quarta-feira, 2 de abril de 2014

Nevermore

"Cada um descobre o seu anjo tendo um caso com o demônio." - Mia Couto



A Nossa Vontade e o Nosso Pensamento


Anjos ou deuses, sempre nós tivemos, 
A visão perturbada de que acima 
De nós e compelindo-nos 
Agem outras presenças. 
Como acima dos gados que há nos campos 
O nosso esforço, que eles não compreendem, 
Os coage e obriga 
E eles não nos percebem, 
Nossa vontade e o nosso pensamento 
São as mãos pelas quais outros nos guiam 
Para onde eles querem 
E nós não desejamos. 

Ricardo Reis






Chegaram em bandos. Eram às centenas,  tantos que escureceram o sol  como uma nuvem cinzenta, uma praga de gafanhotos negros devoradores de consciências. Podiam ser insectos, parasitas invertebrados, não fora as caras de anjo em maravilhosos corpos andróginos e assexuados. As asas, essas eram negras." Asa de corvo" pensei, com o brilho e a dureza tão peculiares à antracite de azeviche e a crueldade necrófila duma ave de rapina.
Eram os arautos dos deuses, daqueles que foram e cuja essência se perdeu num passado sem futuro. Era a  cimeira dos outrora poderosos, louvados e adorados nas três américas, em todos os recantos misteriosos do berço da civilização, para lá daquela babilónia onde o Tigre e o Eufrates produziam demónios como se de ratos se tratasse. Foram os deuses que perseguiram Moisés, que protegeram Alexandre Magno, que guiaram as campanhas de César, que velejaram em barcos com cabeças de animais, manobrados por ferozes guerreiros, deuses que se acobardaram pela chegada dos espanhóis e fugiram, abrindo de par em par as portas ao extermínio de impérios... foram grandes num tempo próprio que se perdeu no próprio tempo. Agora esquecidos e renegados, pontuam em acontecimentos locais, onde cultos insanos e sangrentos os repescam em arcas poeirentas e prateleiras rancidas e os invocam para meia dúzia de acólitos fanáticos que espumam  e se retorcem em ritos de hosana e raiva. Levam a miserável vida de quem perdeu o mundo e não tem lugar no porvir, mantendo as aparências de grandeza apenas pelo aparato dos mercenários celestes que lhes guardam a existência vazia.
Esses, nunca foram guerreiros de um só deus. Eram mercenários que abraçavam sempre a causa mais onerosa do momento. Afinal, eram pagos em almas que incrustavam nos punhos das espadas como de diamantes se tratassem, porque eram poder, delas lhes advinha a força, a jactância e a beleza.
E se eram belos. O olhar hipnotizava, arrepiava, arrancava gritos roucos, gemidos, convulsões de indescritível deleite. Estendi os braços e implorei que me tomassem a alma , que eu não queria ser mais nada senão escrava daquela atracção e dos arroubos do meu corpo. Foi num momento, um lampejo num olhar de safira num segundo efémero no tempo, e vi. Vi as larvas da maldade e do vício do sangue, vi  a crueldade e a alma desabitada, vi que como os seus patronos, não passavam de fachada, belos, sensuais e desprovidos do escrúpulo duma consciência. Fugi. Chorei, chorei por mim que caí na tentação do sublime e quis, ou não fora Lúcifer o mais belo dos anjos.

Sentei-me no cume daquela montanha junto a Davos 
Vi com olhos limpos o que se desenrolava ao meu redor
Vi a beleza negra da perfídia
Mas a razão gritou mais alto"- Nevermore"!


                                                                                                                                                                                   

20 comentários:

  1. Que lindo de se ler... será desta que a música fica ?
    Olha, gostei mesmo. Bj.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. :):):)
      Quanto à música, ainda ando em experiências... esta soa-me bem no contexto, mas lá no fundo SEI que o propósito da música não era este... veremos.. bisou.

      Eliminar
  2. Que festa entre demónios e anjos meio timidos.

    História que faz história.

    Um mimo, estes pensamentos.

    Fazes-me sempre sair daqui com a cabeça a mil.

    Beijos

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Bom presságio para os teus poemas :):):):)
      Beijos querida Pérola

      Eliminar
  3. Adorei, está mesmo lindo!!
    beijinho grande ♥

    http://naervilhadapolly.blogspot.pt/

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Viva Ana. Ainda não sei se deixo esta música... :):):)
      Que achas ?
      Obrigada e um beijo. D

      Eliminar
  4. Sabes que a dos Cheap Trick também ia muito bem, estilo Apocalypse Now?
    Adorei este conto, sobre o teu Poe, porque afinal é disso que se trata, certo ?
    Bjk.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. O "meu" Poe está quase sempre presente nos escritos que publico, por vezes descaradamente escarrapachado, noutras indelével.
      Essa do Apocalypse Now e o Mighty Wings, está bem visto, sim senhora.
      Gracias. :):):):):):):):):):):)

      Eliminar
  5. Maria do Céuabril 03, 2014

    Conto fantástico. Adorei !
    Céu

    ResponderEliminar
  6. Passo por cá muito, mas raramente comento. Garantidamente os teus comentadores não te entendem. Não abrangem a história no seu todo, nas suas nuanças e nas suas cambiantes. Quero que saibas que está primorosamente apresentada. Talvez tenhas que ser mais trivial nos teus rabiscos para um dia te entenderem.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Muitos entendem, outros nem por isso, mas se se dão ao trabalho de ler um "testamento" enorme, que mais poderei desejar?
      Obrigada pela visita e pelo comentário, Zé :):):):)

      Eliminar
  7. Um texto verdadeiramemte épico! Com uma música adequada :)

    Gostei muito

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Viva Lobinho
      Obrigada pela presença e pela simpatia.
      Fico muito satisfeita com o seu comentário.
      Bom fim de semana e um abraço. D

      Eliminar
  8. Parece que andamos todos (os escrevinhadores) numa fase muito "para o além"; e, cada vez que surgem novos dados sobre o Universo, mais compulsão se sente pelo "mundo maravilhoso" que existe... (Apenas um preâmbulo, devido até à citação e poema do RR)).
    Muito prazeroso este conto pela hábil narração, nessa harmoniosa mistura de referências do fantástico, bíblicas, civilizacionais...Um "must"!
    Distingo entre progresso e civilização. Acho que nas antigas civilizações já existia a base essencial da sabedoria. Ao longo dos séculos evoluiu-se, inúmeros e variados conhecimentos surgem a cada dia, mas a Humanidade em si, não me parece que tenha evoluído assim tanto. Por vezes, e nos tempos que correm, costumo fazer referência a uma Idade Média...
    Gosto muito do canto gregoriano (aliás, gosto de variados géneros musicais).
    Bjo, D

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Eu e os meus referência- shakes com topping e qualquer coisa chamativo no topo... sabes, preciso de acordar com o conto na cabeça.Depois são 15 minutos de escrita, e imenso tempo para a música, as citações e a ilustração. .. nem sempre me saio mal, vá lá... :):)

      Eliminar
  9. Maravilha de se ler!Gostei! Linda semana!beijos,chica

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Cozinhar com misturas de temperos por vezes sai agradável ao palato. :):)
      Boa semana Chica. Beijo

      Eliminar
  10. Interessante o conto e a música...E Mia Couto tem toda a razão....quando o pior acontece, quando se pensa que não há solução possível, há uma luz, um anjo que nos dá a mão.
    Obrigada pela visita
    Beijos e abraços
    Marta

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Há sempre algo que nos guia. Creio, creio muito.
      Boa semana Marta, obrigada e um beijinho.

      Eliminar

É aqui que me mandas dar uma curva