quarta-feira, 8 de maio de 2013

As Cruzes que Carrego

 "Há dias de manhã em que uma pessoa à tarde não pode sair à noite"- Sabedoria popular ? Albino Forjas Sampaio ? Sei lá ?



Ontem foi dia de "intervenção técnica" da ZON.
Não é que eu não me tenha fartado de explicar que, com toda a estupidez que me assiste em relação á sapiência dos operadores de call center nestes misteres, o problema NÃO era cá em casa. Tínhamos 3 TVs a funcionar perfeitamente, só a Internet e o telefone não funcionavam desde Domingo, apesar do famoso cabo coaxial estar para cada um dos casos, ligado a um equipamento diferente ( 1 Modem, 1 Hub, 2 Zon Iris, 1 PowerBOX) .
 Mas pronto, eu ainda tentei, mas lá saltou a tão aguardada como temida pergunta :" Encontra-se junto ao equipamento? ... Então vamos ter que realizar testes de despiste"... perante a minha recusa em arredar móveis, ficou então agendada uma intervenção técnica para 2ª feira de manhã.

Foram pontualíssimos, o que é raro. Como os vizinhos do andar de baixo reportaram idêntico problema, enviaram duas equipas técnicas, o que demonstra claramente que a Zon sabe gerir eficazmente os seus efectivos.
Como eu, resumida á minha ignorância preconizara, o problema estava na caixa da escada, 2 andares abaixo, e era uma reparação algo demorada. OK. Fechei os gatos na sala, abria a porta para o técnico montar a base no hall, e fui para a cozinha tomar café.

Entretanto tocaram á porta e era o funcionário dos CTT que vinha fazer uma entrega. Claro que fui receber. Estava a tentar ver o raio da linha no papel que o homem me estendia e onde tinha que assinar, e recordo-me vagamente do técnico da Zon me perguntar se podia ir à sala ler o sinal do modem do telefone e eu anuí.
Arrumei com o embrulho, voltei para fora , e o meu "sentido de aranha" deu logo por uma anomalia... não sabia bem o quê, mas algo não estava bem. Olhei em meu redor, fazendo um checklist mental , ok, check...ok, check... porta da sala aberta, porta da rua escancarada...uncheck... OS GATOS !!! Pronto, já foste !!!

Respirei fundo e parti á descoberta, O Sam, que é um maricas, estava refundido atrás das almofadas da cama do estúdio. Faltava o Dean, texugo e bonacheirão, devia andar a cheirar por aí as novidades... dever, devia, mas não andava. Nem cozinha, nem quartos, nem sala, nem roupeiros, nem armários, nem máquinas de lavar e secar, nem caixotes, nem despensa... nada do Sr. Dean.
Este mafarrico reboludo, sempre pronto desfrutar dos prazeres duma trinca seja no que for que possa ser comestível e que responde numa fracção de segundos ao restolhar duma folha de alumínio, fez-me gastar um rolo completo, e não apareceu.

Munida de mais folha de alumínio, qual maluquinha acabada de fugir do set de "Signs" larguei-me escada acima até ao 13ª Andar, chamando o bichano pelo nome e abanando freneticamente o alumínio, enquanto inspeccionava cada centímetro dos compartimentos das condutas do lixo. Nada. Parece que subir, não tinha subido

Carreguei no botão para fazer subir o elevador , e desci à cave 3, a partir da qual prossegui energicamente a actividade do achamento do texugo agatado, que já me estava a tirar do sério.

Até chegar ao meu 9º andar, vasculhei cada recanto, cada sombra, sempre a amachucar a folha de alumínio e a gritar ( mais e mais alto) pelo Dean. Os técnicos da Zon, achando-me com cara de psicopata perigosa a arfar ruidosamente e sem saber o que fazer, começaram também a chamar "Dean", "Dean" e a bater nas portas,  afastar almofadas e levantar tapetes... nunca se sabe...
Tornei a subir até ao terraço, e do Gordo do Gato, nem banha...

Bem... tenho mesmo que ir à rua, raios !

Calcei a primeira coisa que apanhei : as botas.

Ó meus amigos... peço-vos o favor de respirar fundo, fechar os olhos e imaginar uma figura anafada de peugos polares de aquecimento às riscas laranja e branco, calças Roxas Lamborghini-Pipoco com o Spongebob na anca, uma camisola com os anões da Branca de Neve, um robe vermelho mal amanhado pelas costas e umas botas "à biker" desatadas, a andar literalmente de gatas e c* para o ar a espreitar para debaixo de todos os carros do estacionamento, a abanar uma folha de alumínio e a gritar "Dean, Dean"... conseguiram visualizar ? ... agora voltem a respirar fundo, abram  os olhos e imaginem ( ou melhor, constatem) que... me conhecem, disto dos Ditos & Escritos, de comentar os vossos posts... Nem consigo imaginar como se sentem... o drama, o horror...















Resumindo... voltei para casa em prantos... o meu gordinho !!! Oh Meu Deus ... o que poderia eu dizer ao Marido e às Filhas perante a ignomínia de perder um gato ?

Entrei desesperada no estúdio, pontapeando a porta e eis que, de dento dum saco da Massimo Dutti que tinha dentro uma caixa de sapatos enorme, me salta o energúmeno, com cara de quem  se tentava escapar despercebido. Ah! Velhaco, que  me desgraçaste as cruzes e que estou que nem posso, e tu a tentares sair de mansinho ?!?!  Peraí que já te atendo !!! Cozinha com ele e sem comida. Jejum até vir o dono ! Quais olhos de carneiro mal-morto, qual quê !!!!




Mas foi um alívio dum stresse tão grande, que desregulou de tal modo as minhas funções que  entrei de Oficial de Dia  na Minha Guerra uma hora e meia mais cedo, sem sequer dar por isso...

Aqui há gato(s), mas assim não, pobre de mim... Cruzes !!! ( pobres delas...)

5 comentários:

  1. Uma história para contar aos netos.

    As fotografias estão um mimo.

    Beijo

    ResponderEliminar
  2. Maria, depois do susto que apanhei por te ter desaparecido o gatinho estou para aqui a rebolar a rir a imaginar-te nos preparos em que descreves!
    Ahahahahahahahahahahahahahah

    ResponderEliminar
  3. Hoje estou amuada... mas o patife do Dean vem pela surra dar-me marradinhas nas mãos... Mas acreditem que as minhas hérnias e a minha ciática estão já a arranjar modelitos para o baile...

    ResponderEliminar
  4. Ai que aflição que é! Já me aconteceu algo parecido com as minhas cadelinhas. Hilariante! All's well that ends well!

    ResponderEliminar
  5. ... e depois faz-me aqueles olhinhos... é um sem vergonha, é o que é...

    ResponderEliminar

É aqui que me mandas dar uma curva