sábado, 18 de janeiro de 2014

Complexo de Gulliver

"Quanto mais nos elevamos, menores parecemos aos olhos daqueles que não sabem voar." Friedrich Nietzsche 




Imagem Fabricada

Na competição em termos de prestígio apenas parece sensato tentarmos aperfeiçoar a nossa imagem em vez de nós próprios. Isso parece ser a forma mais económica e directa para produzirmos o resultado desejado. Acostumados a viver num mundo de pseudo-eventos, celebridades, formas dissolventes, e em imagens-sombra, nós confundimos as nossas sombras com nós próprios. A nós elas parecem mais reais que a realidade. Porque é que elas não deveriam parecer assim aos outros?

Daniel J. Boorsti







"Alto está alto mora todos o vêem ninguém o adora", dizia-me a avó para eu adivinhar que aquele gesto abaulado de mãos significava sino, naquele jogo de adivinhas com rima e senso a que tanto adorávamos brincar. Para mim esta era uma adivinha triste, porque morria de pena do sino, que todos viam e ninguém adorava, apesar de ele tocar para chamar os fiéis à celebração da Eucaristia Dominical, apesar de ele tocar quando alguém partia para a última morada,  apesar de ele tocar quando se anunciava uma efeméride, apesar de  dobrar a finados.
E depois a Avó recitava :

O sino dobra a finados.
Faz tanta pena a dobrar!
Não é pelos teus pecados
Que estão vivos a saltar.

E eu condoía-me do imponente sino solitário a quem todos viam, ouviam e seguiam os  tinidos enquanto tocava,  mas quase imediatamente o som que nos emocionara, que nos avisara, que nos entristecera ou jubilara,  caía rapidamente no esquecimento e praticamente ninguém o apercebia lá no alto, até lhe voltar a ouvir a voz grave e metálica.
O mal de crescer é perder a inocência, a candura de acreditar, de aceitar a simplicidade duma palavra, a ternura dum gesto. O mal de crescer é entender, é cada um ter os seus pareceres e fazer os seus juízos.
Eu cresci e continuo a olhar o sino, agora à luz da experiência de vida que a minha condição de pessoa antiga me conferiu. Já não o olho com os olhos puros da minha infância, nem me condoi vê-lo só lá no alto donde nunca saiu. Provavelmente acha-se importante demais para descer do seu pináculo.
Também aconteceu assim  com Gulliver em Lilliput e ilustra na perfeição a ilusão da realidade inversa :

 
                   Vozes de burro chegam aos céus



                                    

14 comentários:

  1. Não estará a MD Roque a focar este post num blogger em particular ?

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Caro Anónimo, quando apontar o dedo por seja qual for a razão a um blogger em particular, vou ao blog dele/a e digo o que penso. Não escrevo um texto desinspirado e sem apelido. Terei sempre o cuidado de nunca me esconder atrás do anonimato como faz o Anónimo que me comenta.
      Se este post foi dirigido a alguém que sabe ler e escrever bem, o que duvido, e se esse alguém o leu, jamais se reconheceria na moral da história: a sua presunção não o permitiria.
      Volte sempre, caro Anónimo, porque apesar pusilânime , escreveu o que pensava. Bom fim de semana , e ... grow a pair...

      Eliminar
  2. Independentemente dos endereços (todos escrevemos para alguém, não é?; umas vezes para a confraria, outras para alguém em particular) -- independentemente disso, deixe-me ser repetitivo, elogiando-lhe o post (a epígrafe, a citação, a imagem, a música e, principalmente, o texto) e dizer-lhe que o seu blogue é uma das melhores descobertas que fiz recentemente na blogosfera, sempre elegante e de altíssimo nível -- o que prova que, neste particular, a M D Roque não tem razão, pois quanto mais alto permanece, mais visível se torna, e ainda bem :)

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Sob um ponto de vista de visibilidade, concordo consigo. Sob o ponto de vista da superioridade, concordo comigo :)
      Agradeço-lhes os comentários e o bom gosto :):):):):)
      Bom fim de semana, Ricardo

      Eliminar
  3. Mas, oh, o que importa o tamanho, afinal? Tenho um trevo guardado, um trevo muito pequenino - ninguém reparava nele naquele jardim - tive a sorte de o encontrar, com quatro corações, quatro almas num só
    Um beijinho ♡

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Olá Bárbara, na verdade "tamanho não é documento" :):) e um trevo de quatro folhas é uma preciosidade de tão pequenino e perdido que estava.
      Um grande beijo e Bom fim de semana

      Eliminar
  4. Compreendo o que queres dizer. São escolhas que se fazem; escolher ser altivo e importante mais cedo ou mais tarde terá consequências porque quanto mais alto é o poiso, se vier de escorrega, chega cá abaixo em três tempo.
    BFS . Lu

    ResponderEliminar
  5. Anónima Ana Mariajaneiro 18, 2014

    Ser solista e ditador duma orquestra individual, evidenciar-se, falar mais alto.. É bem certo que vozes de burro chegam do Céu.
    Beijos

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Cara Anónima Ana Maria protagonismo is the key, mas concordo com o Rafael quando diz que ter visibilidade é bom e positivo.
      BFS.

      Eliminar
  6. Quanto maior é o salto maior é a queda!

    Beijinhos.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Mona Lisa, minha querida, em havendo queda, que pelo menos o trambolhão seja em grande estilo !
      Bom fim de Semana. :):)

      Eliminar
  7. Quer-me parecer que nem todos os olhares de criança são assim tão límpidos.

    Há pessoas para tudo, costumo dizer.

    beijinhos

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. As crianças de hoje já quase nascem com dentes e telemóvel na mão. Na minha pré- história, concedo que éramos um tanto ou quanto crédulos, um bocado tansos e muito infantis. Uma criança de 10 anos agora sabe quase tanto como nós.... :):)
      Que há gente para tudo, nunca duvides, querida. Pérola.
      BFS. Beijinho

      Eliminar

É aqui que me mandas dar uma curva