sábado, 8 de fevereiro de 2014

O Perfume

"Podes cortar todas as flores mas não podes impedir a Primavera de aparecer." - Pablo Neruda





Se às Vezes Digo que as Flores Sorriem

Se às vezes digo que as flores sorriem 
E se eu disser que os rios cantam, 
Não é porque eu julgue que há sorrisos nas flores 

Alberto Caeiro






Há quanto tempo não me cheira a Primavera ? 
A Primavera tem um cheiro que é só seu, único e doce, cálido e suave como a infância.
Lembro-me já vagamente da fragrância da estação que trazia a alegria de dias maiores, dum sol envergonhado que saltitava de trás das nuvens da manhã para nos oferecer uma tarde prazerosa no jardim.
A Primavera cheirava a verde. Principalmente a verde , mas em despontando as flores, tinha cheiro de arco íris e mel. As abelhas atarefavam-se, os passarinhos chilreavam uma cacofonia sinfónica de notas dispersas e o ar enchia-se duma poeira minúscula que ondulava ao sabor da brisa suave do fim de tarde  que tinha o cheiro da Primavera.
Íamos todas de mãos dadas, todas de igual,  a rir e a cantar, na outra mão o cestinho com a merenda e o ponto de cruz.
O jardim tinha fontes, lagos, árvores frondosas, grandes caramachões e pavões que pupilavam à nossa volta abrindo os seus leques majestosamente coloridos. 
Saltávamos à corda ao som da lengalenga da moda, cantávamos, merendávamos e sentávamo-nos a bordar, entoando alegremente o Domblai, sem ninguém perder a entrada, sentadas numa sombra que cheirava a seiva e a terra e sabia tão bem.
Lembro-me tão bem da minha recordação da Primavera, mas o perfume, volátil como o tempo, esse dissipou-se da minha memória.







                                 

24 comentários:

  1. Bom dia m D Roque,,Vim desejar um sábado cheio de luz e paz a você.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Olá Lady, muito obrigada ! Você é um doce de menina !!
      Tudo de bom e BFS para si também .
      Paz e um grande beijo !

      Eliminar
  2. Gostei da conjugação de tempos, vozes e natureza. Quase desdobro uma toalha nos jardins e nela me deito para sorver com o olhar a maravilha desse diálogo. Os ouvidos já estão atentos, faz tempo.
    Abraços,

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Viva José Carlos. Adorei o seu comentário.
      Obrigada pela presença.
      Bom fim de semana e um abraço. D

      Eliminar
  3. Feliz sábado!!

    Que imagem belissima, postagem maravilhosa para o dia de hoje.

    Bj
    Nicinha

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Alô Nicinha, querida, obrigada ! :):):)
      Um beijo e bom fim de semana.

      Eliminar
  4. Uma língua da sogra e água do bebedouro de pedra... saudade. :):):)

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Uma fatia de pão de ló da Avó , água do repuxo, dar as migalhas aos passarinhos, tantos, todos a debicar... muita saudade :):):)

      Eliminar
  5. Ponto de Cruz ! Prendada !

    :):):):):):)

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. E ponto pé de flor e ponto caseado e crochet e tricot e costura... Muito prendada esta Tia.... :)

      Eliminar
  6. Também já postei esse poema de A. Caeiro num post sobre as minhas flores...:-)
    "Por morrer uma andorinha não acaba a Primavera", mas talvez na infância a Primavera tenha tido esses aromas que nunca mais voltaremos a encontrar pela vida fora, embora ela volte todos os anos.
    Mas ficaram essas maravilhosas lembranças, tão bem expressas neste texto.
    Eu também tive a minha fase de ponto cruz e outros bordados, e crochet; o tricot é que me passou um bocado ao lado. Costura, só bainhas e botões...:-)
    xx

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Era uma vez um tempo distante em que o sol era ameno, o vento ,uma brisa fresca, as flores explodiam num delírio de cor , os pássaros nidificavam e chilreavam sem parar e as abelhas saltitavam de flor em flor , largando farrapos de aromático e doce pólen no ar... esse tempo chamava-se Primavera , durava cerca de três meses e tinha o cheiro doce dum sonho. Dum sonho agora distante, porque os dias de verdadeira Primavera, podem contar-se pelos dedos das mãos...
      Eu sempre fui muito dada a actividades manuais e lavores. De quando em vez ainda borro umas coisinhas, mas agora é mais fotografia e culinária, o que se revelou um peso que não está na consciência :):):)
      Beijinho Laurinha, bom fim de semana

      Eliminar
  7. Buenas, ando un poco desconectado estos días pero no me olvido de vosotros.

    Se acerca San Valentín, todo bonito ese día y después, broncas mil.
    Un saludo.

    ResponderEliminar
  8. Gracias EldanY dalmaden ! Un buen San Valentin para vosotros también.
    Saludos. :):):)
    D

    ResponderEliminar
  9. Mas o cheiro da terra molhada pela chuva é um prenúncio do da Primaveira -- quase como se fosse um teste. Chegará o dia, chegará :)

    Boa noite, M D :)

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Tem sido demasiada a chuva e a terra já não cheira a húmida, cheira a saturada, a empapada.
      Acredito que chegará o dia, sim, mas será de curta duração.
      Beijo X, bom fim de semana :):)

      Eliminar
  10. Que fotografia linda, Maria! Eras tu em pequena? Ou eram as tuas filhas?
    Adoro estas imagens "vintage" :), que nos dizem tanto, e tão profundamente.
    Um beijo

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Viva Miuzinha. A foto encontreia-a na internet, mais por falta de tempo do que que de vontade para procurar um original meu. Também me prendeu, por isso a escolhi. :):)
      Um beijo querida e bom fim de semana.

      Eliminar
  11. Sempre um prazer apreciar todo o conjunto da(s) postagem(ens). É como se cada uma fosse uma história com introdução, desenvolvimento - em parágrafos literários - e final (feliz, como nos contos de fadas)...
    Parabéns!
    Bjo M D Roque :)

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Olá querida EU. Ler os seus comentários faz-me bem.
      Obrigada. :):):):):):):)
      Bom (mau) Domingo.

      Eliminar
  12. Que post tão lindo, M D! Tento, todos os anos, captar o primeiro aroma que anuncia a primavera, pelo menos esse. Até agora não me escapou nenhum. :-)
    Um beijinho,
    Susana

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Eu penso na Primavera como um familiar que passava as férias connosco e agora só nos visita de passagem, mas anseio todos os anos pela visita.
      Bom (mau) Domingo Susana. Beijinho

      Eliminar
  13. Olá Maria, tão agradável é ler teu blog. É para ficar por todo o dia e no seguinte também.
    Depois de muitos anos longe de minha terra natal, voltei neste último Dezembro, mas as imagens que eu tinha na memória eu não encontrei, porque eu fui atrás do tempo, e ele não estava mais lá. Beijos
    Joana

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. O tempo é um mandraço... Ajuda-nos a lembrar, ajuda-nos a esquecer, ajuda a suavizar as mágoas em cada ruga que te acrescenta no rosto, mas não se deixa prender, senão pelo fugaz instante duma fotografia. É o único momento em que prendes o tempo na mão e não o deixas fugir.
      Obrigada Joana.
      Um grande beijinho

      Eliminar

É aqui que me mandas dar uma curva