quarta-feira, 4 de julho de 2012

Moda


Moda:

Moda é a tendência de consumo da atualidade. A palavra moda significa costume e provém do latim modus. É composta de diversos estilos que podem ter sido influenciados sob vários aspectos. Acompanha o vestuário e o tempo, que se integra ao simples uso das roupas no dia-a-dia. É uma forma passageira e facilmente mutável de se comportar e sobretudo de se vestir ou pentear.




Toda a gente gosta de estar in, de poder seguir as tendências, de ter um look fashion, enfim, de estar na moda.
As tendências no guarda-roupa e na apresentação foram mudando através dos tempos, tendo passado de praticamente nada, como nos provam achados arqueológicos como os do Vale de Neander, por exemplo, até ao exagero da Época Renascentista em que de tecidos, peles e enfeites, nada era demais.


Presentemente a moda foi ditada por uma frase de Wallis Simpsom, Duquesa de Windsor e teoricamente wannabe Rainha da Inglaterra : “You can never be too rich or too thin”.

Assim, e para grande pesar meu, NUNCA vou poder estar na moda…


A parte do “too rich”… in your dreams… Quem nunca sonhou ser o Tio Patinhas?? Não para colecionar dinheiro numa Casa Forte e mergulhar nele, mas para o poder torrar a seu belo prazer! Seguramente que iria ser uma filantropa de truz, criar uma fundação, ajudar a sério, deixar um nome e um caminho traçado para a posteridade, mas também me iria permitir certos mimos que sempre sonhei e nunca pude alcançar.

A outra parte, a do “too thin”… bem, aí é que porca torce o rabo… Quando daqui a milhares de anos desenterrarem a minha múmia numas quaisquer escavações arqueológicas, vai ter seguramente os dois melões nas ancas intactos!
Já muitas griffes tentaram criar moda para trambolhos, mas não creio que nenhuma tenha chegado ao Hall of Fame.


Mas atenção: quem pensa que eu sofro com a minha condição de anafada crónica, desengane-se. É produto duma vitória sem par, conseguida há quase 4 anos e 12 quilos: Exterminei definitivamente o tabaco, que foi meu companheiro de caturrices e catarrices durante mais de 20 anos.

 Não fora porcarias que surgem com a idade como colesteróis, hipertensões e caber na roupa de Verão do ano anterior, I couldn’t care less.


Admito que o calor se me afigura directamente proporcional ao peso, vestir bikini só no Carnaval,  e que já perdi o gosto em ver montras, mas enquanto não tiver que pagar dois bilhetes para poder viajar sentada num qualquer meio de transporte em que tenha que me deslocar , nem tiver a arma das maleitas da PDI directamente apontada á testa,  tá-se bem.

Sem comentários:

Enviar um comentário

É aqui que me mandas dar uma curva