sexta-feira, 6 de dezembro de 2013

De Deuses e de Homens

"Fica sabendo que és um deus, se é deus 

aquele que possui força, sentimento e

 memória que prevê e que domina, modera e

 faz mover este corpo ao qual está ligado." -

 Marcos Cícero


Todos crescemos com histórias de deuses, demónios e anjos, de terras de oiro, animais monstruosos e homens capazes de feitos de tão grande heroísmo que os elevaram muito acima do comum dos mortais.

Quem não se lembra do panteão de deuses imortais e semideuses valorosos que decoram as raízes étnicas de todos os credos e culturas ?

Quem nunca ouviu falar no heroísmo da padeira de Aljubarrota, de Rómulo e Remo, do Robin Hood, do Paul Bunyan ou do Hans Brinker ?

São lendas e mitos que fazem parte da história, porque afinal a História trata de compilar, avaliar e verificar todo o tipo de informação transcorrida desde que o conhecimento existe. Existe História em tudo e tudo e todos fazemos parte da História com maior ou menor grau de relevância.



Há a História que nos contam os antigos, que a ouviram de outros que a sabiam porque alguém douto nestas coisas lha contou; é a tradição oral de quem conta um conto, tão enraizada no folclore dos homens desde que existem em grupos nómadas ou sedentários.

Todas as histórias juntas perfazem a História que estudamos nos livros das escolas, colégios e universidades. A História de alguns, de muitos, de todos e a sua influência no Mundo para ter chegado ao dia de hoje nos moldes em que o conhecemos.

Por fim, há a História viva. São aqueles factos ou pessoas que não passaram à História, só porque fizeram parte dela.  Não há muita gente que tenha sobrevivido à sua História. Pessoas maiores são diferentes e normalmente as diferenças assustam-nos e o resultado é eliminá-las antes que nos eliminem a nós. Aconteceu há cerca de 2000 anos na Galileia.
Ontem perdemos um dos pedaços vivos da História dos homens, um homem que viveu e fez História. Pena que as pessoas caiam no esquecimento com tanta facilidade e só se volte a falar nelas quando morrem.
Madiba morreu. Viva Madiba, que tirou as grilhetas ao Mundo e moldou-o melhor com sangue suor, lágrimas, coragem e muita determinação.

Outra lenda viva das História dos homens é Mikhail Gorbachev, que abriu  ao Mundo as portas da liberdade e à custa da sua humilhação o Mundo respirou de alívio pela primeira vez em várias dezenas de anos.

Aposto que quando morrer, vai voltar a ser notícia de abertura de todos os telejornais e fará as manchetes de tudo o que é papel redigido.




13 comentários:

  1. Nem sempre te acho piada nem concordo com o que escreves, mas dou-te razão nesta.

    ResponderEliminar
  2. Gostei de ler, mas acho que o Mundo não pensa como a MD, caríssima. O Gorbachev é um Russo, um dos maus da fita, que não se compara com o Mandela. É a minha opinião. Bom fim de semana. Luísa

    ResponderEliminar
  3. Querida Luisa, podia vir para aqui com as máximas do Clint Eastwood acerca das opiniões, mas estas coisas dos blogs são como são e eu tenho a minha e pronto. Foram ambos grandes homens no seu tempo, cada um à sua maneira e no seu palco de acção. Escreveram História , fizeram História, gritaram liberdade. Não deixe que a raça tolde o seu discernimento. Amigas e blogg-palls, tipo BFFs . BFS e beijinhos.

    ResponderEliminar
  4. Ufa, custou mas achei o seu blog! Não sei por que, mas ao clicar na imagem do seu perfil para te encontrar e seguir. Simplesmente não acontecia nada... Mas por fim vi o nome do seu blog em sua mensagem de perfil. E aqui estou! Grandes homens sempre provocam discussão de opiniões... De certa maneira isso isso é bom! Faz-nos rever nossos conceitos. Gostei da sua postagem! Beijos

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Acredito que sim. É por isso mesmo que somos tão iguais e ao mesmo tempo tão diferentes. Obrigada May Lu. Um beijinho e bom FDS

      Eliminar
  5. É verdade que há pessoas que só no momento da morte são lembradas e homenageadas. Não é o caso de Mandela.O seu reconhecimento é (e já era) unânime.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Absolutamente certo. Foi inclusive Nobel da Paz, mas assim que se retirou da vida política, deixou de ser notícia. Aconteceu o mesmo com Gorbachev ; este até pode estar a vender hot -dogs em Times Square, que nem por isso faria manchete. Mandela só voltou ter interesse mediático quando o seu estado de saúde se deteriorou e os relatórios clínicos passaram a ser acompanhados e transmitidos nas notícias.
      O valor , esse é inquestionável, porque são feitos da mesma matéria de que se faz a eternidade. Beijinho Luisa. Obrigada e BFS.

      Eliminar
  6. Concordo que Gorbachev e Mandela foram muito importantes e que cada um fez História à sua maneira, no entanto acho que a morte de Gorbachev nunca terá a repercussão que está a ter a morte de Mandela, não por ser russo, mas porque Mandela tem atrás dele muitos anos de prisão, o que nestes casos ajuda a perpetuar o seu nome. Passar quase 30 anos numa cadeia sul-africana não deve ser para todos. "Apenas" por defender a igualdade entre brancos e negros, algo muito mais primordial do que uma mudança de regime (muito importante é certo), como no caso de Gorbachev.
    Uma reflexão muito interessante!
    xx

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Mandela foi um homem maior, sempre o afirmei e defendi. Esteve preso, sofreu, não quebrou, saiui vencedor e acabou com Apartheid, mas não acabou com o preconceito racial. Aceito que se defenda que as questões raciais tenham mais importância do que o desarmamento nuclear, mas não acho as pessoas menos importantes por terem feito o que fizeram a nível global e o desmérito a que no fim foram votadas para conveniência de outros.

      Eliminar
    2. E onde é que estão as minhas boas maneiras ???? Laura, muito obrigada pelo seu testemunho. É das "discussões" que nasce a luz. Espero poder debater muitos mais temas consigo. Beijinho e BFS.

      Eliminar
  7. A História é um retrato de cada coisa que habita este mundo. Todas têm uma moldura; a qualidade da moldura depende do olhar de cada um. Haverá sempre um ponto de vista diferente em relação às nossas convicções... às vezes, só para contrariar (rs).
    Abraços,

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Olá José Carlos. Eu como não tenho cor política que me sirva que nem uma luva, normalmente vejo as coisas pela lógica e creio que por ser objectiva , sou imparcial. Mas erro como toda a gente, claro. Obrigada e BFS

      Eliminar

É aqui que me mandas dar uma curva