segunda-feira, 21 de abril de 2014

Falar Liberdade

"Ser pela liberdade não é apenas tirar as correntes de alguém, mas viver de forma que respeite e melhore a liberdade dos outros."Nelson Mandela



Dizer Não

Diz NÃO à liberdade que te oferecem, se ela é só a liberdade dos que ta querem oferecer. Porque a liberdade que é tua não passa pelo decreto arbitrário dos outros.

Vergílio Ferreira






"Meus senhores, como todos sabem, há diversas modalidades de Estado.
 Os estados sociais, os corporativos e o estado a que chegámos.
 Ora, nesta noite solene, vamos acabar com o estado a que chegámos!
 De maneira que, quem quiser vir comigo, vamos para Lisboa e acabamos com isto.
 Quem for voluntário, sai e forma. Quem não quiser sair, fica aqui! "


Por onde andava MD Roque naquele dia,  há quarenta anos 


Não era a Nini, mas tinha quinze anos. Bonita e recatada que só eu, vivia num ambiente engraçado cheio de frases à boca pequena e segundos sentidos que eu nem sempre conseguia alcançar. O Pai e a Mãe trabalhavam e eu e os mais pequenos desempenhávamos o melhor que podíamos e sabíamos a nossa função na sociedade: éramos  estudantes obedientes,  lentes doutos e subordinados, nas nossas filas indianas aos pares, nas nossas canções com dezenas de bocas a uma só voz, com os nossos fatinhos onde despontava o emblema da mocidade que representávamos tão bem, a de Portugal, a patriótica, que enchia o concelho de ministros de orgulho, um bando de ditadores velhos carunchosos, manobrados pelo maior e mais inteligente de todos, que nos presenteavam com a sua visita nas escolas, onde os professores se desfaziam em gentilezas de ocasião, vazias e tristes, e éramos quase sempre agraciadas com uma festa na cabeça, ou em dias especiais, uma beijoca repenicada na bochecha. Lá íamos, cantado e rindo, tão indiferentes à realidade que nos rodeava, como nos encontramos ainda nos dias de hoje, mas isso agora não vem ao caso.
Naquele dia de Abril, o sol amanheceu fresco e um tanto envergonhado, comi a torrada com o Ovomaltine e fui para o Liceu a pé, para poder gastar os dois escudos dos transportes em guloseimas no Confeiteiro.
A aula das oito horas era de Ciências da Natureza e a professora não apareceu. Passámos meia hora num forrobodó daqueles inenarráveis,  que só acontecem quando ninguém está a observar.
Uma contínua com olhos de choro veio à sala e mandou-nos ir para o ginásio, onde uma directora a tremer como varas verdes nos informou que não teríamos aulas, mas só poderíamos sair do Liceu se nos fossem buscar. A mãe foi buscar os mais pequenos e um vizinho foi buscar-me a mim.
Em casa, a mãe estava lívida e chorava sem parar. Não sabia do Pai, que era um pachola inconveniente e já tinha tido espírito santo de orelha por mais de que uma vez.
O Pai demorou a chegar; vinha vermelho e eufórico. Agarrou-nos aos quatro num abraço sentido e falou " agora já podemos falar à vontade ! Nem mais um soldado para o Ultramar"
O telefone fartou-se de tocar, juntou-se imensa gente lá em casa e eu fui ler para o quarto as "Viagens na Minha Terra " e  o "Frei Luis de Sousa" que eram matéria do teste sobre Garrett marcado para o dia seguinte. Escusado será dizer que não acontecu.

Assim chegou o advento da democracia, da liberdade, do socialismo. 
E foi lindo ver marés vermelhas agitadas pelos ventos da mudança, cantar em plenos pulmões músicas de intervenção que estavam acorrentadas a sons mudos , sentir asas e poder deixar a imaginação voar.
Que emoção indescritível, para uma miúda de 15 anos, rato de biblioteca e pouco habituada a cavalarias altas...
Durou pouco e como tudo o que se toma  em demasia, causou uma ressaca bruta e brutal.
Embriagados pela liberdade, esquecemo-mos que só somos realmente livres se o nosso conceito de liberdade não colidir com os ideais dos demais.
Foi nessa altura que li Animal Farm  e 1984 e tive o meu primeiro vislumbre do que é realmente a política. 
O desencanto não demorou. Já o contei e cantei...
Na alvorada de uma nova realidade, madrugou-me o pensar, acordei para a vida e vi.




                                         

38 comentários:

  1. Lembras-te de descalçarmos uma colega e lhe escondermos os sapatos e as peúgas e ela a querer falar para pedir licença para para os ir buscar e ser mandada calar tantas e tantas vezes que acabou por ir embora descalça?
    Tudo dentro do maior respeito, claro :D:D:D:D:D:D

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. E eu passei o tempo todo a desenhar Demis Roussos porno para a Clara ...
      ( o que vale é que ninguém lê isto) ehehehehehehehehehehehehehhe
      Tudo respeitosa e recatadamente, pois claro ahahahahahahahahah

      Eliminar
  2. Respostas
    1. Grande Capitã, muito me honra a sua leitura das minhas raízes de pirata.
      Beijos mil, Cuca :):)

      Eliminar
  3. Olha que duas... quem diria, heim ?? :):):)

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Oh piquena, tu nem sabes da missa um décimo !! :):):):):):):):)

      Eliminar
  4. Há 40 anos, valmont era apenas um ideal de duas pessoas que agora são os seus pais. A tua descrição fez-me querer ser um pouco mais do que isso.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Acalenta um ideal teu a quém possas transmitir valores tão sólidos e fundamentais como a amizade e a liberdade feita pensamento em acção, é um bom princípio. :):):)
      Beijo E.M.

      Eliminar
  5. O Orwell é um excelente antídoto. Antes desses, li o Soljenítsin. Fez-me bem.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Naquele tempo... O Soljenítsin era considerado reaccionário :):):)

      Eliminar
  6. Eu tinha onze anos e na altura não entendi nada do que se estava a passar, mas o que achei mesmo interessante foi as turmas começarem a ser mistas, uma professora recém chegada de Trabalhos Manuais nos falar de relações sexuais e orgasmo, e de aos treze ou catorze anos participar nas aulas de alfabetização de adultos, e nisso participei por acompanhar a minha mãe, que era extremamente jovem mas nunca tinha ido à escola.
    Belo post! Tu eras terrível!!...:-)
    xx

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Se antes falar de sexo era tabu, depois era tema recorrente em todas as aulas e os professores correspondiam com receio de engrossarem as listas dos saneados. Tive sim professores homens, o José Hermano Saraiva por três meses antes de ser considerado fascista, outros excelentes e alguns deploráveis que só se queriam aproveitar das alunas... Amor livre, chamavam-lhe...
      Comprei algumas lutas, tornei- me activista política, venci o que tinha para vencer, caí do meu pedestal e foi o desencanto. O resto já cantei , contei e vou contando.
      Beijinho, Laurinha, da terrível ( e muito) D

      Eliminar
  7. Adorei a frase se Vergílio Ferreira...

    Bem, pela tua escrita não podia deixar de te escolher para o desafio de bloggers que anda por ai ;)

    http://diariodeumalmaa.blogspot.pt/2014/04/desafio-aos-bloggers.html



    ResponderEliminar
  8. Viva, Maria e obrigada pela deferência. Aceitei já este desafio do prémio, para o qual fui nomeada pela Cris Henriques há umas semanas, por isso vou ter que declinar a tua nomeação que muito me honrou.
    Fica para. Uma próxima vez ?
    Obrigada e um grande beijo da D

    ResponderEliminar
  9. hola quem sabem leer e estudar sabem aprovecer et comprender os sentidos dos ums e os otros
    nao sao 40 anos de liberdade que devem se lembrar mas 50 anos de facismo que as lagrimas dos antigos come da juventude devem ajuntar pelo a chao!
    as lagrimas sao par quem chura! os sentidos sao para que nao churarem demais!
    las lagriams d'amor sao para quem ama nao para quem se arma!
    santinho!
    atchoummmmm!
    De qual cor sao as lagrimas salgadas daqui 2 dias para quem sao os santINHOS,
    para as lagrimas das maes de nossas maes!
    parabems!
    lindas linhas das ilas!
    Jorge r.r

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Merci Jorge. J'ai mentionné une expérience qui était la mienne et rien de plus.Tristes les années de la dictature. triste l'exagération aprés...

      :):)

      Eliminar
  10. Emocionaste-me e fizeste-me recordar.
    Uma narração na primeira pessoa com muito mais para contar, na certa.

    Gosto muito desta definição de liberdade. Quase nunca é a escolhida pela maioria, infelizmente.

    Um beijinho

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Para mim, Pérola, é a única definição de Liberde possívrl.Quanto a muito mais para contar, podes crer... ;)

      Eliminar
  11. No dia 25 de Abril, comemora-se o 40º aniversário da Revolução dos Cravos. A Democracia foi o alvo a atingir pelos capitães do Exército Português, nas principais vertentes da reposição das liberdades fundamentais como os da expressão e de reunião.
    O regime mais cruel, mais obscuro de toda a história de Portugal - o chamado Estado Novo, liderado por uma oligarquia em que o seu chefe António de Oliveira Salazar era o lider sinistro,provinciano, apoiado pela Igreja Católica e por uma terrível polícia política que tinha a sigla de "PIDE" (Polícia Política e de Defesa do Estado") Foi a Revolução mais bonita da História dos últimos anos em que o povo veio para a rua, juntando-se, tal como eu no Largo do Carmo, apoiando os militares - os capitães de Abril - que estavam ali estacionados, com os seus carros de assalto, de canhões apontados para o último reduto onde estava entricheirado o chefe do governo que, entretanto, substituira Salazar,após a sua morte. Esse reduto era o quartel da Guarda Nacional Republicana. Aí ,nesse mesmo largo, onde estudei, na Escola Comercial Veiga Beirão, desenvolveram-se as cenas mais épicas de uma Revolução, que vinha a chamar-se, posteriormente, a "Revolução dos Cravos". Isto, porque, nesses momentos dramáticos de espera da rendição do último Ditador, as crianças que estavam às cavalitas dos pais,para melhor assistirem ao que se estava a passar, iam colocando espontaneamente, nos canos das espingardas, cravos de Abril, que lhes haviam sido distribuidos gratuitamente, pelas floristas de rua, numa homenagem a todos os militares alí presentes e num gesto eufórico da primeira sensação de liberdade - Estes episiodios fazem parte das melhores recordações da minha vida, dando-me a inspiração para escrever o meu livro "O REFÚGIO" Portanto, neste mês, no dia 25 de Abril estarei com os Democratas deste país, a lembrar em qualquer sítio com os artistas ainda vivos, a cantar Abril do grande Zeca Afonso e tantos outros que tornaram a revolução dos cravos, mais linda, dos tempos modernos. Portugal deve o seu avanço qualitativo em todas as áreas sociais a esses capitães patriotas que hoje são preteridos pelo governo de direita actual que, pela primeira vez,ironicamente, após a Revolução da reposição das liberdades fundamentais e do uso de expressão, proporcionadas a todos aqueles que estão sentados nas bancadas dos partidos representativos do Povo, não os deixam estar presentes, para discursarem no dia 25, na Assembleia da República - por isso eu grito : ABRIL SEMPRE!
    - See more at: http://docarmogoncalves.blogspot.pt/2014/04/normal-0-21-false-false-false-pt-x-none.html#sthash.RHHgFNGR.dpuf

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Viva Hélder
      Sabe que me comove até às lágrimas sempre que passam nas TVs reportagens não ficcionadas daquele dia e dos que se seguiram?
      Foi lindo, para quem viveu intensamente. Eu vivi.
      Depois há sempre o outro lado do espelho e cada um tem as suas experiências mais ou menos agradáveis.
      Os ideais de 1974 foram-se esbatendo ao longo do tempo, até ao estado a que chegamos novamente.
      Sou democrata, sem cassete, para quem a liberdade não é uma instituição, mas um valor.
      Obrigada pelo seu testemunho. São as vivências de cada um que fazem a história de todos nós como país. Liberdade, sempre!


      Eliminar
  12. Velhota!
    Eu tinha catorze, não me lembro tão bem... :))
    Nessa altura tinha já uma actividade "subversiva" de distribuição do "Avante" e de panfletos da "UEC" e tudo o que fosse oposição, muito por "culpa" do pai que era do contra e que a partir dos doze entendeu que eu podia ouvir a Rádio Moscovo.

    Pena esta coisa se ter desvirtuado toda e os três D´s nunca se tivessem chegado a cumprir em pleno e estejamos, vítimas de corruptos e políticos de merda, numa situação de miséria franciscana, quase pior que no tempo da outra senhora (salvas as devidas proporções, obviamente).

    ;)

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Antunes , meu caro,muito optimista da sua parte quanto aos 3 D's :):)
      Descolonizar, foi o que se viu, desenvolver, bem... ok... democratizar, enfim, nem comento...
      Devia ter havido mais D's... desancar e dejectar , por exemplo, davam jeito agora ...
      Isto depois no liceu foi uma festa: com o PS a apoiar o Eanes e o resto da esquerda ( nomeadamente a UEC) , o Octávio Pato. Uns faziam bigodinhos à Hutler no general, nós escrevíamos em todos os quadros das salas de aula "UEC UEC, Abriu a caça aos Patos", mas no fim estudávamos juntas e havia uma coisa fundamental, que hoje se encontra em vias de extinção : RESPEITO.
      Sei de cor o discurso do Salgueiro Maia, o único incorruptível dos capitães de Abril, e temo que , salvo a guerra ultramarina, tenhamos voltado " ao estado a que chegámos".
      Obrigada pelo seu testemunho.
      É fantástico trocar ideias com quem realmente as tem na memória.
      Um abraço.

      Eliminar
    2. MDR, o optimismo era o de um adolescente, já com alguma (embora pequena) bagagem política e igual ao de milhões de portugueses; certamente a M também teve esperança, mesmo que eventualmente estivesse no outro lado da "barricada" (o meu pedido de desculpas se assim não foi), porque o regime estava mais que moribundo e de dentro havia muita gente que também queria dar a volta à coisa: Sá Carneiro, Balsemão, Spínola e acredito que estes também queriam mudança, sem dúvida!
      Concordo consigo, faltou umas "porradinhas"; talvez isto hoje fosse diferente, mas não seria diferente também se estivesse outra gente, de direita ou de esquerda não importa, honesta e competente à frente disto?
      Descontemos o PREC, por razões compreendidas certamente, e veremos que toda a gente que esteve no governo, "governou" em função do voto futuro e da perpetuação no poder, e nunca em função do mandato que obteve, desvirtuando completamente a Democracia, que em palavras simples será "o governo do Povo, para o Povo". "E chegámos ao estado em que estamos!"
      Um abraço!

      Eliminar
    3. Do outro lado... talvez por ser rapariga e as coisas se falarem à boca pequena lá em casa , mas depois, penso que houve um curto espaço de tempo em que estivemos todos do mesmo lado acabando no fim por ter que escolher um lado, o que é normal num estado democrático.
      Quanto às porradinhas, falta fazem e muito, nos dias de hoje, no estado em que estamos e a que precisamos de pôr um fim.
      Abração

      Eliminar
  13. Recordar esse dia deve dar ainda um frio na barriga, imagino.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Depois de 40 anos, Verinha, dá uma imensa saudade de tudo e de todos... ;) ;):):)

      Eliminar
  14. Voltarei para ler este texto. Amanhã tenho Assembleia Municipal e ainda preciso ler uns documentos.
    Se tiveres conta no FB, no meu blogue tenho o link para lá, mas também outra conta com o nome Odete Ferreira. Procura-me, se assim o desejares. Teria muito gosto em enviar-te a minha história que fará parte de uma Antologia "Onde estavas no 25 de Abril?" - são apenas 4 páginas.
    Bjo, D, :)

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Já te enviei um pedido de amizade pelo FB. :)

      Eliminar
  15. Estou a fazer divulgação de blogs no meu blog : http://beatrizduarteteixeira.blogspot.pt/, se quiseres que divulgue o teu é só comentares um post.
    Beijinhos

    ResponderEliminar
  16. Eu não tinha nascido ainda. Mas os meus pais já tinham dado o "salto" para longe deste país. Apesar de tudo oiço as histórias que eles contam e a pobreza sofrida na pele....
    Um beijo :)

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. E assim foi, principalmente no interior do país, onde as pessoas que viviam de e para a terra eram "orgulhosamente" mantidas pobres e ignorantes, sob a alçada da condescendência da elite governante. Depois da queda da ditadura, a ignorância tornou-se uma esponja super absorvente e ávida de conhecimento, que foi tão mal ministrado como fora a sua total ausência... e depois de navegarmos por mares sempre agitados, acabámos como começámos em 74, ao "estado a que chegámos"...

      Beijo Linda. Bom fim de semana

      Eliminar
  17. Apreciei imenso ler este teu relato e compreendo bem esse desencanto. Também o fui sentindo mas doutra forma. Hoje ando mais do que desencantada. Irritada, no mínimo, a partir do desmoronar de "ídolos" - acreditava que havia políticos sérios...Sei que me entendes.
    Acrescento que me tem sabido bem ler os comentários e as tuas respostas. BJO

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Eu tenho andado pelos teus lados sempre que tenho um tempinho.
      Parabéns EU. Excelente !!!
      Bj.

      Eliminar
  18. Um texto que adorei ler...Eu já tinha 20 anos e foi um dia que não mais vou esquecer, mesmo que nos queiram tirar tudo, as minhas emoções são minhas para sempre.

    Um beijinho com carinho
    Sonhadora

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Concordo em absoluto ! Do espanto, ao medo, á expectativa, ao nervosismo, á alegria... Foi um ouroboros de emoções, uma explosão contínua hora após hora. Fizemos parte da história, vivêmo-la todos naquele dia de primavera e isso é algo muito íntimo a cada um de de nós. Independentemente do depois, as lágrimas de alegria e os gritos de vitória ainda os sinto a cada ano que passa, como se fosse hoje.
      Beijos, Sonhadora, e sonhos maravilhosos , sempre. :)

      Eliminar
  19. Descobri hoje o seu blog. Andava à procura de algo sobre "as árvores morrem de pé" e vim aqui parar. Sou uma pessoa muito interessada em contos tradicionais portugueses, e fiquei muito entusiasmada em ler os que pôs no blog, contudo, não consegui aceder a nenhum. Como posso fazer para ler os seus contos? Zuzu

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Olá ZUzu
      Os contos que eu conto, do presente, do passado, alguns futurísticos , outros fantásticos, são apenas os textos que público, aos quais pode aceder nos Ditos, Escritos e Desvarios. Não sei se será exactamente o que a Zuzu procura, mas tenho todo o gosto em que leia e diga de sua justiça.
      Obrigada e um beijo. D

      Eliminar

É aqui que me mandas dar uma curva