segunda-feira, 30 de dezembro de 2013

Mistérios da Criação



"E criou Deus o homem à sua imagem; à imagem de Deus o criou; homem e mulher os criou.

E Deus os abençoou, e Deus lhes disse: Frutificai e multiplicai-vos, e enchei a terra, e sujeitai-a; e dominai sobre os peixes do mar e sobre as aves dos céus, e sobre todo o animal que se move sobre a terra."

Gênesis 1:27-28


Pelo estudo fundamentado dos valores morais que conduzem o comportamento humano em sociedade, diz-nos a ética que a liberdade, igualdade e fraternidade são extrínsecas a todos os homens independentemente da cor, raça ou credo. Já a moral, mais orientada na vertente do cumprimento de regras, tabus e convenções , direcciona a conduta dos indivíduos e determinando no fundo o seu comportamento em sociedade.


Se é aceite que todos os homens nascem iguais aos olhos de Deus, não quer por vezes a fortuna que alguns nasçam iguais aos olhos dos homens. Em alguns recém nascidos o reconhecimento das deficiências é imediato, noutros casos as insuficiências só se revelam com o passar dos anos. O avanço da medicina muito tem contribuído para  a aceitação e integração na sociedade das pessoas que se encontram em desvantagem ; têm novos tratamentos, mais apoios, aprendem ofícios, arranjam empregos , tornam-se parte integrante do meio social.






Este intróito serviu para contar a história do Gonçalo. À primeira vista o Gonçalo é um homem catita, nos seus vinte e muitos, de altura acima da média, bem constituído e desembaraçado. A ilusão acaba quando abre a boca escurecida do negro-de-fumo,  e escancara aquele sorriso  cândido  que lhe ficou da Terra do Nunca.

O Gonçalo é um menino no corpo de um homem feito. E como todos os seres humanos, o Gonçalo tem necessidades, impulsos que não consegue reprimir, dos quais já resultaram duas crianças, cada de sua mãe, e  uma terceira a caminho.

 Passa a vida em bolandas com processos no Tribunal de Família e Menores pelas exigências contínuas das progenitoras quanto aos montantes das pensões de alimentos,  e sonha um dia o ganhar o poder paternal.


"Mas as crianças, Senhor,
porque lhes dais tanta dor?!…
Porque padecem assim?!…”



Qual é a justiça, para as crianças, fruto deste tipo de relações ? Nada sabem do Gênesis nem da multiplicação, não pediram para nascer ! Vão sofrer misérias sem um lar, sem uma família, sem qualquer normalidade na vida.
 Para já, são três, mas pelo visto, o número tende aumentar exponencialmente.
Não precisa o Gonçalo de mais explicações sobre os métodos de prevenção da natalidade, porque é coisa que ouve todos os dias. Diz-se-lhe, ralha-se ... Ouve, baixa os olhos e sorri travesso e brincalhão como se fosse um catraio apanhado a fazer uma grande tropelia....




                                

10 comentários:

  1. Confesso que estas situações me deixam chocada, embora lide diariamente com elas no meu estaminé fora do quiosque. Há-de haver alguma forma de parar o Gonçalo. Ele não tem culpa, mas os filhos também não. E já vamos com 3.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Sabes V., eu acredito que ele não tem a noção da enormidade e das consequências de brincar às escondidas....
      Beijinho. D

      Eliminar
  2. São realmente situações que chocam, em que a culpa não é de ninguém, mas há sempre alguém que sofre as consequências -as crianças.

    Apesar de tantos "choques" que levamos a diário, desejo que o novo ano lhe seja leve e Feliz, M D Roque.
    Um forte abraço.

    Sónia

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Viva Sónia . São casos da vida, que se repetem por esse mundo fora, mas quando toca aqui já ao lado parecem tomar proporções brutalmente chocantes.
      Agradeço e retribuo os votos para 2014, acrescentando muita saúde e paz, porque o resto a gente faz.
      Beijinho da D.

      Eliminar
  3. "A cada dia de nossa vida, aprendemos com nossos erros ou nossas vitórias, o importante é saber que todos os dias vivemos algo novo. Que o novo ano que se inicia, possamos viver intensamente cada momento com muita paz e esperança, pois a vida é uma dádiva e cada instante é uma benção de Deus."

    Um ano novo repleto de paz, alegrias e muitas bençãos, e de novo recomeços!
    Feliz ano novo!
    São os meus sinceros desejos

    Leandro Ruiz

    2013/2014

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. E que tenhamos sempre o discernimento , capacidade de distinguir o bem do mal, mesmo nas mais pequenas coisas pois "Não são os grandes planos que dão certo; são os pequenos detalhes."
      Um excelente 2014, pleno de saúde e paz, porque o resto a gente faz.
      Muito obrigada Leandro, Feliz ano novo.
      (lindíssimo apontamento)
      Xi<3 D

      Eliminar
  4. Bem podes dizer que o rapaz anda a fazer criação ahahahahahahahahah.
    Desculpa mas nestes últimos dias tens escrito posts delirantes.
    Beijos e feliz Ano bom.
    Luisa

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Hummmmm cheira-me que andas a celebrar o ano do cavalo antes do tempo... brincalhona, esta D!!
      Beijinho.

      Eliminar
  5. Recordo-me de um caso que li uma vez num jornal inglês acerca de um jovem com imensos filhos em mulheres diferentes. Muito fácil; fazes filhos, não tens o que lhes dar, o estado subsidia, porque é claro as crianças não pediram para nascer e antes de mais têm de ter um tecto e comida.
    Uma sociedade totalmente irresponsável de alto a baixo, porque na verdade a criança continua a ser o elo mais fraco. Poderá até comer mas viverá sempre uma fome de afectos. São situações que com toda a oferta de planeamento familiar já não se justificam nos dias de hoje.
    "João e Maria" !! Uma delícia.
    xx

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Viva Laura . Infelizmente nem é caso para subsídios, antes fosse. Ele não coabita com nenhuma das mães e vê as filhas quando pode, porque trabalha os fins de semana. Já tinha um problema bicudo, ou melhor, dois, com as mães das filhas, e eis que depois duma campanha intensiva de mentalização sobre situações complicadas em que estava prestes a afogar-se. Zás ! There we go again.... olha, nem sei... beijinho..D

      Eliminar

É aqui que me mandas dar uma curva