quinta-feira, 22 de agosto de 2013

A Minha Mão Esquerda

"A Mão que embala o berço, governa o Mundo " Abraham Lincoln



A minha mão esquerda não vale nada. 
Nunca quis ser ninguém na vida, nunca me quis ambidextra.
Nunca foi mais do que um animal de carga, uma besta de força; a esquerda punha e a direita dispunha... foi sempre assim...

Agora tornou-se uma coisa abjecta,  um apêndice sem qualquer utilidade dependurado do braço do mesmo lado.

Tem dias.... ontem foi seguramente dia não : não segurava nada. Não estava lá, não ligava qualquer importância aos impulsos com que o meu cérebro, já cansado de tanta fantochada, lhe comandava que fizesse e acontecesse.
A filha da mãe rebelou-se, tomou vontades próprias e agora só faz o que quer, ou seja, nada.



Não faz nada, não quer fazer nada, é uma inútil.

Qualquer pé esquerdo dum tipo com paralisia cerebral lhe dá grandes abadas, porque a vontade é uma força motriz impressionante, e a mandraça de vontades, não lhe conheço alguma.

Talvez seja a vingança, que sempre tarda mas não falha, dos enlevos , brios e apreços que sempre atribuí à minha mão direita, essa sim, minha grande amiga e companheira de muitos escritos, pinceladas, lavores e aventuras culinárias. Sempre dela me vali para todas as cosas importantes que tive que fazer ao longo da minha vida : Escrever as provas na escola com letra de mestre, colocar a aliança no anelar do Marido "naquele" dia, afagar os embrulhinhos chorões que me depositaram no regaço e que eram pessoas de mim, segurar a mão fria do meu pai durante o último adeus... 

Sempre desvalorizei a minha mão esquerda pelo que ela nunca conseguiu alcançar e por estar meramente no sítio em que Deus a pôs. 
Agora  continua no mesmo lugar, mas tão distante, tão dormente, tão insensível como se fosse decepada e exposta a público com a explicação " Eis quem nunca nada foi e hoje tudo revolve"

Quedo-me a pensar nas injustiças da justiça de cada um. Cada um advoga em sua causa e a minha mão esquerda sabe que me tem na mão e que me ganhou  de valor.
Porque é tão normal só darmos o verdadeiro valor às coisas, quando delas somos privados. E nós, os bichos humanos, somos exímios dispensadores de condescendências e indiferenças.



Mão morta, mão morta
Filhinhos à porta
Não tem que lhe dar
Dá-lhe com a tranca da porta
Mão morta, mão morta
Vai bater aquela porta

4 comentários:

  1. Mão Morta tem algumas músicas boas.
    http://www.youtube.com/watch?v=-cJcXnGCN90

    ResponderEliminar
  2. Não faz bem o meu estilo, mas não é muito mau também. Obrigada !

    ResponderEliminar
  3. Um destes dias aqui em casa eu dizia que a minha mão direita é mais ágil, flexivel, habilidosa mas foi no braço esquerdo que sempre segurei o meu filho e era a mão esquerda que o agarrava e será ela um dia a segurar também os netos que hão-de vir. Lembrei-me outra vez disto a propósito do teu post :)
    (Por causa das minhas cervicais tive um dia (meses) uma travadinha dessas que só foi resovida com massagem Thai; queres experimentar? Posso dar-te o contacto.

    ResponderEliminar
  4. Hoje fui fazer uma RM. Isto é uma aflição, não sentir o braço : népias do cotovelo até à mão e o indicador e o médio não existem e as agulhetadas no braço e nos dedos são de morrer. A dor é suportável- é muito menos intensa do que as ciáticas, mas andar maneta é uma nóia. Toda a gente me fala de acupuntura. Quero ouvir o que o médico tem para dizer dia 18. Se não tiver remédio, vou a todas as alternativas . Obrigada Sexinho, és uma querida

    ResponderEliminar

É aqui que me mandas dar uma curva