sexta-feira, 8 de fevereiro de 2013

Eu ainda sou do Tempo...




No princípio, era o PREC...

Depois da Revolução dos Cravos, veio a confusão e o PREC. Pode parecer uma passagem Bíblica, mas não,  até porque a anarquia e agnosticismo reinavam ... above us, only sky, can you imagine ?

A música era outra. Os grandes do antigamente teriam, alguns, pés de barro, outros caíram na onda do reaccionarismo que envenenou as mentes e enquanto muitos demoraram a reerguer-se, outros houve que não o conseguiram de todo.

Por mais de um par de anos só era proletário, só se integrava quem ouvia homens zangados a denunciar o mal que se foi ou que ainda estava por aí, escondido em figura de gente.

Aprendemos a gostar de música de intervenção... que remédio, pois que passava nas rádios quase 24/7, pelo menos até 1976.

Depois as coisas amenizaram, e a música também mudou. Dentre muitas bandas que pululavam nas ribaltas de então, contava-se a Banda do Casaco. As músicas da banda que continham a obrigatória mensagem às massas, eram inovadoras e à luz das profecias para o novo milénio, acredito que acertaram mais do que qualquer Nostradamus de trazer por casa que tenha um programa de Tarot nas manhãs da SIC.

Basta atentar nos títulos dos álbuns, tão certeiros e actuais agora, como foram então :






































Isto é só um blogue duma velha roliça que carrega consigo a sabedoria de muitos anos de praia, não é a rádio Nostalgia.  É claro que a Banda do Casaco não é "som" para intelectuais, mas teve uma palavra mais importante a dizer no panorama cultural Português do que o José Luís Peixoto ou até a Magrinha....

E depois eu até gosto e tudo...


Honni soit qui mal y pense







2 comentários:

  1. Olha os tesourinhos que vim encontrar...
    Também sou deste tempo!

    beijinho

    ResponderEliminar
  2. Grande Pérola... penso que não há muita gente pela blogosfera que seja "desse tempo" ... :):)

    ResponderEliminar

É aqui que me mandas dar uma curva