terça-feira, 15 de janeiro de 2013

O Regresso dos heróis


"A restituição do respeito é muito mais difícil do que a do dinheiro."- Padre António Vieira


Ontem na Minha Guerra e a propósito do despautério dum dos soldados recrutas, queixava-se um veterano de que o respeito é um conceito que caiu em desuso e que antigamente é que era bom, havia consideração e era tudo muito diferente.

Mas seria realmente assim, ou somos nós que temos dificuldade em conciliar as nossas  lembranças com a nossa memória de curto prazo e a nossa memória de longo prazo ?

Não referirei a pré-história da minha existência, em que era a menina linda, boazinha, excelente aluna… um tédio… Reportarei sim a Idade Média, quando era meio aracnídea – só pernas, braços e cabelo – aluna de quinzes e um terror no Liceu. A sério que fazia trinta por uma linha ( muuuiiitooo pela calada...), desde cartoons “picantes” até partidas abjetas a professoras e colegas,  e lutas político-partidárias a atirar para o mete nojo…

Tive uma professora de Inglês que tinha o condão de me irritar sobremaneira pela anglofonia que imprimia ao meu nome, quando o pronunciava. Eu que sempre me pautei pela invariação fonética dos nomes próprios das pessoas, coisas e lugares, abominava que a senhora me chamasse aquela coisa.
 Vamos supor por exemplo que os meus pais me baptizaram com o nome Francelina;  porque carga de água é que para a stôra R teria eu que ser Franceláina ?!? … E é que tal opróbrio não se limitava unicamente à sala de aula : era repetido ad nauseam sempre que me interpelava, independentemente do local ou pessoas presentes, malgrado os meus esforços para passar despercebida… pimba! Acredito que a senhora teria algum prazer em pronunciar aquela coisa, senão não o faria tão amiúde.

Numa das aulas em que estávamos particularmente instáveis,” fomos para a rua” umas três ou quatro, o que quer dizer que a stôra R se fartou de más criações e mandou as senhorinhas dar uma curva. Ficámos danadas e decidimos como vingança, comprar uma dúzia de ovos e brindar com eles a stôra R à saída do eléctrico. Preparámos tudo ao pormenor, e escondemo-nos atrás da arca dos gelados dum cafezinho que havia ao lado do liceu, propriedade dum gordo asqueroso que tinha a mania de se roçar pelas miúdas…




AZAR !  … A stôra R vinha acompanhada da directora do Liceu, por isso o plano foi por água abaixo… para não se perder o investimento na dúzia dos ovos, tomámos como alvo o gordo asqueroso… que se foi queixar à directora do Liceu, e tivemos como consequência uma acção disciplinar com 3 dias de suspensão… verdade seja dita, que tivemos os nossos 15 minutos de fama no regresso… fomos as maiores, fomos os heróis…

Nossa Senhora… se alguma das minhas Pérolas se metesse neste tipo de caldeiradas, excomungava-a… dava-lhe um sermão acerca de ética, educação, comportamento…  e depois teria seguramente que comprar fósforo e magnésio…

4 comentários:

  1. Saudades de outro tempo.
    A dada altura, para sabotar umas eleições para a associação de estudantes do Rodrigues de Freitas, esvaziou-se (indefinido, não estou a assumir nada) os extintores todos.

    Se fosse hoje, era tudo expulso, obviamente não pelo desvario, mas pela despesa.

    ResponderEliminar
  2. pássaro viajeirojaneiro 15, 2013

    Havia mais respeito, sem dúvida. Respeito e educação!
    Havia uma irreverência maior, mas não passava dessa que a idade permite e exige. Salutar e belíssima irreverência sem a má-educação e péssima criação associadas.
    Recordações; tudo são recordações. Sobremaneira valorizadas quando a compreensão inerente à idade, nos permite delas desfrutar sem nos envergonhar.

    ResponderEliminar
  3. Minha querida MARY DISQUIET, a menina merecia realmente um bom puxão de orelhas por todas essas tropelias na fase aracnídea. Então o gordinho asqueroso ficou com o cabelo feito em omelete? Que pena tenho dele, ahahah. Mas falta aqui, no que à tua biografia diz respeito, do que vem depois da Idade Média: o renascimento e o iluminismo, já para não falar no decadentismo fin-de-siécle. Mas isso dava um livro, não? :))))

    ResponderEliminar
  4. RCA - Boys will be boys ( and girls will be girls)...Já a minha mãe, por exemplo, batia nos rapazes todos, e chamavam-lhe carinhosamente " O Veneno"... mudam-se só os tempos...:)

    Pássaro, meu caro, sem dúvida que havia mais respeito, porque tínhamos a noção das nossas limitações, coisa que agora ninguém impõe aos miúdos.

    Miúzinha, se eu fosse escrever sobre mim, encheria imensas páginas ! É que eu sou grandinha e ultimamente tenho crescido para os lados eheheheheh Provavelmente o decadentismo apés-le-demi-siècle ? :):):):)

    ResponderEliminar

É aqui que me mandas dar uma curva