terça-feira, 25 de fevereiro de 2014

Da Idade Média


"Não mudamos com a idade na estrutura do que somos. Apenas, como na música, somo-lo noutro tom." Vergílio Ferreira


Toma lá Cinco!

 Encolhes os ombros, mas o tempo passa...
 Ai, afinal, rapaz, o tempo passa!
 Um dente que estava são e agora não,
 Um cabelo que ainda ontem preto era,
 Dentro do peito um outro, sempre mais velho coração.
 E na cara uma ruga que não espera, que não espera...
 No andar de cima, uma nova criança
 Vai bater no teu crânio os pequeninos pés.
 Mas deixa lá, rapaz, tem esperança:
 Este ano talvez venhas a ser o que não és...
 Talvez sejas de enredos fácil presa,
 Eterno marido, amante de um só dia...
 Com clorofila ficam os teus dentes que é uma beleza!
 Mas não rias, rapaz, que o ano só agora principia...
 Talvez lances de amor um foguetão sincero
 Para algum coração a milhões de anos-dor
 Ou desesperado te resolvas por um mero
 Tiro na boca, mas de alcance maior...
 Grande asneira, rapaz, grande asneira seria
 Errar a vida e não errar a pontaria...
 Talvez te deixes por uma vez de fitas,
 De versos de mau hálito e mau sestro,
 E acalmes nas feias o ardor pelas bonitas
 (Como mulheres são mais fiéis, de resto...)


Alexandre O'Neill







E se, de repente, um tipo que conheces há trinta e tal anos, inteligente, teimoso como uma mula, pacato, casado e pai de filhos, lhe der na cabeça de andar a armar aos cucos com as piquenas no serviço ? Isto é Impulse ou crise de meia idade ?
Passe a publicidade ao Impulse  (e ao comercial do meu tempo), mas dou por mim a ouvir dissertações filosóficas de como se pode falar das coisas da vida - abelhinhas, florzinhas , sei lá - com as piquenas mais novas, algumas delas universitárias e com alguma bagagem cultural, com todo o respeito e consideração pelas suas pessoas e individualidades,  e sem sequer beliscar o sagrado laço do matrimónio.... É que parece que dá à vida um sabor a novidade, a expectativa... faz a adrenalina pular que nem um cavalo selvagem, em suma, injecta um shot de juventude que flui rápida e  ardentemente até aos vasos capilares.
Eu que ando sempre a 1000 à hora e ainda as coisas vêm no ar, já eu as estou a agarrar, apanhei um ténue cheiro a esturro, que desejo ardentemente  que fique pelo que presentemente é , ou seja pouco mais do que nada. O mau é que pouco mais do que nada  é sempre alguma coisa, até pode ser só uma nano-coisa... Só o tempo, esse  tirano, esse carcereiro, esse malandro que nos acompanha vida fora e ajuda a tirar as ilações necessárias ao nosso progresso pelo caminho do porvir, só ele poderá mais tarde contar o desenlace final da novela rocambolesca que tece a sua teia pacientemente, fio a fio.

Não é propriamente um filme novo, é mais um remake, reescrito com estrutura melhorada e novos protagonistas que brilham como revelações em papeis feitos à medida. Pode até ser que a crítica lhes seja favorável...
Não estou a armar em Santinha do Pau Oco, ou chamar o sexo por um nome mirabolante, corar e fazer dele  tabu. Longe de mim, que sou a mais perversa brejeira que conheço e que falo tudo o que é português vernáculo com a mesma desenvoltura, pontuação , respirações e postura com que recito os clássicos.
Ainda hoje lhes falei n "O Perfume" do Patrick Suskind, e disse ao meu amigo, que desejo sinceramente que esta coisa não lhe traga fim idêntico ao do Jean-Baptiste Grenouille. 
Ah, a Primavera e as loucuras que põe na cabeça dos homens bons e  de boa vontade !


                         

23 comentários:

  1. Amei a frase de abertura desta maravilhosa postagem!!!
    Abraço fraterno

    Nicinha

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Olá Nicinha. Os anos que passam mudam tantas vezes os acordes às nossas melodias, verdade?
      Obrigada e um grande beijinho. D

      Eliminar
  2. Ah, O Perfume. Belo livro (o filme não lhe fazia justiça). O problema... são as feromonas. Sebastião da Gama dizia que pelo sonho é que vamos: discordo, pelo cheiro é que vamos. Pelo cheiro, não há dúvida.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. É sem dúvida o mais poderoso dos 5 sentidos, é o que nos coloca mais violentamente na realidade... Mas eu, X , eu não descarto o sonho.
      Beijo.

      Eliminar
  3. Algum galã do Liceu ?

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Do Liceu? Oh piquena, o título do post é Da Idade Média, ou Da Idade da Pedra ?
      Beijinho :):):)

      Eliminar
  4. Diz-me só se é quem eu estou a pensar, e eu sei que tu sabes que eu sei !

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Nop. Não é quem tu pensas que eu sei que tu sabes. Deixa-te disso... andas a ver muitos filmes, maus filmes, ainda por cima.
      :):)

      Eliminar
  5. Não sei se é o "Impulse" a suscitar um impulso, se é verdadeira crise de meia-idade reflectida num desesperado "retorno" à juventude através de mais jovem mulher.
    xx

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Creio que é uma espécie de experiência de Frankenstein. Pegou em N pedaços de memórias, alinhavou-os à meia idade e recriou-se naquilo a que os ingleses chamam philanderer... Pode ser enriquecedor, engraçado, até positivo para ele, e no harm, no foul... Ou então não, se o monstro lhe fugir ao controle....
      Beijo, Laurinha

      Eliminar
  6. A idade pode fazer de nós tolos (se a deixarmos)…o desepero de agarrar uma última réstea de quem o espelho disse que fomos um dia.
    Não é facil, ninguém disse que seria, há que fazê-lo com graça

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Verdade verdadeira, Sexinho, minha querida.... mas creio que temos dosear a graça, porque demasiada, elevada por exemplo, à potência 10, torna-se uma dez-graça, e isso jámé. :):):):)
      Beijão, linda

      Eliminar
  7. Estas 'crises' de meia idade acontecem pela vida toda, tanto quanto me apercebo.

    As infedilidades são regra e os casamentos contratos de dificil cumprimento.

    A carne é fraca e os julgamentos devemos deixá-los para o divino.

    Lá dizia o outro: atire a 1ª pedra...

    um beijinho e descontrai.

    A vida é curta e as modas também.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Open minded, práfrentex, sei lá que mais, eu sou isso tudo, para além de bem humorada, descontraída, und so weiter... as liberdades conjugais são giras desde que ninguém sofra com isso... É por aí, piquena, não há outra maneira de ver as coisas.
      Beijinho.

      Eliminar
  8. nice blog... I am happy to be here... greetings from Greece

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. γεια σου Ελλάδα! Σας ευχαριστώ. φιλί. D

      Eliminar
  9. Ottimo il testo e, sapessi, quante volte ho ballato da giovane con la canzone che hai postato. Un cordialissimo saluto.

    ResponderEliminar
    Respostas

    1. Elio ciao, grazie. Penso che le citazioni, poesie, testo e musica sono legate in qualche modo. Sono contento che ti piace. abbraccio.

      Eliminar
  10. Querido amigo/a comentador/a : eu verifiquei que tinha outro comentário a este post e quando me preparava para responder , o iPad apagou-se e o comentário desapareceu, facto para o qual peço as minhas mais sinceras desculpas. Abraço. D

    ResponderEliminar
  11. The birds and the bees :-b. (mais velho mas continuo a achar as mulheres mais velhas mais interessantes) Bom dia M D Roque :-)

    R.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. És como eu, que nunca liguei a meninos com cara de anjo, sempre achei mais sexy um "velho" com as cãs sal e pimenta e barba de 3 dias... Mas isso foi no tempo do Big Bang. Eheheh
      Um bom dia para ti também, querido R. :)

      Eliminar
  12. Obrigado!
    Não conhecia este teu magnifico blogue, mas ainda bem que acabo de o descobrir. Gosto muito!
    Beijinho

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Viva Jorge, agradeço a simpatia. Fica à vontade.
      Beijinho. D

      Eliminar

É aqui que me mandas dar uma curva