sábado, 28 de setembro de 2013

Num Setembro, há muitos, muitos anos... Ahhh!! que saudades !!


"No início você toma uma bebida, depois a bebida toma uma bebida, depois a bebida toma-o a si." - F. Scott Fitzgerald



Ahhh!!  Que saudades do pernil de porco estaladiço servido em cama de sauerkraut e batata assada, com que te lambuzaste até mais não, acompanhado de colossais litradas de cerveja, trazida para as grandes mesas corridas em potentes púcaras de vidro grosso com uma pega de lado, pesadas, douradas, brilhantes, prontas a serem erguidas sem esforço, qual martelo do Deus do trovão, e dentro da tua boca, deixar escorrer suavemente para a garganta  saboreando, contemplando mil prazeres...





 Ahhh! Que saudades das intermináveis filas paras os WCs ( a cerva assim o impunha) onde muita piquena e tanto homem de barba grossa não aguentavam a espera, e poças amarelas salpicavam o chão do recinto aqui e ali, secando ao ar frio e saturado de lúpulo,  um cheiro que misturado com o das Bratwurst e da couve azeda era acre, enjoativo, nauseabundo.


Ahhh !!! Que saudades de sentires o vomitado do vizinho de trás, quente , nojento, repugnante,atingir-te como um jacto de visco fétido  no teu cabelo, no teu pescoço, dentro da tua roupa, a escorrer pelas tuas costas.



Ahh!! Que saudades de teres finalmente  uma sanita só para ti e olhares para ela e teres vontade de fugir a 7 pés e de ir mijar atrás duma tenda qualquer.



Ahh!! Que saudades de gastares 2 pacotes de lenços de papel, e não deixares nem unzinho para o fim, e teres ficado naquele momento em que puxaste a cuequinha para cima com a clara ideia do que é ser-se incontinente.



Ahhh!! Que saudades, as de te sentires um odre de cerveja a rebentar pelas costuras e decidires ver a cidade do cimo da grande roda ! Qualquer perito forense teria um field day a colher infindas amostras de ADN de múltiplos dadores, anónimos mas com a característica comum de estarem todos a cair de bêbados.





Ahhh!! Que saudades, as de contribuires para a fluidez do chão da cabine que subia subia e rolava rolava, e de não teres qualquer tipo de lembrança da magnífica vista panorâmica sobre a cidade e o recinto.


Ahhh!! Que saudades de decidires "yodelar" como uma maluca "Ho-la-la-ee-ay-Ho-la-la-ee-ay", dares saltinhos ridículos e palmadas nas pernas, vá lá saber-se porquê... 



Ahhh!! Que saudades de desatares aos gritos feito uma histérica quando dois teutões, pesados e cabeçudos decidiram iniciar uma peleja com canecas vazias



Ahhh!! Que saudades de, tarde na noite, saíres do recinto e descobrires que te tinham rebocado o carro...


Ahhh!! Que saudades dos FDP dos Polizei que te obrigaram a ficar na esquadra enquanto os teus familiares foram levantar o carro ao parque dos rebocados ...


Ahhh!! Que saudades de os teres mandado para todos os lados que te lembraste com a certeza cobarde de que te não entendiam...


Ahhh!! Que saudades de poderes fazer estas merdas todas sem caíres para o lado logo a seguir....


Foi num Setembro, na festa de Outubro... Ahhh!! Que saudades !!



4 comentários:

  1. Grande aventura na terra da cerveja ! Parece que foi realmente há muito tempo. Estive em Munique o ano passado, e bebedeiras à parte , adorei ! Ter uma vida tão cheia, é fantástico . Gosto de ler o que escreves.

    ResponderEliminar
  2. Tinha 30 anos e era uma força da Natureza... Apesar de não me ter causado a melhor das impressões, adorei cada minuto da Oktoberfest. Cerveja, a eterna loira da minha vida, a única bebida alcoólica que tomo com satisfação, logo depois do Gin&Tonic. Com a idade , estes pequenos prazeres vã-nos sendo cada vez mais limitados, mas de quando em vez, sabe bem fechar os olhos, e perdoar o mal que faz, pelo bem que sabe. Beijinho , Mia.

    ResponderEliminar
  3. Cerveja digna da denominação, não é loira, estás redondamente enganada.

    ResponderEliminar
  4. Tem toda a razão. Depois de se tomar uma Köstritzer , "beber cerveja" tem um significado completamente diferente. Ou até mesmo uma Guiness... Uma "mine"preta até passa a ter outro encanto... :)

    ResponderEliminar

É aqui que me mandas dar uma curva