terça-feira, 4 de março de 2014

Let's go fly a kite

"Os antigos tinham razão em pintar anjos nos tectos dos quartos. Parte da vida passa-se a olhar para eles."- Miguel Torga



"Early each day to the steps of St. Paul's, the little old bird woman comes...
 In her own special way to the people she calls, come buy my bags full of crumbs.
 Come feed the little birds, show them you care, and you'll be glad if you do.
 Their young ones are hungry, their nests are so bare; all it takes is tuppence from you.
 Feed the birds, tuppence a bag. Tuppence, tuppence, tuppence a bag...
 Feed the birds, that's what she cries, while overhead her birds fill the skies.
All around the cathedral the saints and apostles look down as she sells her wares.
 Although you can't see it, you know they are smiling each time someone shows that he cares.
Though her words are simple and few, listen, listen, she's calling to you.
 Feed the birds, tuppence a bag. Tuppence, tuppence, tuppence a bag.
 Though her words are simple and few, listen, listen she's calling to you.
Feed the birds, tuppence a bag. Tuppence, tuppence, tuppence a bag. "



 P.L. Travers







Aquela mão enorme, quente, carinhosa e gentil prende a minha, minúscula e vibrante de excitação, enquanto a voz  me fala, serena, e me sossega, me acalma o juízo alvoroçado , a ansiedade, a expectativa, a ilusão do deslumbramento.
Vou ao cinema ! Vou sonhar o sonho de quem contou uma história e saborear ávida a doçura da arte de quem  a gravou em celuloide.
Vou com o Pai! Tão novo, tão bonito... sorridente, com a poupa escura reluzente de brilhantina,  tão excitado e expectante quanto os meus quase 8 anos.
Vou ao Paris ! Vai ser fantástico ver a Mary Poppins! O Pai diz que mistura actores de carne e osso com desenhos animados e que eu tenho que estar muito quietinha e com muita atenção para perceber tudo. O senhor da lanterninha leva-nos aos nossos lugares e o Pai põe-lhe uma moeda na mão e agradece. Está escuro, mas ouvem-se os risos e as vozes excitadas de outras crianças que, como eu, não conseguem conter o frenesi do corpo que o espírito não conseguiu sossegar.
Assim que as cortinas abriram e a primeira imagem se materializou como que por encanto no ecrã prateado, deixei este mundo. Foram duas horas e meia de magia pelos telhados de Londres, pelas ruas pelos parques, foi  puro encantamento no trilho da ilusão criada pela fantástica fábrica de sonhos que nos deixa viver tantas outras vidas para além daquela que nos deram para viver.
Ontem vi os Oscars. Mais do que ver alta costura e gente bonita, mais do que ver as mesmas caras , as mesmas poses, a mesma mímica , ouvi.
 Ouvi a música que em plano de fundo brincou com a minha memória e me levou direitinha para aquela cadeira do Cinema Paris, onde me perdi na fantasia, sentada ao lado da pessoa mais importante da minha vida que sorria para mim do alto do seu metro e setenta, e que continua a sorrir lá do cimo, na atmosfera, lá, onde o ar é puro e onde voam os papagaios de papel daqueles dias felizes que deram asas à minha  infância.

                                 

14 comentários:

  1. Querida M D, obrigada pela recordação deste filme que também em mim teceu sonhos em mundos encantados. Não o vi com o meu pai. Mas hoje também tenho muitas saudades dele.
    Um beijinho e bom Carnaval.
    Susana

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Bom Carnaval, Susana, Beijinho :')

      Eliminar
  2. É um dos meus filmes favoritos de sempre. Fui vê-lo com a minha madrinha, mas já tinha uns 10 ou 11 anos. Adorei ler.
    Go fly a kite!

    ResponderEliminar
  3. tenho uma memória difusa, mas acho que o vi no condes ou no tivoli. e penso que só o vi uma vez, ao contrário do inevitável&fatídico "música no coração" que, ano sim ano não (ou seria ano sim ano sim?) era reposto e que mães&tias julgavam de visão obrigatória para filhos&sobrinhos. (e lembro-me, já mais velho, de pensar que naquelas idas ao cinema, tipo primandade do anel, as crianças da nossa família sofriam mais que as von trapp. um martírio... ;) )

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. É bem possível! A Música no Coração por cá também era motivo de romaria anual, e indissossiável do Tivoli :). Mas ir com o Pai ao cinema era sempre um acontecimento....

      Eliminar
    2. PS.: A Música no Coração foi o primeiro filme para "grandes" que eu vi :)
      É que beijos românticos eram censurados e só podíamos assistir a filmes para "grandes" em companhia do pai ou da mãe :D:D:D:D

      Eliminar
  4. A cerimónia dos Oscars teve então o condão de te transportar de volta a dois belos filmes da tua vida; Mary Poppins e a ida ao cinema com o teu pai. Muito ternurento....:-)
    xx

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Verdade, Laurinha. Pena qu possa matar saudades de um só...:')
      Beijinho

      Eliminar
    2. PS.: Sabes que no dia a seguir fui ver o "Saving Mr. Banks", para matar saudades.
      Descobri que afinal aquele livro da P.L. Travers tinha tudo a ver com a sua infância e com a lembrança mágica/trágica que ela tinha de quando era criança :):):)

      Eliminar
  5. Não sou do tempo da Mary Poppins... mas não sei porquê, fiquei com um nó na garganta.

    "fábrica de sonhos que nos deixa viver tantas outras vidas para além daquela que nos deram para viver."... é incrível... a sétima arte tem o poder de nos transportar para outras realidades :)

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Cada vez que vimos um filme que nos empolga, vivemos aquela vida, aquela aventura, aquela paixão, aquele horror... o medo com que eu fiquei de nadar no mar depois de ver o Tubarão ! ! A sério... :):):)
      Beijo. D

      Eliminar
  6. Wonderful and fascinating post. I love Mary Poppins!

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Hi Linda ! You know, my father was mad about movies and I think I inherited that from him, from the very beginning, inside my mother's womb. :)
      I saw all Disney movies, still don´t miss a new one. Sure I have my favorits. ;):):):)
      And don't remember how many times I saw Mary Poppins or red the book, but I still can fly with it.
      A kiss and thankx. D

      Eliminar

É aqui que me mandas dar uma curva