terça-feira, 6 de maio de 2014

Delirium

"E narro-me prolixamente sem sentido, como se um parvo estivesse com febre" 

Álvaro de Campos





[...]Hora em que os doentes de corpo e alma, 
Pedem ao Senhor para os sarar... 
Hora de febre e de calma, 
Hora em que morre o sol e nasce o luar... 
Hora em que os pinheiros pela encosta acima, 
São monges a rezar...[...]

Saúl Dias







Paris à noite, visto do topo da Torre Eiffel é magnífico, mas o calor atrofia a capacidade de inspirar profundamente tanta beleza. Olhei na direcção da estrela e debrucei-me para ver melhor. Sirius é sem dúvida a mais luminosa e o seu brilho enfeitiça-me e estico-me para a poder alcançar. " Deixa-te de ver estrelas e vamos embora" diz-me Napoleão puxando-me rudemente para trás " Amanhã falas com o Icaro e pedes-lhe que  te leve ao Canis Major, mas agora tens que entregar os lençóis de banho ao Marat, bem sabes que ele morre por uma boa ensaboadela".
Ao atravessarmos a Ponte Carlos carregados com sacos de papel da IKEA, comecei de novo com os acessos de tosse :" Respira fundo e devagar, que não é consumpção, que disso caiam em Eylau como tordos. É uma pulmoeira e as pulmoeiras passam, o Morengo teve umas quantas e ficou sempre fino. Bem que eu te avisei que é preferível um exército pela frente do que uma corrente de ar pelas costas, mas tu tinhas que mergulhar vestida no Mar do Norte em Maio à procura de Havfrues ... as mulheres e os calores... Bem sei que é a imaginação que nos governa, mas tu abusas..." 
Entregue o recado, ficou-se Napoleão pelo Deux Magots para explicar Guernica ao Sartre que tinha sérias questões sobre a existência do massacre. 
Ia já a meio das Ramblas, quase a chegar às Cibeles quando vislumbro a figura amorfa de Dupin e me volta a ideia de que tanto lhe vejo parecenças com o Paul Newman, como com o Dustin Hoffman, mas nem uma sequer com o George C. Scott. Apesar de chevalier, deslocava-se a pé, vagaroso e sorridente, a saborear a noite. Ficámos à conversa sobre nada em particular num banco sujo em Unter den Linden até os sinos de Marienplatz dobrarem doze vezes. O Glockenspiel continuava um poderoso marcador de vidas.
A Golda manda trancar o kibutzim cedo... velha danada de rija, vai fazer-me dormir ao relento outra vez.
Sem sono e a expelir ar aos solavancos, entrei para o ferry e tentei engolir o ar do Bósforo  às golfadas; era agridoce e prometia mil delícias... há quem diga que o ar do mar faz bem às tosses.  Hagia Sophia sorriu-me no escuro. Preparava-me para ali encontrar a aurora, quando um gladiador ordinário me fez levantar com a desculpa de que o Coliseu não é lugar para pedintes ou sem-abrigo, que fosse para o asilo por detrás do Castel Sant'Angelo... Tossi-lhe todos os impropérios do meu vocabulário e fui-me dali. Já estava cansada e a cidade deserta; Bernini aproveitava para tirar medidas à volta da basílica... ele e a ideia megalómana duma piazza monumental ... sinto-me prostrada e febril. Dou comigo em frente ao Hotel Lawrence e conto os trocos. Uma cama cheirosa , um chá quente e dois Ben U Rons... que mais pode uma mulher desejar para ser feliz ?




                                   

29 comentários:

  1. Ana Mariamaio 06, 2014

    Que alívio! Estás viva e continuas maluca . :)
    Melhoras e beijinho da gente

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Como podes ver, até os malucos delirantes, são inteligentes.
      Obrigada e beijinho. :)

      Eliminar
  2. Já fui muito feliz em muitas dessas cidades. Tive que ir ao Google ver do Dupin, não sei porquê, afinal era tão óbvio :)
    Põe-te fresca, que só estás velha, não estás a cair de podre :):)
    Os meus cumprimentos ao Corso e boas melhoras.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Isso de me pôr fresca é que era... Ainda tenho febre e as ideias a fervilharem cá dentro. Depois dá nisto... Deixa lá, podia ser pior.
      Obrigada e beijinho

      Eliminar
  3. Maria do Céumaio 06, 2014

    O que me agrada nos seus textos, é que para além de muito bem escritos, são muito bem pensados, encadeados e conseguidos. Ninguém pode vir aqui ler em transversal e entender. Tem que se pensar no que se está a ler para fazer sentido,e por mais absurdo que possa parecer, faz todo.
    Todos os bloggers que conheço deviam ler os seus textos loucos, tão sábios e nada fúteis.
    Desejo boas melhoras.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Se me queixava de calores febris, agora redobro em embaraço.
      Uau! Obrigada, Céu, muito obrigada!
      Agradeço também os votos de boas melhoras.

      (Já pensou que tem queda para a psiquiatria? Entrou limpamente na minha cabeça!). :) :) :)

      Eliminar
  4. Fabuloso! Apesar de febril, o texto está maravilhoso. As melhoras.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Muito obrigada pelas palavras e pelo regresso. Fez-me falta.
      Beijinho

      Eliminar
  5. Sinestésico, como afinal a vida deve ser.
    Abraço, cara M.

    (regresso, com algumas penas ainda chamuscadas)

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Uma boa notícia, neste oceano de desistências !
      Bem vindo do tempo sabático!
      Outro, grande, ex

      Eliminar
  6. Belissimo texto. As usual.
    E não me digas que estás com a síndrome 'Uva Passa', que isso não serve para nada. As melhoras. Ainda bem que tens (ainda) os Ben-u-Ron. Esses a mim fazem-me tão bem como o chá... zero.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Querida Uva-Passa, infelizmente já passei a fase duma bela passa. Encontro-me agora mais mirrada, como uma Sultana, antiga, loira e delirante.
      Curiosamente, o Paracetamol 1g ainda tem o efeito prodigioso de conseguir fazer baixar-me a febre. O chá, é o incipiente qb para a toma do medicamento; abomino chá quente mas adoro uma boa água chalada fresquinha, sem ser gelada.
      Obrigada por veres que estou só febril, mas ainda não estou passada.
      Joka. :):):):):):):)

      Eliminar
  7. Mais nada, afinal ser feliz é tão simples.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Grande receita a minha: felicidade num blister com chá quente. :):):)
      Por falar nisso, tenho que reabastecer o paracetamol, para não correr riscos.
      Jokas, Verinha. :):)

      Eliminar
  8. !Hola,Roque!

    Un resfriado común se quita rápido.Una historia muy hermosa.Me gusta como explicas lo que inspira parís cuando la miras desde la torre,aunque haga calor.Besitos.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Hola Cristal . Pinto uma história mentalmente e tento explicá-la por palavras. Adoro jogar com as palavras por mais louco ou absurdo que seja o resultado do malabarismo.
      Besitos para ti também. :):):):):)

      Eliminar
  9. A vida só faz sentido quando a vivemos...
    Há algum tempo que não ouvia o Carpet Crwalers

    beijo amigo

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Podemos voar até onde a nossa imaginação nos permitir, basta fechar os olhos e respirar fundo, de preferência sem tossir. A maluquice com que está música me fazia voar... Linda.
      Xi<3 Daniel :):):):)

      Eliminar
  10. Um belíssimo texto que, de sentidos, sentires e tempos diversos (conferindo humor os toques anacrónicos - sorri com os sacos do´de papel do Ikea), resultou num sentido narrativo sui generis...
    Acho que o voltarei a reler...:)
    Bjo, D :)
    (Eliminei pois dei conta de uma palavra fora de contexto.)

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Viva, EU !
      Gentil como sempre, minha querida. :) É um pequeno conto no mínimo febril e é o que gosto mais de escrever. Alturas há em que corre bem :):)
      :):):) Beijinho ?

      Eliminar
  11. Pedido:

    Eu sou de repentes a escrever. Penso em algo, misturo, enformo , cozo e espero que o resultado seja comestível. Nem sempre me sabe como gostaria e é aqui que eu contaria com quem lê os meus menus para criticar os temperos, as faltas, os exageros.
    Sei que se vos pedir muito, farão isso sem pruridos nem hesitações. Seria uma ajuda preciosa.

    Obrigada a todos :D:D:D:D

    ResponderEliminar
  12. Um texto interessante sem dúvida, faz-nos viajar pela imaginação como um bom livro ... Podemos nos perder num capítulo, mas no seguintes achamos a volta .. Perfeito!
    Parabéns, M D Roque!

    Deixo aqui uma poção de carinhos, té mais ...
    My

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Querida My, sempre gentil :)
      Agradeço as palavras e a poção, dá sempre jeito, on a rainy day
      :):):)

      Eliminar
  13. Acima de tudo excelente musica ...

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Ah, os 70, os 80, os 90.... Posso considerar- me super-privilegiada por ter vivido os anos de ouro da música... :):):)
      Abraço, J

      Eliminar
  14. A inspiração continua a tomar-te assalto, e a França foi desta feita o motivo de um estado febril que parece não querer deixar-te. Um texto muito bem engendrado. Parabéns!
    xx

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Estes meus textos como já acima referi, são cozinha de fusão, por isso sabem a tudo, a todos e a todo o lado. Gosto que tenhas gostado. Gosto muito mesmo. Conto muito contigo para me rectificar o tempero sempre que seja exagerado ou desenxabido .
      Obrigada, Laurinha. Jokas.

      Eliminar
  15. Que grande viagem!

    Quase senti vertigens perante tamanha velocidade.

    Obrigado pela boleia.

    Beijinhos

    ResponderEliminar

É aqui que me mandas dar uma curva