sábado, 4 de janeiro de 2014

The Winter of Our Discontent

"I've seen things you people wouldn't believe. Attack ships on fire off the shoulder of Orion. I watched C-beams glitter in the dark near the Tannhauser gate. All those moments will be lost in time... like tears in rain... Time to die" - (Roy Batty)   Blade Runner




Chove. Há silêncio, porque a mesma chuva 
Não faz ruído senão com sossego. 
Chove. O céu dorme. Quando a alma é viúva 
Do que não sabe, o sentimento é cego. 
Chove. Meu ser (quem sou) renego... 

Tão calma é a chuva que se solta no ar 
(Nem parece de nuvens) que parece 
Que não é chuva, mas um sussurrar 
Que de si mesmo, ao sussurrar, se esquece. 
Chove. Nada apetece... 

Não paira vento, não há céu que eu sinta. 
Chove longínqua e indistintamente, 
Como uma coisa certa que nos minta, 
Como um grande desejo que nos mente. 
Chove. Nada em mim sente... 

( Fernando Pessoa)




Corre MD corre, que o vento vem molhado e fustiga tudo o que se lhe atravessa à frente.

Olha, está um gatinho debaixo dum carro a miar... e tu com isso ? Vá, anda, corre!
Olha, aquela planta das hortenses roxas está quase a ser arrancada pelo vendaval... e tu com isso ? Vá, anda corre !
Olha, a estrada parece um rio com o caudal a engrossar lá em baixo onde os colectores estarão seguramente entupidos, vai causar inundação...e tu com isso ? Vá, anda corre!
Olha tanta gente sem rosto, molhada, encolhida, parecem sacos vazios... e tu com isso? Vá, anda corre ! 






Estás tão obtusa que não entendes que não podes parar? A  Tua Guerra está à tua espera . A sobrevivência é uma luta diária e é cada um por si. Sempre foi assim. As roupagens mudaram, as cavernas passaram a ter andares com portas e janelas, mas no fundo a essência do animal selvagem ainda reside dentro de cada um de nós, dentro de ti. A comiseração é uma fraqueza fugaz, MD, Vá anda, corre, não percas tempo, nem tenhas a veleidade de pensar que és boa, porque no fundo não és melhor do que ninguém.



                                

20 comentários:

  1. Que linda reflexão.
    Gostei também de todo o teu espaço.

    Um grande abraço.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Viva Lola, bem vinda. Obrigada pela visita. Espero que goste sempre de passar cá alguns instantes.
      Feliz 2014. Em Beiinho. D

      Eliminar
  2. Muy bonito, amor por la música, gracias por compartir
    en amor y luz
    Cyn

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Olá Cindy. É uma música que nos traz a melancolia dos dias de tormenta, mas bonita e suave. Obrigada pela visita ! Beijinho. D

      Eliminar
  3. O Blade Runner é um dos meus filmes de sempre.Gostei do teu texto. Bom ano novo

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Eu tenho uma cinemateca de preferências em que o Blade Runner está bem posicionado, mas não tenho UM filme favorito. Toda a gente devia ter um filme favorito. O resto é influência das energias negativas que me rodeiam e da chuva :):).
      Bom 2014, Zé, um beijinho, D

      Eliminar
  4. Uma reflexão que muitas vezes me ocorre. Será de facto o instinto pela sobrevivência, o adormecimento dos sentimentos, o resultado da selva em que vivemos? Talvez, mas em contrapartida e para contrariar, nunca vi em anos anteriores, por esta altura, tanta gente envolvida em solidariedade. Este ano e apesar da situação difícil em que os portugueses se encontram, geraram-se várias correntes solidárias pelo país fora. Estaremos nós a modificar-nos?

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Eu acho que o " Hoje tu, amanhã eu" é uma máxima poderosa e não há sinais de melhorias, antes pelo contrário. Não sei se estamos a mudar ou a aprender a sobreviver em grupo. Como diria a minha avó, Deus dará...

      Eliminar
  5. Muito bom! Desde a citação de Blade Runner, passando pelo poema de F. Pessoa, o teu texto tão reflexivo e a música "Rain and Tears" para nos dar uma grande imagem acerca do Inverno do nosso Descontentamento. Tantas vezes chove lá fora, e chove ao mesmo tempo dentro de nós. O estado do tempo não ajuda, a economia não ajuda. Mas precisamos continuar a correr...
    Janeiro é o tipo de mês que me faz desejar hibernar!...:-)
    xx

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. É isso mesmo. Estou pó. Sei que ao pó tornarei, mas não pensei que o fosse sentir tanto.
      Talvez o sol amanhã brilhe dentro de mim outra vez.
      Beijinho Laura. D

      Eliminar
  6. Olá... Belo e reflexivo o seu texto!
    Desejo a vc um Feliz 2014!
    Grata por sua presença em meu blog.
    Lindo seu espaço, parabéns!
    Abraços.

    ResponderEliminar
  7. Olá Ilca, seja muito bem vinda. o Futuro não se afigura agradável de vislumbrar e todo o gregarismo que nos tornou civilizados durante séculos está a ser pulverizado pelos poderes reinantes. Resta-nos ter força, segurar e enfrentar. Durante quanto tempo, não sei.
    Obrigada e um beijo da D

    ResponderEliminar
  8. no meio de tanta correria, sabe bem parar e ler pessoa. parece que o mundo fica parado enquanto se lê o poema e depois lá volta ao frenesim.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. O poema liga a ficção á realidade, pausa o ritmo e ajuda a explicar o texto "chove, nada em mim sente"
      Boa noite E.M. E obrigada pelo comentário.
      Um excelente 2014, e espero que volte para ler Pessoa. Eu gosto de misturar citações, poesias textos e música, de maneira que tenham coerência entre eles, e conto sempre que me corrijam quando estou errada. :):):):)
      Xi<3 D

      Eliminar
  9. E é um pouco isto o que tem sido a minha vida ultimamente... uma fuga desenfreada para a frente. Sem pensar muito para não enlouquecer e sem desbaratar bons momentos.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. É bom pensar em tomar pequenos sorvos de ritmo frenético, tal como se faz para ficarmos imunes a um veneno. Boa noite N M . Obrigada. :)

      Eliminar
  10. Belo texto...será que é cada um por si, ou nesses momentos a empatia ou compaixão prevalecem?
    Abraços.Sandra

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. A empatia e a compaixão estão gastas pelo bombardeamento sistemático a que os média nos sujeitam sobre todas as desgraças e calamidades do mudo, que nos entra massiva e diariamente casa adentro, destruindo a pouco e pouco a sensibilidade que nos resta. Seremos o I am legend do futuro, uma raça de zombeis cinzentos e mecânicos tentado sobreviver ? Boa noite Sandrs. Beijinho :)

      Eliminar
  11. Buena entrada. La poesía y el arte de usar las palabras de forma literaria para expresar un sentimiento, lugar, acción o recuerdo es todo un talento.
    Saludos.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Gracias LIVC . Saludos a ti también.
      Xi-<3. D

      Eliminar

É aqui que me mandas dar uma curva