sábado, 15 de setembro de 2012

Desde a Praça do Começo



♫...E o Povo saiu à rua

Sem a alegria
Que costumava ter... ♫


Na Praça do Começo








    




  Na Avenida da República











Na Avenida de Berna









Na Praça de Espanha












Foi um movimento popular, ordeiro, pacífico,gente de todas as idades, famílias inteiras de todos os extractos sociais. Não houve perturbações da ordem pública, nem mesmo quando,   os agents provocateurs jogaram petardos, very lights acesos, tomates podres e ovos contra a porta da sede do FMI na Av. da República.

Cerca das 20 horas, a maior parte dos que se propuseram comparecer no protesto, começaram a desmobilizar. Soube-se já no Metro que uma facção mais radical se dirigia para S. Bento.
Demos por terminada a nossa participação, e regressámos a casa onde passámos  a acompanhar via televisão a anarquia que se instaurou na escadaria da Assembleia da República.

A mensagem foi enviada. Nunca antes a população portuguesa se mobilizou tão numerosa e rapidamente de Norte a Sul do País e Ilhas .Conta-se que em Lisboa os aderentes ultrapassaram o meio milhão !!! Chegou a altura dos governantes OUVIREM, mas ouvirem MESMO.


"Meus senhores, como todos sabem, há diversas modalidades de Estado. Os estados sociais, os corporativos e o estado a que chegámos. Ora, nesta noite solene, vamos acabar com o estado a que chegámos! De maneira que, quem quiser vir comigo, vamos para Lisboa e acabamos com isto. Quem for voluntário, sai e forma. Quem não quiser sair, fica aqui!" - Capitão Salgueiro Maia - Madrugada de 25 de Abril de 74, parada da Escola Prática de Cavalaria, em Santarém






12 comentários:

  1. Ai Maria, isto começa a tornar-se um hábito!
    Que arrepio ler aqui as palavras de Salgueiro Maia!
    Obrigada por teres ido também por mim que não podia; como gostaria de ter sido mais uma na rua...

    ResponderEliminar
  2. Eu fui representar a minha culpa, e dei voz a todos os que estiveram comigo em pensamento. Quanto ao Capitão Salgueiro Maia, se alguém fora dos filmes de acção dá corpo à palavra HERÓI, para mim ele é (e pelo andar das coisas há-de ser) sempre a minha primeira escolha.

    ResponderEliminar
  3. Temos muito poder se assim o quisermos.
    Capazes de tudo...

    beijinho

    ResponderEliminar
  4. No Porto a Avenida dos Aliados também encheu e transbordou! O Povo mostrou o seu descontentamento e gritou bem alto o seu desespero. Espero que alguém ouça...

    ResponderEliminar
  5. Ah, já consegui! eu e as novas tecnologias nem sempre fomos amigas vai daí por vezes nao nos entendemos.
    Mas já consegui, grande feito num domingo à noite já perto da segunda feira
    kis :=)
    obrigada pelos comentarios no meu humilde casebre

    ResponderEliminar
  6. Obrigada AvoGi ! Adorei os seus 2 "Humildes Casebres", são maravilhosos !! Obrigada pelo apoio. Xi-♥

    ResponderEliminar
  7. Sim, sem sombra de dúvida! Salgueiro Maia encarna também para mim a ideia que tenho de um HERÓI!
    A capacidade de se transcender, de não se resignar e acreditar que podemos fazer a diferença!

    ResponderEliminar
  8. Pois foi, desta vez tiveram mesmo que ouvir, e tu lá andavas toda florida!...:-)
    xx

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Contra a repressão, não há cores, só flores e fervores :):):):)

      Eliminar
  9. Devido à distância, nunca estive numa manifestação em Lisboa...
    Gostei de (re) ver...
    E Salgueiro Maio, um herói tão pouco lembrado...:(

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. O SAlgueiro Maia sempre foi "O" Capitão de Abril, o único que queria realmente mudança, que nunca se deixou corromper pelo poder , por isso foi afastado e morreu numa "miséria" aparente. Foi um soldado e um herói. Pena que só do resto reze a história.
      Neste dia não havia partidos, só vozes em uníssono centra a prepotência, a intransigência e o estado a que cegámos. O povo tem a memória curta e cansa-se depressa...

      Eliminar

É aqui que me mandas dar uma curva