domingo, 17 de novembro de 2013

A Vida Pós-Calíptica


"Só os sentidos podem curar a alma, tal como só a alma pode curar os sentidos." - Oscar Wilde





Como eu me farto para aí de apregoar nos blogs que me deixam comentar e publicam o que comento , o olfacto e o paladar são os sentidos mais poderosos de todos os cinco e uns trocos que possuímos e os que mais facilmente nos transportam aos dias que já foram e dos quais temos memórias que perduram e nos fazem viajar no tempo.




Não há memória olfactiva que me faça reviver a infância mais intensamente do que o cheiro do mar no cabelho molhado. Em minutos semicerro os olhos e percorro todas as praias de todos os mares em que senti a calidez da água por entre os dedos pequenos , meio enterrados na areia fina, sinto a ânsia da onda que rebenta mais á frente e que chega a mim já sem força nem espuma, mas límpida e agradável, como quem convida a brincar. 
Dias felizes aqueles em que com um balde, uma pá e o mar por companheiro, construía uma história de vida, que acabava por morrer na praia.






Não há memória gustativa que me traga a meninice com mais entusiasmo do que o sabor amargo-gelado de um Calipo de lima-limão. Sabia pela vida, numa altura em que os amargores e as gélidas realidades estavam longe de marcar presença. Arrepiava, refrescava e no fim sorvia com pequenos goles, saboreando intensamente,  qual flute de champanhe esverdeado de uma safra rara.
Sabia a sol, a mar,a calor, a esplanadas de panos esvoaçantes, a risos, a família, a noites de feiras, farturas e carroceis em que montava fogosos alazões e era  princesa naquele reino encantado em que eu era tudo, e tudo era meu.

Não sou particularmente fã de sorvetes, mas onde quer que vá comer um gelado, peço sempre um de limão. Procuro sôfrega e ansiosa o Graal, o sorvete dos sorvetes de citrino azedo, aquele que não tem esplendor nem riquezas,só um simples canudo de papel e  aquele paladar único dos primeiros Calipos, dos bons dos que traziam o gosto do mundo inteiro num cilindro de gelo e sumo com sabor a lima e limão.


Depois, depois foi a explosão dos sabores, das formas, dos conteúdos,das variedades.Um mundo inteiro de promessas de puro deleite numa barraquinha na areia.
Podia ter-me facilmente apaixonado por outro sabor, mas no mundo pós calíptico não havia lugar para promessas de doçura, porque , lá está, eram só promessas e essas levaram-nas os ventos quentes que sopravam naquelas noites de Estio, em que a lima era rainha e o limão era rei. 

                            




10 comentários:

  1. Há gelados de limão tão bons no Oeiras Park !!!

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Não duvido, Ana Maria, mas eu sou muito exigente nos meus padrões de qualidade. Por exemplo, uma chocolatómana como eu, que ODEIA gelados de chocolate, será normal ?

      Eliminar
  2. Como eu gosto desses voltares ao passado.

    A música faz-me viajar muito no tempo.
    Dos cheiros é como dizes...levam-nos lá e nem pedem autorização.

    beijos

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Vezes há que basta um leve aroma para me sentir para lá da imaginação.
      Beijinho Pérola !

      Eliminar
  3. As tuas histórias são quase sempre inesperadas e engraçadas. Gosto de te ler!!

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. :) E eu ainda andei por aí a ver se fotografava um Calippo.... francamente ? Não valem um chavo... nada como antigamente... são só gelo e corante

      Eliminar
  4. Onde se pode esconder uma memória!
    Ainda há pouco descobri uma mão cheia delas dentro de um prato de arroz doce!
    http://www.osexoeaidade.com/2013/10/blog-post.html

    ResponderEliminar
  5. Comigo, canela, hortelã e sabão azul e branco, make my day :):) ... cheiram a Avó !

    ResponderEliminar
  6. Belo!


    [gosto de gostar do gosto do passado]


    abç

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. è o único que nos faz salivar com gosto . D-Jinho

      Eliminar

É aqui que me mandas dar uma curva