quinta-feira, 13 de março de 2014

Queirosiana

"Não se descuide de ser alegre - só a alegria dá alma e luz à Ironia, à Santa Ironia - que sem ela não é mais que uma amargura vazia." Eça de Queiroz



"O coração tem os seus «elans», 
mas a vida tem também os seus cerimoniais."


A Paz Causa as Impaciências do Desejo




Jantar alegremente numa horta,debaixo das parreiras,
 vendo correr a água das regas - chorar com os melodramas que rugiam entre os bastidores do Salitre, alumiados a cera,
 eram contentamentos que bastavam à burguesia cautelosa. Além disso, os tempos eram confusos e revolucionários:
 e nada torna o homem recolhido, aconchegado à lareira, simples e facilmente feliz - como a guerra.
 É a paz que, dando os vagares da imaginação - causa as impaciências do desejo. 


Eça de Queirós,





Fiquei radiante por poder partilhar com o Mundo algumas linhas que me chegaram em mãos , que tratam de resumir a verdadeira essência de "Os Maias" e que poderão ser de extrema relevância para quem não comungue da otarisse de almas que, como eu,  já folhearam por mais de quantos dedos uma mão tem as seiscentas e setenta e quatro páginas e meia da obra capital de um dos maiores, senão mesmo o maior autor português contemporâneo. 

Tenho que confessar a minha adicção pelos livros de Eça; é o primeiro passo dos doze que percorro até , não direi à cura total, mas até conseguir algum controle na compulsão que me arrasta diariamente até velhas, obscuras, tortuosas e sombrias prateleiras onde há sempre um calhamaço que me tenta e onde a fraqueza da carne e do espírito acabam por sucumbir derrotadas , uma e outra vez.
No programa dos doze passos que se resume em experienciar um despertar espiritual, fazer um inventário pessoal e reparar danos cometidos sob a influência do viciante, é importante impor a distância necessária ao auto-controle:

"A distância actua sobre a emoção exactamente como actua sobre o som.
 A mesma dura lei física rege desgraçadamente a acústica e a sensibilidade.
 É sempre em ambas o idêntico e tão racional princípio das ondulações,
 que vão decrescendo à maneira que se afastam do seu centro,
até que docemente se imobilizam e morrem:
se elas traziam um som que vinha vibrando – o som cala quando elas param:
 se traziam um terror que vinha tremendo – o terror finda quando elas findam."


Por me encontrar já a meio do caminho da recuperação - que isto dos caminhos nunca tem fim, pois que por cada passo em frente sempre acabamos por retroceder dois -  e por já  me ser permitida alguma leitura supervisionada pelo sponsor, coisa leve como resumos, o Borda d'Agua, a revista Caras, a Maria e alguns blogs mais pictóricos, achei por bem quinhoar convosco o meu percurso, para que através dele me vejam como a pessoa que fui, má, destrutiva, egoísta, vegetando diariamente de e para o vício, e possam dar a mão à  pessoa que hoje sou, boa , empreendedora, altruísta, risonha - não fora "O riso é a mais antiga e mais terrível forma de crítica"-  talvez mais onagra, mas consciente da minha consciência:


"A consciência nem todos têm a honra de a conhecer; a consciência é o que quer que seja de vago e de impalpável, de que nós devemos falar como duma figura diáfana de legenda antiga."


Desconstruindo outro notório aforismo , não sou artista, mas sou crítica : tenho análise e emoção... possuo também pensamento próprio, que é livre como só as borboletas o conseguem ser.



                                )

Agradeço a todos os Lencastre Queiroz, Queiroz,  Queiroz da Silva, Eça da Costa , Eça de Melo, de Eça e Queiroz , a autorização para uso de fotos e aforismos, e liberação dos direitos de autor.

18 comentários:

  1. Bem, quando dizes que quando escreves, é só para ti, queres dizer precisamente o quê ?
    :):):):)

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Quero dizer, caríssima Luisa, que escrevo o que me apetece. Pode ser belo, pode ser feio, pode ser disparate, mas se não ME disser NADA, não vale a pena escrever. Capice?

      Eliminar
  2. queirosiano é o meu middle name, mas não gostei, de todo, dessa alusão ao primo zé luís...
    (logo eu, josé queirosiano luís) ;)

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Ahahahahah... Ele há coisas... Oh Zé Luis, nunca o babado manusearia tão bem cartas de marear.
      Eu adoro Eça e apeteceu- me fazer uma colage.... Foi só.
      Um beijinho.

      Eliminar
  3. Só podes estar a brincar quando insinuas que leste aquele livro chatérrimo mais do que uma vez!
    Não te conhecia a faceta SM. Acho que nunca consegui ler aquilo até ao fim. Beijinho.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Oh minha cara piquena, feriste- me de morte, caramba! Que raio se passa com esta juventude? Nunca consegui interessar as minhas próprias piquenas na leitura do suprassumo da literatura contemporânea, desta bíblia da escrita .. Et tu Ana Maria !?!? É que quem nunca leu Os. Maias, nunca LEU verdadeiramente....
      Hoje nem te mando beijinhos. Passar bem

      Eliminar
  4. very nice post!! goodnight my friend!

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Hi LT, thankx for being so nice.
      A Kiss . D

      Eliminar
  5. Que post FABULOSO, M D !!!
    Também adoro o Eça, mas por acaso Os Maias foi apenas a entrada para o resto que li dele! :-) Adorei o resumo, parabéns ao autor.
    Beijinho,
    Susana

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Olá Susana querida. .
      O meu maior receio é que o autor do post resuma a juventude de hoje. :):):):):):):)::)
      Beijinho. D

      Eliminar
  6. Bem, li concentrada, ri-me e depois senti um certo orgulho...Explico: presto muita atenção às citações, tiro ilações e por aí...; o resumo dos "Maias" foi o meu momento de comédia e fez-me lembrar aquelas coisas que por vezes enviam por mail (não, não reencaminho, senão não faria mais nada) escritas por jovens, género respostas a perguntas de testes, exames e afins; o orgulho, embora não te conheça, surge pela tua confissão à adição da leitura e admiração queirosiana. De facto, quem não leu Eça, não sabe o que perdeu (os verbos também podem estar no presente, depende do tempo que se tem)...Por último, gostei do entrosamento com o riso/ironia. "Ridendo castigat mores"...
    "Prontos", senti-me bem...:) - agora também brinquei com um erro muito frequente. Ressalvo que o nome do meu blogue tem um erro ortográfico mas é propositado :)
    Bjinho M D

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Honestamente, a resenha de Os Maias é da autoria do RAPereira e passou na Mixórdia de Temáticas. Achei piada"meter-me" com Eça, com a ajuda do Ricardo e conseguir um Post menos mau. O texto de introdução e as citações são todas dele, Eça. Tive o cuidado de escolher a Traviata, exactamente porque ela é o escritor das mulheres mal comportadas.
      O Título do seu blog, tomei-o por um latinismo adaptado :):):)
      Beijinho de mim para Eu. :):):):)

      Eliminar
  7. Saludos y feliz fin de semana.
    Ale
    Costa Rica

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Hola Ale !!!
      Gracias y Alegre fin de semana también para ti.
      Beijo. D

      Eliminar
  8. É irresistível este resumo d'Os Maias que apenas poderá ser levado com muito humor mas que infelizmente para a nova geração temo que será levado com seriedade...

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Nem mais, Margarida. No FB já tinha mais de 5000 likes... :)

      Eliminar
  9. Adoro o Eça, e adorei o fantástico resumo de Os Maias....:-))) Já que de senhora Ironia também se trata.
    xx

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Diverti-me como tudo a ler o texto e pensei logo em divulgá- lo num post. Aposto que o Eça, com o seu humor tão peculiar também acharia graça.
      E acredito piamente, como diz a Margarida, que muito estudante lhe chamará um figo :):):):):)
      Beijo, querida Laura.

      Eliminar

É aqui que me mandas dar uma curva