sexta-feira, 4 de janeiro de 2013

A Série Misteriosa


"Os pequenos factos inexplicados contêm sempre algo com que deitar abaixo todas as explicações dos grandes factos."  - Paul Valéry


Não é segredo para ninguém que eu gosto muito de ler, farto-me de ler e leio tudo o que posso. Tem livros que leio em horas, outros que deixo ir ficando e por vezes nem um ano chega para acabar, porque perdi o interesse.


Adoro BD, como em Hugo Pratt , Bourgeon, Boucq, Bilal… e gosto de tudo um pouco, mas sobretudo de mistérios com história como os do Steven Saylor ou da Lindsay Davis… eu sei, eu sei... tudo muito pimba, tudo muito pouco intelectual, mas… azar quem não gosta, come menos.

Melhor do que ler só pode ser mesmo  ver séries. E eu devo ser a rainha das séries, porque vejo os pilotos de tudo o que mexe, e faço a minha triagem .

Há bem pouco tempo deparei-me com uma séria fascinante “Oliver Stone's Untold History of the United States”.



É do conhecimento geral que o Oliver Stone, para além de ser um brilhante cineasta( às vezes),  que nos apresentou pérolas cinematográficas como Salvador, Platoon  ou mesmo The Doors,  alimenta profusamente as chamadas teorias da conspiração, facto patente em JFK, e é também do conhecimento geral que os americanos têm tendência para alimentar este tipo de teorias até à exaustão ou se quiserem até à paranóia total.

A série começa com os acontecimentos que levaram os americanos a entrar na 2ª Grande Guerra e prossegue de episódio em episódio até aos dias de hoje.  É muito bem documentada e é narrada pelo Stone himself.

No final de qualquer um dos episódios ficamos com a sensação que o mundo poderia ser um lugar COMPLETAMENTE  diferente…

                      WHAT IF … ?????

Será revisitar a história recente com um twist à Oliver Stone, ou ter finalmente conhecimento de parte da realidade velada ?

Então e que tal ver, ver com atenção e perguntar-se : "Was it worth it ???


4 comentários:

  1. Mas Hugo Pratt e Bilal não são nada pimba! O Bourgeon talvez um pouco mais comercial, sim... Conheces o Moebius, certamente? Eu adoro-o na versão Moebius e na de Giraud (com que assina o Blueberry). E há tantos outros... O Tardi, por exemplo (da Adèle Blanc-Sec), ou o Miguelanxo Prado... Eu não tenho qualquer preconceito relativamente à BD, muito pelo contrário! Considero-a uma forma de arte superior.
    Um beijinho

    ResponderEliminar
  2. pássaro viajeirojaneiro 04, 2013

    Olá, boa-noite.
    A primeira BD que li foi o Mundo de Aventuras, Fascículos semanais, em formato jornal, publicação iniciada pela APR no ano de 1949. Fiquei viciado até aos dias de hoje. Custava 1$50.
    Há dois anos, mais ou menos, deu-me uma de saudosismo e entrei na procura desenfreada dessas revistas, e tanto porfiei que consegui a primeira série, num alfarrabista do Porto, do nº 1 ao 46, quando após acesa discussão ele acedeu em vender-mas por 2550 euros.
    Na ocasião e após negócio concluído, dei comigo a pensar que já tinha muito boa idade para ter juízo, contudo acabei por concluir que devo ter tino às carradas porque quando um amigo e ainda mais fanático do que eu quase se zangou comigo por não lhe dispensar a série em troca de 3500 euros, regozijei-me vivamente com a minha argúcia. Entretanto nasceu o meu neto e agora nunca a venderia por preço nenhum. Está arrumadinha para ele.
    Mas tenho muito mais BD dos anos de 1955 para cá, e muitas os números 1. Também guardo como valor inestimável. Afora isso, vou lendo alguma mais moderna, mas não lhe atribuo qualquer valor sentimental.
    Livros gosto bastante e considero-me um bom leitor. Não passo sem ler dois ou três por mês, às vezes mais.
    Televisão vejo muito pouco. Dispenso completamente as séries e tirando o futebol, um ou outro filme de vez em quando e vou mais para os programas da Odisseia e História.
    Cumprimentos e um BFS.



    ResponderEliminar
  3. pássaro viajeirojaneiro 04, 2013

    "Acabei por concluir" Pois sim. Não ligue e leia "concluí" que é o que deveria ter escrito.

    ResponderEliminar
  4. Olá !!!
    POis gosto muito do Moebius e li os Blueberry todos, mas tenho que admitir que o Corto Maltese foi sempre uma paixão avassaladora. Escrevi sobre isso. Passaro, BD em casa do Pai, foi desde os meus primeiros passos, com o mosquiro, o Cavaleiro Andante, o Mundo de Aventuras, o Falcão, o Tintin ...

    http://acontarvindodoceu.blogspot.pt/2012/06/banda-desenhada.html

    http://acontarvindodoceu.blogspot.pt/2012/08/na-terra-dos-elfos.html

    ResponderEliminar

É aqui que me mandas dar uma curva