segunda-feira, 7 de julho de 2014

Aprender o b-a-ba

"Pegamos o telefone que o menino fez com duas caixas de papelão e pedimos uma ligação com a infância."
Millôr Fernandes



Muitos não sabem quanto tempo e fadiga custa a aprender a ler. Trabalhei nisso 80 anos e não posso dizer que o tenha conseguido.

Johann Goethe






Não me lembro se já vos contei  que comecei a falar com 6 meses( foi há tanto tempo...).
 Não fui aquilo a que na altura se chamava um bebé Nestlé, não tinha  aquele atractivo olhar azul cristalino e bochechas rosadas, encimados por fulvos e brilhantes caracóis. Era uma trinca-espinhas normal com grandes olhos castanhos e cabelo da mesma cor, que nasceu com o condão de repetir tudo o que ouvia desde tenra idade.
Claro está que em competição com uma arara decerto não levaria a melhor, mas rezam as crónicas que falava pelos cotovelos e que desde que pronunciei a minha primeira palavra - guardanapo - nunca mais me calei. A Mãe conta orgulhosa que houve entrevistas à família para o jornal local e que com 10 meses, contei para um gravador de bobina ( inovação tecnológica da altura) a história do Lobo e dos Sete Cabritinhos, recostada no sofá vermelho da avó com o livro no colo, virando as páginas e modulando as respirações e os compassos de espera, como uma verdadeira profissional da oratória Grimiana.

Como é óbvio, não tenho qualquer recordação dos meus tempos de vedeta de bairro e se algo me ficou do meu génio oratório, foi a paixão pelas palavras, sobretudo pela palavra escrita. 
Mesmo nos meus anos académicos, a minha retórica era largamente suplantada pelos jogos de letras, que os meus dedos faziam deslizar pelo papel como pequenas peças de puzzles coloridos e harmoniosos, num bailado singelo e preciso, até formarem o desenho que a minha imaginação pintara.

Lembro-me como se fosse hoje da mala castanha com fivelas, do estojo de madeira com uma tampa deslizante que fazia as vezes de régua e que continha um lápis, uma borracha e um apara-lápis, lembro-te tão bem da sebenta cor de papel pardo com um estudante na capa, do caderno de duas linhas e da Cartilha Maternal João de Deus. 
As letras eram velhas conhecidas, como desenhos e formas. A sua sonoridade, o valor de cada uma e a ciência de saber juntá-las em dissílabos e polissílabos , formar palavras, frases, parágrafos e textos, foi a cartilha do b-a-ba que me ensinou. 

A primeira vez que li sozinha uma notícia de jornal, inchei de orgulho. Toda a vizinhança ficou a saber que a Feira Internacional de Lisboa estava transformada numa galeria de arte infantil por ter em exposição os trabalhes de "O Natal visto pelas crianças", e quando perguntavam como sabia eu disso, retorquía toda lampeira "Li no jornal, ora essa!"

Da cartilha depressa passei aos livros escolares que tinham capas patrióticas e crianças de braço estendido e sorrisos perfeitos, acrescentei ao material escolar um frasquinho de tinta permanente, uma caneta de aparo, um caderno pautado, um quadriculado e um de desenho, uma folha de mata-borrão e uma caixa com seis lápis de cor Viarco. Quando completei a quarta classe com vinte valores, o Pai ofereceu-me uma caneta Shaffer numa caixinha forrada a cetim, que passou a ser o meu maior tesouro. Também me deu autorização para tirar livros das estantes e ler.

Mal ele sabia que acendera o rastilho da minha maior e mais explosiva paixão, aquela que dura e durará tantos dias quantos os que me for permitido andar pelas bandas de cá.

                            

62 comentários:

  1. A tua história me impressionou, eu só fui gostar de ler aos 15 anos, por causa da cadeira de Literatura na escola. Só jogava futebol todo o tempo depois da aula.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. O Mano, o meu irmão do meio, também era mais dado a desportos do que a livros e agora é o meu coach literário :):)
      Abraço.

      Eliminar
  2. Um texto muito interessante. Foi uma menina muito precoce. Não sei quando comecei a falar, a minha mãe só me dizia que comecei a andar com 8 meses e tive um tétano com 20 meses, estive à morte deixei de falar e tudo. Não tenho memórias de muito pequena, as primeiras coisas que recordo tinha já sete anos. Também fui uma apaixonada pela leitura desde muito nova, e por causa dessa paixão o meu anjo da guarda deve ter feito muita hora extraordinária. Aprendi a ler na escola, com esses livros de capa patriótica. Em casa não havia livros. O pai sabia ler, a mãe nunca foi à escola. O dinheiro era escasso, muitas vezes não chegava para a comida. Naquele tempo havia umas carrinhas da Gulbenkian que andavam de terra em terra uma vez por mês. Levantávamos ou mais livros, e entregávamos no mês seguinte. Li tudo o que eles me deixaram ler, não tinha em casa quem me orientasse com o que era melhor ou pior. Tinha dois irmãos mais pequenos de quem tinha de cuidar e o tempo para ler não era nenhum. À noite a minha mãe não queria que estivéssemos no quarto de luz acesa, Vivianos num velho barracão de madeira, os candeeiros eram de petróleo e ela tinha pavor de incêndios. Naquele tempo havia uns candeeiros metálicos, bojudos e baixinhos, que chamávamos teimosos. Isto porque quando os deitávamos, eles imediatamente voltavam à vertical. E sabe o que eu fazia para ler? Metia o livro e o teimoso debaixo do lençol, para a minha mãe não ver a luz acesa, metia a cabeça debaixo da roupa e assim lia, num colchão de palha de centeio. Porque nunca adormeci antes de apagar a luz e pôr o candeeiro no caixote que servia de mesa de cabeceira, é que eu digo que o meu anjo da guarda tinha trabalho extra todas as noites.
    Um abraço e uma boa semana

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. sabe que li muito dessas bibliotecas itinerantes ? Todas as 2ªs Feiras junto ao chadariz da Igreja da Memória, lá estava eu a trocar o livrinho(s) da semana :)
      O meu pai era de Castelo Branco e veio viver com os padrinhos para Lisboa com 1 ano. Apesar de ser praticamente "de cá", ir "à terra" tornou-se peregrinação anual, e recordo os candeeiros a petróleo, os colchões de palha, os animais, os fornos, do pão, o rio... saudades...
      Beijinho querida Elvira.

      Eliminar
  3. Que história tão bonita, adorei ler :) a minha paixão pela leitura já começou tarde

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Uma menina tão jovem e tão bonita, a dizer que começou tarde, Andreia :):):)
      Beijinho grande, querida :)

      Eliminar
  4. eu acho que ainda não aprendi a ler, o suficiente

    ...mas gostei muito do teu texto

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Eu gostava de saber escrever tão bem quanto sei e gosto de ler, mas é um dom que não me assiste, não me sinto minimamente realizada, apesar de gostar bastante de escrever, EM.
      Beijinho

      Eliminar
  5. Foi bem precoce na fala!
    Excelente texto de memórias.
    Bjs

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Gostava de poder lembrar-me assim, como me contam, espevitada e senhora do meu nariz, Elisabete :):)
      Beijinho

      Eliminar
  6. Émedêamiga

    Antecedi o teu percurso, pois o meu foi quase igual - porque sou mais velho, penso. No entanto levas-me uma vantagem: só comecei a falar - dizia a minha mãe - aos meus onze meses. E a propósito: o nosso terceiro filho, nascido em Luanda, começou a falar aos seis/sete meses. Mas não dizia o c. que substituía a por t. Para ele cão era o tão, o cavalo era o tavalo e assim por diante.

    Um dia, a caminho de Moçâmedes, apareceram uns macacos que brincavam junto à estrada. E o Luís Carlos fez um esforço tremendo, tomou balanço e disse macccaccco! Foi uma verdadeira macacada dentro do meu carro com os irmãos a bater palmas e a cantar o parabéns a você^, nesta data....

    O puto aprendeu a ler pelo jornal, para saber o que o pai escrevia...

    E, last but not the least: ganda texto, o teu! Parabéns

    … mas se quiseres ver e saber mais coisas de Caxemira sem pagar bilhete nem visto, vai até à minha Travessa sff. Obrigado.

    Qjs
    ..

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Olá Henrique, obrigada ! Finalmente alguém que não acha que eu exagero, porque isto é a mais pura verdade. Agora também sei que o filho do Henrique é cá dos meus :):)
      Olhe que vou muitas vezes de passeio à travessa e por lá me perco em leituras africanas. Tenho um irmão em Luanda e gosto de saber para lhe contar :):)
      Beijinho !

      Eliminar
  7. Não era só a fala, era todo o ritual da leitura. A tua avó dizia que quem não soubesse, pensava com certeza que estavas mesmo o ler o livro!
    Ladina desde menina, ;D;D

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. A Mãe diz o mesmo e mais, diz que eu parava, olhava as pessoas e continuava a "ler" no ponto exacto onde tinha ficado.
      Espertinha, aqui a je :):):):)

      Eliminar
  8. A cartilha de João de Deus, um dos melhores métodos de ensino do Português. O meu filho aprendeu por ela e já nasceu em 1989. Os CSN&Y são essenciais !

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. A Cartilha pode estar na lista dos démodés da cultura, mas ensinou Portugal a ler. E os CSN&Y são malta da minha "criação" .
      Abraço, Ricardo. :)

      Eliminar
  9. Agora entendo porque gosto tanto de vir aqui. É porque gostas das letras e das palavras e brincas com elas com sabedoria e muita mestria fazendo com que fiquemos presos à leitura e à tua escrita. Gosto muito do que escreves. Bjs

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Minha Gaja favorita, és uma ternura de piquena.
      Beijos. Muitos. :):)

      Eliminar
  10. Me senti até emocionada com sua história, beijo Lisette.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Viva , Lisette, bem-vinda.
      Obrigada pelo simpatia e pelo beijinho.
      Envio outro, grande. :):):)

      Eliminar
  11. Vc foi bem precoce mesmo. Bela história. E ler é sempre muito bom, não importa o que. Não lembro a primeira vez que consegui ler algo sozinho como você, mas queria mt ter me lembrado pq é um momento mt bacana.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Eu lembro-me de estar feliz da vida... e vaidosa como tudo, Sérgio. Devia ter pouco mais de 6 anos e a notícia ainda tinha um tamanho considerável. :):)
      Tenha um bom dia e obrigada !
      Abraço

      Eliminar
  12. Olá . Passei para agradecer sua visita e conhecer também o seu cantinho. Com a leitura deste lindo post pus-me a recordar dos meus tempos de escola. Lembrei-me da cartilha que ainda guardo comigo e de uma querida professora que me inspirou pelo seu gosto pela poesia dos escritores brasileiros. Lindas lembranças inspiradas por você. Obrigada. Deixo aqui um abraço, desejando-lhe muitas felicidades.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Viva, Maria, bem vinda !
      Tenho muito boas recordações da minha professora da instrução primária. Aprendi muito com ela ... até a gostar de Física e Matemática :):):)
      Obrigada e um grande beijinho.

      Eliminar
  13. Bem me parecia que tinhas algo de especial.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. E tenho, querida, 20 quilos a mais !!! :):):)
      Aconteceu numa terra muito longe no tempo... podia ser até uma história infantil :)
      Beijos, loira máilinda

      Eliminar
  14. PUBLICADO HOJE NO MEU BLOG
    Quero, aqui, agradecer a toda(o)s que vieram desejar-me as melhoras.
    Não vou nomear ninguém – seria, no mínimo, pouco elegante da minha parte. Mas irei levar este agradecimento aos respectivos blogs.
    Como já estou bastante melhor, embora ainda não tenha recebido “alta médica”, continuarei a responder, nesta minha/vossa casa, a cada comentário recebido (por ordem de chegada), como fazia anteriormente à minha doença.
    Não será tão rápido como eu desejaria, mas fá-lo-ei, dentro das minhas possibilidades, o mais depressa possível.
    A toda(o)s o meu “muito obrigado!”
    Beijo
    Miguel

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Beijo Miguel, e boa recuperação! Nada menos que 200%, ok??
      Beijos. Muitos. :):):)

      Eliminar
  15. MD

    Tambem me senti envolvida, emocionada com esta sua narração. Eu viajei no tempo para lembrar de mim.

    Bjs

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Viva Sissym, obrigada e um beijo muito grande. :):)

      Eliminar
  16. Que delícia te ler e como é interessante tua história! Muito legal e essa cartilha linda! Adorei! beijos,tudo de bom,chica

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Olá Chica, minha linda amiga, obrigada e um beijinho. :)

      Eliminar
  17. Seu texto é bonito e gostoso de ler . Parabenizá-la pela precocidade no falar é pouco . O melhor foi saber aproveitar o dom que recebeu ! Beijos

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Viva, Marisa, Obrigada, querida. Um beijo .:):)

      Eliminar
  18. Que cedo que começou a falar,a cartilha qui em casa foi eu que dei á minha filha , alfabetizei ela,
    e agora lê tudo.
    bjs
    http://eueminhasplantinhas.blogspot.com.br/

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Sua filha vai ser sempre grata por lhe ensinar a preciosidade que é a leitura desde pequenina.
      Beijo, Simone. :):)

      Eliminar
  19. Nossa! Você é então uma pessoa superdotada, eu nem me lembro se nasci ou me acharam por aí, mas deu pra me virar bem na vida, graças a Deus.
    Parabéns, você foi o orgulho dos seus pais e a raiva dos seus coleguinhas.
    Parabéns por você.
    Beijos na alma.
    Lua Singular

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Nem tanto, nem tanto, Dorli. Na escola era recatada e envergonhada e gostava de escrever e desenhar . Não dava graxa às professoras, o que não me fez uma garota popular. Mas era boa naquilo que fazia, estudava muito e sabia bastante e isso deu- me uma sólida base para o futuro.
      Não sou nenhum génio. Deve ter sido uma fase encantadora da minha vida, da qual não me lembro. Só tenho memórias a partir dos meus dois anos de idade.
      Beijos e obrigada :) :):)

      Eliminar
  20. Nunca ouvi falar de crianças a falar com 6 meses.
    E muito menos de contar uma história aos 10...
    Já agora, começaste a namorar aos 3 anos...? eheheh... desculpa, mas não resisti...
    Gostei de saber estas coisas todas de ti.
    Bom resto de semana.
    Beijo, querida amiga.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Olá Nilson . Lá mais para cima nos comentários, o Henrique conta-nos acerca do filho, que foi também precoce na fala. Creio que foi uma fase muito engraçada da minha vida e que durou cerca de um ano, pois tenho memórias vívidas dos meus dois anos de idade mas tenho mais ideia de descobrir coisas novas todos os dias do que de "ler" histórias. Ler a sério, aprendi com 6 anos, na primeira classe, assim como a desenhar num caderno de duas linhas símbolos chamados letras que correspondiam a sons, que se juntavam para formar palavras. Foi a maior descoberta da minha vida.
      Beijo :):)

      Eliminar
  21. Oh! Querida Maria!
    Comoveste-me.

    Adoro quando abres o teu baú repleto de emoções.

    Uma menina com dons especiais: não me surpreende pois és muito especial.

    Beijinhos e continua, gosto tanto.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Querida Pérola, és um doce de menina. :):):)
      Beijinhos.muitos. :)

      Eliminar
  22. Que criança precoce. Adorei ler-te e saber do teu amor pelas palavras, pelos livros. Eu li em bibliotecas itinerantes. Não aprendi a ler pela Cartilha de João de Deus (nem tão cedo), Mas já ensinei adultos a ler por essa cartilha.
    Beijo.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Eu com 10 meses não "lia", Graça :):):)... decorava aos livros conforme os liam para mim. Decorava as frases de cada página, os virares de página, os compassos e as respirações. Como falava muito e muito bem, parecia a quem vinha de fora, que uma criança que ainda não andava sozinha, se sentava com um livro no colo e o lia do princípio ao fim. :):):):)
      A cartilha ensinou-me a ler a sério quando fui para a escola, com 6 anos. Conhecia as letras e "escrevia" mãe , pai, cao,gato,piu... com cubos de madeira, mas não sabia realmente ler nem escrever, tampouco o valor das letras, que até então eram só formas desenhadas
      Beijinho. ;)

      Eliminar
  23. Nossa, que belo texto! Mas tu foi um bebê prodígio, hein...rs
    Depois que a gente pega o gosto pela leitura, fica impossível parar de "devorar" livros. É como viver várias vidas através das linhas, da imaginação de outra pessoa. Eu me apaixonei pela leitura através das histórias em quadrinhos... hoje leio de tudo.
    Um abraço!

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Só quando bebé mesmo, Nanda :):):) Ficou o bichinho da leitura ...
      Beijinho

      Eliminar
  24. Boa tarde,
    texto perfeito de belas recordação com as letras a deslizarem, todos crianças tem enorme capacidades, na maioria das vezes as mesmas são desconhecidas pela família.
    Fique bem
    AG
    http://momentosagomes-ag.blogspot.pt/

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Viva, António, agradeço a presença e a simpatia. Gostava de poder ter essas lembranças comigo :):):)
      Abraço

      Eliminar
  25. Ontem já tinha o comentário escrito e clicado para entrar; como ocorreu uma falha na net, foi-se. Agora , será mais resumido: Obg por partilhares estas vivências; em quase todas me revejo, excetuando esse lado de "vedeta", o não saber quando comecei a falar (vou perguntar à minha mãe, ela só se gaba de eu já correr tudo aos 8 meses) e não ler jornais na época :) :)
    (Sobre as leituras, lembro-me muito bem de todos os recantos da biblioteca local e do responsável me deixar requisitar livros "impróprios" para a minha idade :) - Também fazia o seguinte: colocava o livro por debaixo de um caderno e, se a minha mãe entrasse no quarto, fingia que estava a estudar :) )
    BJO, querida D :)

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Nós, os LEITORES sempre inventámos mil e uma maneiras de prosseguirmos as nossas leituras low- profile. Eu , nas aulas de Religião e Moral, li muito Julio Diniz com capa de A Minha Primeira Bíblia... Até porque a ler a outra, a a sério, a que não era para efeitos de escolaridade , era muito mais interessante.
      Beijos, Eu, querida.

      Eliminar
  26. Primeiro leio esta história tão bonita, depois abro os comentários porque quero escrever um a tentar transmitir o que senti, depois leio os outros (comentários) e assisto ao carinho que aqui é entregue. E depois fico mais feliz.
    Obrigada, querida M D ! Um beijinho :-)

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. A Susaninha é uma pessoa fantástica que vê as coisas que a rodeiam com a luz doce que tem no olhar. Nunca a perca.
      Mil beijos.

      Eliminar
  27. Andei arredado uns dias e quando volto fico empanturrado de tanto pitéu, eu que sou glutão. Que belas crónicas aqui pôs e umas musiquinhas catitas. Obrigado.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Ora essa, Agostinho, quem agradece sou eu. :)
      Mi casa es su casa.
      Abraço e BFS

      Eliminar
  28. Boa noite.
    Muita linda a sua historia, eu amo ler,mas comecei tarde aos 13 anos rsrs.
    Um feliz fds.
    Abraços.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Não importa começar tarde, Mirtes, desde se que consiga alcançar o objectivo. Você conseguiu ! :):)
      BFS e um beijinho

      Eliminar
  29. Amigos (as)guardo no fundo do coração.
    Num cantinho bem especial.Nesse dia do amigo.
    Sinta - se abraçado (da)por mim.
    Eu ainda não consegui decifrar..
    Porque pessoas que amamos vão embora
    sem ser possível dete-las.
    E também não conseguimos
    do nosso coração.
    Meu abraço nesse dia e por todos os outros dias
    da minha vida.
    Fique com Deus.
    A vida é curta, mas as emoções que podemos deixar
    duram uma eternidade.
    Amigos Para Sempre.
    Evanir.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Obrigada Amiga, um bom dia para si também Evanir querida! Um beijo Grande :):):)

      Eliminar
  30. Sabes, amiga? Nota-se o quanto gostas das palavras, pela facilidade e brilhante intimidade com que as manuseias! Excelente texto! Boa semana.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Olá Árabe, obrigada ! :):)
      Votos de boa semana e um abraço !

      Eliminar
  31. Excelente texto. Seu estilo de escrita é, de fato, um construtor de arte que pinta belas histórias na minha mente, de asas robustas. Quando tiver um tempinho, por favor, seria um prazer se lesse um texto que tentei redigir com menos poesia, mas acho que ficou muito poético, ainda.

    http://wordsinthesea.blogspot.com.br/2014/07/para-quem-escrevo.html#more

    Abraços!

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Viva Daniel, obrigada pelo apoio e simpatia.
      Irei sem dúvida ler o seu texto, meu amigo.

      Uma boa semana e um abraço.

      Eliminar

É aqui que me mandas dar uma curva