sexta-feira, 17 de janeiro de 2014

Da Pedra....

"Um monte de pedras deixa de ser um monte de pedras no momento em que um único homem o contempla, nascendo dentro dele a imagem de uma catedral." - Antoine de Saint-Exupéry





Falo de Ti às Pedras das Estradas

Falo de ti às pedras das estradas, 
E ao sol que e louro como o teu olhar, 
Falo ao rio, que desdobra a faiscar, 
Vestidos de princesas e de fadas; 

Falo às gaivotas de asas desdobradas, 
Lembrando lenços brancos a acenar, 
E aos mastros que apunhalam o luar 
Na solidão das noites consteladas; 

Digo os anseios, os sonhos, os desejos 
Donde a tua alma, tonta de vitória, 
Levanta ao céu a torre dos meus beijos! 

E os meus gritos de amor, cruzando o espaço, 
Sobre os brocados fúlgidos da glória, 
São astros que me tombam do regaço! 

Florbela Espanca






Provavelmente já tinha tomado alguns. Não sou de beber mas pélo-me por um bom Gin& Tonic e quando tomei por resolução um post no blog por dia, estava seguramente alienada, demente, insana, ou simplesmente um nadinha alterada.
A inspiração não é algo que se tenha na mala ou na carteira ou haja lá por casa  sempre uma nova,  bem arrumada e ainda por estrear com as etiquetas da marca numa gaveta do camiseiro. 
Ou se tem ou não se tem, tão simples como isto.
É como o cabelo, por exemplo. Se o tenho, posso cortá-lo, pintá-lo, enfeitá-lo, ondulá-lo... a infinitude de tratos que posso dar ao cabelo é imensa. Se não o tenho , sou careca, tento disfarçar com perucas, capachinhos, chapéus, mas como dizia o actor, desses, há muitos, os palermas,os falsos inspirados.
Saí da Guerra e olhei perplexa os montes de granizo já negro que se amontoam nas bermas das estradas e pensei para comigo, que o mundo me passa ao lado e eu só reparo que faz um barulho ensurdecedor.
Fui pelo caminho a contar as pedrinhas e a adivinhar em qual cairia cada pingo da chuva que se abatia de mansinho. Podia ser inspirador, quem sabe. Li não sei onde que o  Björn Ulvaeus escreveu o "Take a Chance on Me" quando chegou a casa depois de caminhar pela chuva e atentar na melodia que os seus passos tocavam nas pedras molhadas da calçada.
Quem sabe o mesmo não aconteceu a Beethoven quando cozinhava, ou a Bach quando polia com suavidade e perícia o seu orgão preferido , ou até mesmo a Wagner enquanto passava o espanador nos livros da biblioteca do tio Adolf.
Não, decididamente hoje não desceu em mim qualquer bafejo de Erato, Melpômene, Polínia  ou Talia, portanto e sem mais delongas, vou fazer uma lasanha, uma deliciosa e fantástica lasanha e ai de quem se atravesse no meu caminho e me difame a arte !






                                                

12 comentários:

  1. Amazing, beautiful and interesting.
    Have a nice weekend.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Thank you lovely Pantherka . A wonderful weekend to you too.
      Xi-<3

      Eliminar
  2. Um pedaçito para estes lados...

    Bom fim de semana, M D Roque. Beijocas :-)

    R.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Olá R! Piqueno, vi na TV e fiquei estupefacta. Eu na Guerra só ouvi barulho e o que vi depois era irrisório em relação aquilo que foi. E aqui , mesmo á porta de casa ! As fotos que eu perdi, meu piqueno :(:(
      Um bom fim de semana e um beijinho.

      Eliminar
  3. Interessante a reflexão que fizeste sobre a inspiração ou falta dela, sobre as hipóteses de como o acto criativo pode surgir; até das pedras, como se viu, assinando um bom texto.
    Ou seja, até sabes dizer que não estás inspirada de forma absolutamente genial.
    Há pessoas que não sabem escrever mal, mas escrever bem todos os dias também já aborrece, vê lá se escreves qualquer coisa para eu botar defeito...:-)
    Florbela, Elis...enfim, boa noite!
    xx

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Oh Laurinha, minha querida. A deixares-me para aqui a salivar de prazer, elevas a fasquia da resolução. :):)... Bem vistas as coisas, tenho algum bom trigo num mar de joio. Obrigada pela força. Um bom fim de semana e um beijo grande grande da D.

      Eliminar
  4. Bach, quando foi contratado em Leipzig, tinha lá no contrato que tinha que produzir uma cantatazita por semana, caíssem cântaros cheios de chuva, ou pardais assados com o calor. :)
    E o facto, é que se fizeram (a pobre senhora Bach, quando ele morreu, perdeu uma porção delas, mas isso é outro assunto). Da imposição advém a inspiração, já dizia o ditado acabado de criar :)

    Boa noite, M D :)

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Ora aí está ! "O Cravo bem temperado (BWV 846-893)" deve ter- lhe surgido espontaneamente na subtileza de um aroma delicioso, num cozinhado da Senhora Bach :):):)
      Mas esse tipo de genialidades , o comum dos mortais nunca alcançará.
      Uma excelente noite, querido Xilre, e bom fim de Semana.

      Eliminar
  5. Mas tu és guarda prisional ? Ou trabalhas no metro ou assim, porque é impossível não ter visto o granizo quando caiu ! Para além disso gostei do texto e do resto. BFS.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Há um dito antigo acerca dos carteiros, nas intempéries, no sol escaldante... eu sou um bocado assim e depois, trabalho é trabalho, não é cognac ( que até nem aprecio).
      Desde As Mónicas, beijinho, D
      Bom fim de semana

      Eliminar
  6. Assim é que se te descobre a careca :):):) . Bom fim de semana !

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Obrigada, obrigada... burrita, mas orgulhosa :):) Bom fim de semana

      Eliminar

É aqui que me mandas dar uma curva