sábado, 31 de maio de 2014

Linhas Tortas

"Mas a realidade é esta: não temos um projecto de país. Vivemos ao deus-dará, conforme o lado de que o vento sopra. As pessoas já não pensam só no dia-a-dia, pensam no minuto a minuto. "

José Saramago



Um País de Canalhas

"Pensar Portugal. Nós somos um país de «elites», de indivíduos isolados que de repente se põem a ser gente.
 Nós somos um país de «heróis» à Carlyle, de excepções, de singularidades,
 que têm tomado às costas o fardo da nossa história.
 Nós não temos sequer núcleos de grandes homens."

Vergílio Ferreira





Não perguntes o que o teu país pode fazer por ti, pergunta sim o que poderás fazer pelo teu país e obterás resposta igual para ambas as perguntas : nada.
Não esperes nada do teu País pois ele já nada tem para te dar.
Deu-te um berço, uma língua,  uma identidade, a noção de pertença a algo grandioso que transcende éticas individuais. Deu-te a vã  glória de integrares a história e as histórias daqueles que por obras valorosas se vão da lei da morte libertando. Deu-te liberdade e democracia. Deu-te valor.

E tu retribuíste, com o teu percurso de inclusão social, com a tua aprendizagem , com o teu estudo, a tua qualificação,  o teu trabalho, com o teu suor , até com as tuas lágrimas. É chavão, é cliché, é legítimo.

Poderia dizer-se que se igualaram no dar e no receber, não fora a oligarquia que escolheste para te guiar e formular as leis que regem cada minuto do teu dia ditar cada vez mais e o ditado ser cada vez mais draconiano e os mandos dos ditantes cada vez mais ditadores.

Olhas em volta e num hemiciclo de eleitos, não encontras um rosto que exprima rectidão, experiência, solução... tampouco honestidade cívica. Cada palavra é subliminar, repleta de sinónimos que são  hiperónimos , hipónimos que são parónimos, antónimos que são homónimos.

E tu olhas mas não vês, escutas mas não ouves, tocas mas não agarras, falas e nada dizes, porque te perdeste dos sentidos e já não consegues sentir mais nada. Até o desespero ou  a raiva já se conformaram e segues com o rebanho, sem pastor nem pastagem, sem bússola nem compasso, indiferente aos pontos cardeais, porque afinal o que és tu senão mais um ponto colateral perdido nestas linhas tortas que ninguém sabe endireitar.





               

24 comentários:

  1. Ana Mariamaio 31, 2014

    Mary Dee, hoje deu-te para politizares a chafarica ?
    Beijos e BFS

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Nem por isso... estive a ler sobre porcos no Aventar e saiu-me isto... :):)
      Joka

      Eliminar
  2. Não te sabia com ideais de esquerda. Muito me surpreende este texto, apesar de o achar primorosamente correcto sob todos os pontos de vista.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. A democracia não tem esquerda nem direita, só igualdade ( que é mais uma daquelas palavras do dicionário com significado dúbio)
      Joka.

      Eliminar
  3. Ainda acredito - e espero que um dia nos mostre isso mesmo - que o meu país terá algo para me oferecer. Não estou disposta a desistir

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Como dizes e muito bem, desistir não é opção, mas esta dormência, esta estagnação em que nos encontramos, também não é... aliás, nem é nada. Viu-se pelo absentismo destas eleições que "para quê?" é uma pergunta pertinente e recorrente.
      Assusta-me pensar que o caminho está no uso da força, mas provavelmente estará. Mesmo.
      Beijinho Andreia

      Eliminar
  4. Maria do Céumaio 31, 2014

    Muito negativismo acerca do nosso futuro. Gostei do que escreveu, mas acredito que haja soluções válidas e pessoas boas e que no fim do caminho há sempre uma luz que nos guiou os passos.
    Anime-se
    BFS :X

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Minha querida piquena, eu estou animada. Há um antigo ditado popular que diz que o que não tem remédio, remediado está... A minha antiguidade confere-me o conhecimento empírico de anos e anos de falsidade e desapontamento em relação á mãe de todos os logros , a política , claro. Acredito que muita coisa tenho sido dita e feita com a melhor das intenções, mas como diz a sabedoria popular, de boas intenções está o Inferno cheio. Agradeço a juventude que ainda acredita e arrepia caminho com a convicção dum brilhante porvir. Bem hajam.
      Beijos, Céu

      Eliminar
  5. Que postagem perfeita! São as citações, o teu texto - onde deixas claro um retrato de um país e de um agir coletivo em que a indiferença se tornou mais um voto de descrença do que propriamente um deixar andar (parecendo o mesmo , não é) - a imagem, a canção.
    Durante a minha vida fui tão crente no meu país! Até que os "heróis" começaram a cair - todos tinham telhados de vidro - e a desilusão foi doença que se instalou. Contudo, continuo a exercer os meus direitos/deveres de cidadania e, no fundo, ainda permanece uma réstia do sonho de alguns Heróis que ganharam reputação mundial, caso de Kennedy, Mandela...
    Mas hoje, especialmente hoje, desabei...
    ((Há uma 3.ª guerra mundial instalada, com outras armas...)
    Bjo, Amiga D

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. É tão normal idolatrar homens e mulheres que deíficamos num pedestal , esquecendo-nos que eles , como tudo o mais, vieram do barro que lhes esculpiu os pés. Ferir-nos psicologicamente é tão ou mais profundo e doloroso do que perder uma perna ou um braço.
      " Temos que aprender a viver todos como irmãos, ou morreremos todos como loucos" MLK .... Pode ser que sim, mas para já o meu cepticismo fala mais alto.
      Beijos, querida.

      Eliminar
  6. Um país de há alguns anos para cá completamente à deriva, por um lado por uma conjuntura internacional desfavorável, por outro, por ter mantido e continuar a manter ao leme, governantes sem qualquer capacidade e sentido de responsabilidade.
    Um país que consegue "dar vinho" mas não consegue dar pão.Um país que há séculos não consegue fazer grande coisa por si próprio, e agora espartilhado pelos "mandos dos distantes".
    Um país de cócoras. Ninguém deve desistir de nada, mas os jovens sem emprego que se "pirem"!
    Gostei muito do teu texto, e concordo com tudo o que disseste.
    xx

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Laurinha, que bom ter-te aqui comigo ! Adoro ler-te aqui também, mas isso tu sabes.
      Espero que os até jás sejam para continuar em ambos os lados.
      Beijos. Muitos. D

      Eliminar
  7. Eu ainda não desisti, mas já desanimei...tantas vezes.

    De que me valeu o esforço do estudo, de trabalhos fora de horas para agora não sair desta prisão que é o desemprego.

    Eu só quero dar, será que o país ainda tem algo para mim?
    veremos

    Beijinhos

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Sabes pérola, eu trabalho desde miúda. Estudei, subi a pulso... Trabalho sem parar há quase 40 anos.
      O Marido também um auto- didacta self made man, trabalha há mais de 45 anos. Já demos tudo de nós, mas continuam a exigir mais e mais... Projectos para uma velhice tranquila ? Utópicos como unicórnios alados...
      Bjoka

      Eliminar
  8. Teorias fascinantes e fascizantes duma democrata do tempo da Outra Senhora. Tenha dó.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Tenho pois, tenho dó, tenho ré, tenho mi... não gosto de falar para o boneco, e gente que não dá a cara não me agrada nada, porque lhe falte espinha dorsal e ataca sempre no escuro e pelas costas.
      Nasci no tempo da outra senhora, não comi o pão que o diabo amassou, tive uma infância e juventude normais para a época, filiei-me num partido de esquerda por alturas do PREC, labuto desde a adolescência e estou farta de trabalhar para esta corja de incapazes, a maior parte deles Anónimos como V. Exa. , outros com uma cara de pau parecida ou maior. DIXIT,

      Eliminar
  9. Tal qual eu e muitos outros se sentem, porém, desistir não é opção. Ir vivendo ao minuto como dizes, sem grandes projectos sem grandes ideias para avançar... Triste não é?

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. De cortar o coração... ver a rapaziada a queimar as pestanas , a passar noites em claro, a ganhar úlceras nervosas para acabar a porcaria dum curso que não lhes vai servir para rigorosamente nada... Não há oferta que acompanhe minimamente a procura, o país é um freakshow de feira de província, cheio de tristes aberrações.
      Desistir não pode ser opção, mas as opções são cada vez menos, minha Gaja Maria...
      Pelo menos enquanto há vida... vamos vivendo...
      Beijo

      Eliminar
  10. Vivo muito longe de Portugal (Macau).
    Mas, à distância, o que vou vendo e ouvindo, confesso que me deixa muito triste.
    Boa semana!

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Ah, Macau... um sonho no oriente...
      Não conheço ninguém que não se sinta desiludido...
      Abraço Pedro e votos de boa semana também :)

      Eliminar
  11. Sempre gostei do conceito de reciprocidade. Até no amor é assim. Do que vale gostar muito da minha mulher, se ela me odeia?
    Quando forem sérios, logo volto a acreditar. Quando forem humildes, logo volto a acreditar. Quando sentir que se preocupam comigo, logo volto a acreditar. Não voltarei...a acreditar.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Acredito que sim E.M., meu caro, acredito que não voltará a acreditar, provavelmente nesta encarnação , se acreditar neste credo, claro, eu pessoalmente não o creio credível, porque acredito que ninguém tenha contado ainda como acredita que foi antes de ter sido....
      :):):): já me embaralhei toda, E.M., normal....

      Eliminar
  12. Todos os países têm seus problemas e no Brasil não é diferente. O poder em mãos desqualificadas e o povo se iludindo, principalmente agora, com o futebol. Espero que a consciência crítica se manifeste nas eleições, a serem realizadas este ano. Esperança, sempre alimentamos, porque desejamos ver a casa em ordem. Abraço.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Lá no fundo resta sempre a esperança de que as coisas vão melhorar...
      Beijo, Marilene

      Eliminar

É aqui que me mandas dar uma curva