quinta-feira, 31 de outubro de 2013

I Witch upon a scar.

“Into the air, over the valleys, under the stars, above a river, a pond, a road, flew Cecy. Invisible as new spring winds, fresh as the breath of clover rising from twilight fields, she flew.” ― Ray Bradbury









Demónios chifrudos, homens do saco, papões e bruxas com grandes e verrucosos narizes, vassouras, chapéus pontiagudos e gatos pretos, sempre fizeram parte do meu imaginário, desde que me lembro como gente.

Na catequese obrigatória, onde nos ensinavam a temer a Deus e aos santos sob pena de entregar ao diabo a nossa alma imortal e acabar com os costados no inferno à mercê de mil torturas, obrigavam-nos a persignar  à menção da palavra bruxa. Eu detestava os Domingos de manhã. Eram dias de medo e angústia : nós éramos sempre pecadores, criminosos aos olhos de Deus, que teríamos que expiar os nossos pecados.  No confessionário, sítio lúgubre e bafiento, era obrigatório contar a um tipo que não conhecíamos de lado nenhum os crimes que cometêramos nessa semana, e ele, misericordioso representante das mais altas esferas e indigitado no perdão aos homens, dava-nos a absolvição por meio de 500 e tal rezas e terços,  abençoava-nos e mandava-nos comungar, receber o Senhor,  já com a alma purificada durante o ritual da missa.

Ouvir falar à boca pequena que fulana de tal foi à bruxa era o suficiente para me deixar acordada noites a fio, apavorada com os castigos divinos que daí iriam seguramente advir para a prevaricadora, e nós, que morávamos portas meias, iríamos seguramente comer por tabela. Assolavam-me imagens terrificas de passagens do livro do Gênesis onde a água e o fogo castigavam os ímpios e no meu pensar de 7 anos de vida, o medo e o horror andavam de mãos dadas e acompanhavam o meu dia a dia. E assim foi, durante anos, tempo demais. E os danos nunca chegaram a cicatrizar convenientemente.

Depois de passarmos do oito para o oitenta e acreditarmos que a religião era afinal o ópio do povo, ensinaram-nos que as bruxas eram "mulheres de virtude" com poderes de percepção  extra-sensoriais e paranormais  , que através de cartas, pedras, búzios, cristais, sei lá, uma miríade de modos diferentes, viam os problemas dos vivos e não só e ajudavam-nos a ultrapassá-los, com conselhos e mezinhas, tudo isto em troca dum "donativo" sempre com um limite mínimo.

Só depois das trevas se abrirem e de conseguir reduzir o brilho doentio da luz que veio de repente, fui capaz de me construir na pessoa que hoje sou, sempre ávida de conhecimento, crente sem templo, democrata sem partido, ignorante do amanhã.

Deliciei-me com a Morgan Le Fey de Marion Zimmer, procurei saber sobre as Hag, as Streghera, as Hacates e as Circes, Saramago mostrou-me os autos de fé, as Bruxas de Salem a histeria colectiva que qualquer religião representa, Hogwarts a magia da vida.


Se passarem pela Minha Guerra e lhes falarem de mim, não é incomum ouvir replicar" Quem,  a bruxa ?" Eu sorrio sempre aquele sorriso condescendente de quem sabe o que eles não sabem : Bruxaria é o nome que os primeiros cristãos atribuíram ao culto da Deusa "que se evidencia no fluir das estações do ano"... Eu, deusa... eheheheheheh... E esta, hein ???



7 comentários:

  1. Também fiz os catecismos, mas já não era nada assim. A minha mãe também conta uma experiência parecida. Brrrrrr... É por essas e por outras que a igreja católica anda de rastos

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. O medo é a base de qualquer religião. Penso que o Cristo tentou revolucionar a ortodoxia da igreja judaica e foi bem sucedido até ter sido morto pela "oposição" e depois os seus ensinamentos subvertidos nisto que hoje vemos. Crianças apavoradas com o sentimento duma culpa que não tinham... Dias negros....

      Eliminar
  2. No creo en brujas pero que las hay las hay. Bom Helloween MD

    ResponderEliminar
  3. ME-DO... muito medo... :) :) :)

    ResponderEliminar
  4. Então, então, vá lá... Não sou assim tão feia. :D:D:D

    ResponderEliminar
  5. "After a while you will get over being afraid. There’s nothing you can do; just be careful to walk at night."
    Ray Bradbury, The Reincarnate

    Boa noite, M D :)

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. I wish ... Or I Witch if it suites you better. Boa noite Xilre, obrigada!

      Eliminar

É aqui que me mandas dar uma curva