quinta-feira, 20 de setembro de 2012

Noticiários... again and again...





Estou a ficar um bocado farta disto tudo outra vez.





Houve aqui uma altura em que me desinteressei completamente pelos noticiários; eram o que antigamente se chamava “vira o disco, e toca o mesmo”. Sempre com alguma fatalidade de proporções bíblicas como notícia de abertura para cativar a audiência, ou à falta de melhor, a promessa do desvendar dum mistério, duma fofoca , de algo apelativo à nossa inata curiosidade, qualquer coisa que prendesse o espectador  ao écran até ao fim, enquanto o/a ancora enchia chouriços durante quase uma hora.

Pontualmente assisto a comunicações ao País e conferências de imprensa, para não ficar completamente descontextualizada da conjuntura, mas não sou espectadora muito atenta ou pertinaz. Para além disso, o Marido, fonte de inesgotável sabedoria sobre a actualidade nacional, costuma pôr-me sempre ao corrente dos últimos desenvolvimentos.

Há umas semanas, depois do frio comunicado ao País do tipo que eu ajudei a eleger para um dos cargos máximos da nação, o mesmo que imediatamente após informar todos nós que íamos ter que ir fazer um Tour pelas Ruas da Amargura durante uns dois ou três anos, foi cantar a Nini para o Tivoli, deu-se-me um vaipe, um daqueles que a revolta vai buscar ao fundo da nossa consciência, e comecei a devorar notícia atrás de notícia, a comentar declarações online, a participar activamente em demonstrações da vontade popular, a subscrever petições, a entrar em debates polémicos, enfim a revolucionar o meu modus vivendi, se bem que quem me conhece, sabe que eu sempre concordei em discordar, mas em coexistência continuamente  pacífica J

Como não podia deixar de ser, depois da corrente telúrica de Sábado 15 de Setembro, as placas tectónicas da governação que se consideravam intransigentemente consolidadas, ficaram estruturalmente abaladas e um bocado à deriva, não encontrando qualquer apoio para se firmarem.

E então choveram os comentários , os  comentadores, as reuniões de emergência, os ditos por não ditos, as sacanices, as convocações de todos os Conselhos possíveis e imaginários,  os avanços, os recuos, e com isto tudo a exploração da notícia até à exaustão, de tal modo massacrante e violenta, que não há noticiário que não debite todos os dias e vezes sem conta no período de pouco mais duma hora,  a mesma informação, só que pintada de cor diferente, e vista de vários ângulos, mas sempre igual a si própria.

Cansei !! 

  Ainda ontem tornaram a passar (again) as imagens de Sábado passado , tão fresquinhas no contexto (again), como se a galinha as tivesse acabado de pôr…  Cansei !!!
Vou voltar  à minha condição de news hater , pegar no meu livrinho a seguir ao jantar, e deixar o Marido entregue aos noticiários e ao desporto do zapping, porque palavra de honra,  a falta de imaginação dos redactores, ou a sua pretensão de que somos todos mentecaptos e verbos de encher já enjoa por demais.


Com música ainda é melhor

5 comentários:

  1. Tal qual como eu!
    Sabes que sinto que a única maneira de estar a par do que se passa é escolhendo eu o que ver, ler e, tal qual como tu, através da triagem e sumula feita pelo MQT.
    Enquanto "paparmos" tudo o que nos quiserem impingir não estamos em condições de avaliar nada!
    A agenda-setting (http://pt.wikipedia.org/wiki/Agendamento) está feita de forma a pôr o povo onde e como se quer; diminuido e assustado!
    Deveríamos todos desligar os televisores e não comprar nem ler mais os jornais!

    ResponderEliminar
  2. Como te compreendo.
    A repetição e o desinteresse das noticias cansam...

    Beijinho.

    ResponderEliminar
  3. És tu e eu, notícias leio na internet *

    ResponderEliminar
  4. prefiro 1000 vezes ler os títulos dos jornais e pesquisar as notícias que me interessam, do que ser violentada pelos noticiários televisivos.

    ResponderEliminar
  5. Olá, parabéns pelo blog!
    Se você puder visite este blog:
    http://morgannascimento.blogspot.com.br/
    Obrigado pela atenção

    ResponderEliminar

É aqui que me mandas dar uma curva