sábado, 4 de agosto de 2012

Na Terra dos Elfos


Na Terra dos Elfos

"A imaginação é mais importante que a ciência, porque a ciência é limitada, ao passo que a imaginação abrange o mundo inteiro." -  Albert Einstein



Nas sábias palavras do poeta, “ O Sonho Comanda a Vida”.
 Qual a criança que não sonha acordada, que não brinca com amigos imaginários, que não fantasia sobre outras terras, outros povos, bandidos,  heróis e personagens de contos de fadas ?
 Quando o pensamento tem asas a imaginação não aquieta.




Quando a menina das tranças cresceu, os amigos cresceram com ela, e o Steamboat Willie transformou-se no misterioso e encantador Marinheiro de la Valetta, que foi o cavaleiro andante dos meus sonhos de adolescente. 

Ler “As Célticas”  (ainda em francês) foi fascinante; para além de focar um dos episódios mais marcantes e obscuros da história Mundial, a 1ªGrande Guerra, é também protagonizada por figuras da mitologia céltica, como Merlin, Oberon e o irreverente Puck.



 Com o passar do tempo a BD foi sendo substituída ( mas NUNCA  totalmente) por livros com menos gráficos, e entrei de cabeça no imaginário de J. R. R. Tolkien, no poder dos Magos, nas tribulações dos Hobbits, na bravura dos Anões, nos amores da elfo Arwen pelo carismático e valoroso Aragorn.



E depois cresci para uma realidade diferente, com outros amores e a primeira grande paixão da minha vida : a Pérola Maior. Foi o primeiro ser realmente mágico que segurei nos braços, e a quem contei e maravilhei com as mais belas  histórias de encantar.


Quando a Pérola Maior tinha 8 anos - o tal número mágico  J 

 ainda não havia Disneyland na Europa, mas a minha família em Amsterdam falava do Efteling, em Kaatsheuvel, na Holanda, e decidimos levar lá a nossa pequena.


Em 1989 tudo o que nos chegava de maravilhoso e visualmente irreal era via TV e cinema, pelo que entrar na Terra dos Elfos foi pura magia.


 É um parque cheio de atracções extravagantes como o maravilhoso passeio pelas 1001 noites na Fata Morgana,
 ou uma molha fantasticamente colossal na descida dos rápidos da Piraña, entrando pelas entranhas dum majestoso templo Pré-Columbiano ,
 a subida aos céus no Pagoda e a vista sobre a terra encantada ,
 as serpenteantes curvas e contracurvas da Python,
 que amavelmente dispensei, os caldeirões do Monsieur Cannibale

 todas as histórias infantis, fossem dos Grimm, de Handersen ou de Perrault,  tinham a sua representação, na Fairy Tale Forest, desde o Palácio da Bela Adormecida

 passando pela vila dos anões.



 O Efteling está muito bem concebido e tem  manutenção e higienização como nunca vi em qualquer outro sitio que tenha visitado, sensibilizando por exemplo, crianças e adultos para não jogarem detritos no chão, com os “comilões” a pedirem constantemente lixos para comer.


Foi um dia extraordinário que lamento não ter repetido com a Pérola Menor...

 mas qualquer dia, quem sabe, quando for (mais) velhinha e tiver netinhos, não os levo a ver a Rapunzel e o Rumpelstiltskin, enquanto comemos arenque com batatas fritas e maionese , no meio do  lago no passeio da Gondoletta ???


Então seguramente irei viver os momentos mais mágicos de toda a minha vida !J

Sem comentários:

Enviar um comentário

É aqui que me mandas dar uma curva