudessem ter algum tipo de punição. O que me revolta ás vezes é ver que destroem tudo,matam a todos e saem impunes. Um excelente texto para reflexão! bjs,

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Os criminosos de guerra foram julgados, condenados à morte e executados. Que felicidade para os milhares que morreram sob as suas ordens e para as famílias que os perderam.
      Impunha-se uma reeducação social. mas o futuro não promete nada de bom, Anne.
      Um grande beijinho.

      Eliminar
  21. A ver pelas notícias que nos entram todos os dias em casa através dos meios de comunicação social, nesses países onde aplicam a pena de morte as melhoras não têm sido muitas, pelo que só posso dizer também que a pena de morte não é solução para os problemas do mundo.
    Peça-mos ao Deus Altíssimo que encha de amor todos os homens e os livre do flagelo do fanatismo e intolerância.
    Um abraço, Paula.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. O que provoca os desentendimentos entre os homens são o poder, o capital, o fanatismo, a intolerância e muita loucura à mistura.
      Numa altura em que tudo se compra e tudo se vende, todos temos um preço. É difícil resistir. É dificil não cair em desgraça.
      Nunca serei a favor da pena de morte, aluap Al.

      Beijinho e boa semana

      Eliminar
  22. Olá,Boa noite, MDRoque
    ...vivemos tempos em que prevalece o politicamente correto. Temos que pensar toda e qualquer palavra que proferimos ou escrevemos para que não corramos o risco de sermos censurados (ou ironizados)...primeiro,me pergunto , quando a humanidade entenderá, que a vida e a morte não são suas propriedades...segundo, desde que me conheço, também, sempre fui contra a pena de morte,pois , creio que a irreversibilidade já é um motivo suficiente para a proibição....terceiro, entendo que sempre que ocorrem diversas barbaridades , crimes de guerra em um determinado período, o caos que vivemos , emoção, pedimos a adoção da pena de morte, a "morte pela morte, a "violência pela violência", pois , o som da guerra, sobrepuja qualquer pedido de misericórdia ou brado pela paz ,mas, racional, em uma sociedade , não se pode aceitar "a morte pela morte" como política de combate...sim,quem sabe , com infalibilidade do julgamento humano, ou a criação de uma comissão de inquérito para averiguar "todas as possíveis violações, menos tendenciosa. talvez, talvez,talvez...também, seria a favor.
    Gostei do escrito bem atual...
    Obrigado pelo carinho,bela semana,beijos!

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. É infelizmente actual, Felis, e subscrevo cada palavra sua.
      Beijo e boa semana, meu amigo

      Eliminar
  23. Anjos que viajam diariamente comigo é
    que apoia nas nossas em pleno voo,
    que dão as suas asas para eu continuar meu caminho.
    São verdadeiros Anjos que lutam comigo para vencermos a
    injustiça e a indiferença expressa no mundo,
    São meus fiéis companheiros
    de viagem que vão comigo até aos
    confins do mundo e me ajuda a trazer esperança,
    Fé e Amor.
    Na Mochila lhe trago amor, carinho um abraço apertado
    e muitas saudades.
    Que seu Fim de semana seja abençoado
    e tremendamente feliz.
    Beijos e meu eterno carinho.
    O mundo inteiro sofre infelizmente.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Querida Evanir, obrigada por me brindar com mais um momento único. Desejo sinceramente que a lucidez desça nos homens, e espero que não tome forma destruidora. Muita paz e um grande beijo amigo.

      Eliminar
  24. A crónica com que nos presenteou está perfeita. Ela pode servir para nos chamar à pedra: Como posso eu contribuir para que o meu mundo e o dos outros seja melhor? O inferno e a guerra estão em cada um de nós. Tal como o céu e o amor (que tem múltiplas faces). Por que lado opto?
    O homem nunca largou o cacete ao longo dos tempos. O ser dito superior, racional, continua a reger-se pelos instintos básicos da sobrevivência onde abundam como argumentos/justificações os maiores defeitos da espécie. Nem há necessidade de chamar para aqui os horrores da guerra, basta olharmos para o nosso pequeno mundo. A propósito veja, se ainda não viu, esta crónica - http://online.jornaldamadeira.pt/artigos/bando-esp%C3%ADrito-santo#.U81NHQb2w8M.facebook
    Muito obrigado.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Acabei de ler, Agostinho . A vilania não me surpreende. Não se enriquece praticando o bem e estes discípulos dos escritos de Maquiavel talvez ainda sofram alguns dissabores. Mas será coisa de pouca monta, porque é certo e sabido que nestas coisas, crime e castigo são inversamente proporcionais.
      Abraço amigo e BFS.

      Eliminar
  25. um texto lúcido e assertivo.
    também sou contra a pena de morte, embora ache que nalguns casos a justiça devia ter mão pesada nas penas.
    obrigada por este texto excelente
    :)
    :)

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Sou eu quem agradece, Piedade.
      Um beijo e um BFS. ;);)

      Eliminar
  26. Boa tarde M, Roque.
    Sou contra pena de morte, devemos querer justiça, não vingança, sendo sincera, para quem tirou a vida de outra pessoa, ainda pior se for por motivo fútil, não merece a morte, e sim viver a sua vida toda atras das grandes. Tive um recente experiencia a 6 messes, perdi uma irmã,e digo não desejo a morte desse elemento,mas vida, para que ele acorde todos os dias e se veja com a sua vida acabada. Quanto a esquizofrenia , a maioria desses pessoas que possui essa doença com amor e dedicação são pessoas que amam muito mais do que a gente possa imaginar, não fazem mal a sociedade ,nem si mesmo, diferente dos psicopatas que vieram no mundo para matar e destruir.
    Um feliz final de semana.
    Beijos.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Nunca fui pró-morte. Isso seria tornar-me tão assassina como quem cometeu o crime. Penso que os castigos são brandos, mas também culpo a sociedade que não soube criar as regras e os princípios pelos quais se regem as populações. Acredito também que todas as doenças mentais, quando detectadas a tempo, podem não ser irreversíveis, mas quem delas padece pode já ter uma qualidade de vida muito boa.
      Beijos Mirtes e bom fim de semana :):)

      Eliminar
  27. Oi minha querida
    Não sou a favor da pena de morte. Creio que não temos o direito de sair por aí cometendo atrocidades nos equiparando aos covardes assassinos.

    Hoje venho te abraçar e te parabenizar

    Parabenizo você
    escritora que usa a imaginação
    e tece versos com perfeição
    você prosador que tece uma bela ficção
    e expõe teus sentimentos e anseios
    numa exuberante composição literária

    Parabéns pelo seu dia!
    Que a inspiração seja abundante
    para você extrair da alma
    os sentimentos que usa
    para compor com maestria e lirismo
    a sua glamourosa escrita poética

    Parabéns ESCRITORA!

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Obrigada amiga Gracita, que emocionada fiquei com as suas palavras.
      Agradeço do fundo do coração toda a sua gentil e querida amizade.
      Bejos mil, minha amiga e um bom fim de semana :)

      Eliminar
  28. SOU CONTRA A PENA DE MORTE, POIS SERIA PAGAR COMA MESMA MOEDA E NOS TORNARMOS TÃO ASSASSINOS QUANTO.
    PRISÃO PERPÉTUA PARA QUEM TIRASSE A VIDA DE OUTREM, PARA MIM SERIA, O JUSTO, MAS É CLARO QUE COM NOSSOS SISTEMA PRISIONAL É TOTALMENTE INVIÁVEL.
    HOJE É DIA DO ESCRITOR E TODOS NÓS QUE COLOCAMOS IDÉIAS NO PAPEL O SOMOS ENTÃO, FELICIDADES.
    ABRÇS
    http://zilanicelia.blogspot.com.br/

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Viva, Lani, obrigada. Eu... Escritora :):):):)
      Sou totalmente contra a pena de morte apesar de pensar que as soluções apresentadas para punição de crimes hediondos, não deviam ser na base da vingança, mas que outras alternativas há?
      Feliz dia do escritor. Parabéns e obrigada :):)

      Eliminar

É aqui que me mandas dar uma curva