segunda-feira, 4 de fevereiro de 2013

The Sum of All Fears


"Quem teme o sofrimento sofre já aquilo que teme."-  Michel de Montaigne ,



O medo é irracional.










Não ter medo, é coisa que não existe. Todos temos as nossas fobias, as nossas superstições, os nossos medos.

Eu costumo dizer que não tenho medo de morrer. Claro que tenho… é só basófia da pessoa quando se sente forte.

Se eu não tivesse medos, usaria seguramente a viagem de avião anual de que o Marido (ainda) usufrui, para ele e para a família.

Não viajo de avião desde 2001. É disparate, eu sei, mas é mais forte do que eu.

É irracional.

O passamento do Pai há 19 anos vitima dum ataque cardíaco fulminante, nunca mexeu tanto comigo como nos últimos dois anos. Assumo que o tempo que passa me deixa cada vez mais consciente das minhas limitações e da minha mortalidade.


Já me aconteceu por mais do que uma ocasião, em que um mau estar acompanhado de dor e formigueiro despoleta uma crise, mais de pânico do que doutra coisa, que me desabilita completamente qualquer tipo de raciocínio.


Não há como dar a volta. É um daqueles mecanismos malucos de defesa que é involuntariamente accionado e não me deixa  reagir nem perceber a realidade e só desliga com o total abandona que se encontra dentro duma seringa ministrada pela enfermeira de serviço nas urgências do Hospital dos Lusíadas…


É completamente irracional.


Continuo a achar que não vou ter medo de morrer, mas o medo maior, a soma de todos os medos, é o pavor que tenho de poder vir a sentir muito medo.

6 comentários:

  1. pássaro viajeirofevereiro 04, 2013

    Olá Maria, boa-tarde.
    Como todos tenho as minhas fobias e superstições, mas desde os meus cinco anos, altura em que tive medo, muito medo, nunca mais o senti. Não tenho medo de nada, nunca tive, nada receio, nada me atemoriza. Nada absolutamente. E da morte muito menos.
    Pode-lhe parecer estranho,mas acredite que é mesmo verdade.

    ResponderEliminar
  2. Eu não me parece que tenha medo de morrer. Aflige-me a ideia egoísta de que não vou ver nunca mais os meus entes queridos, e apavora-me a ideia de poder ter medo, porque eu não quero ter medo. isto chamaria um bom psicanalista , sofrer por antecipação, mas felizmente é uma situação tão passageira como recorrente...

    ResponderEliminar
  3. Olha, Maria, temos duas coisas em comum: o medo dos aviões (que eu só supero com um calmante no bucho) e a hipocondria. Ufa! É claro que são facetas da mesma coisa - o medo da morte. Temos que nos rir como o Woody Allen: "Eternal nothingness is fine if you happen to be dressed for it." :))))

    ResponderEliminar
  4. Tens razão Miú... depois da tempestade, vem a racionalização do ridículo...reconheço...
    O Woody é o máximo e costumo citá-lo algumas vezes; esta é a minha favorita: “I hate reality but it's still the best place to get a good steak.”. Beijinho

    ResponderEliminar
  5. Eu não tenho medo da minha morte, tenho é medo de ter de sofrer até ela acontecer.
    Medo, medo, tenho da morte dos que me são queridos porque não quero ter de ficar sem eles...

    ResponderEliminar
  6. Verdade Sexinho... Estes "ataques" de paranóia "Meet Joe Black" acontecem frequentemente quando estou fisicamente mais debilitada e nem sei descrever o mau que é...

    ResponderEliminar

É aqui que me mandas dar uma curva