sábado, 30 de junho de 2012

Dá-me Música, que eu gosto !

Música :


A música (do grego μουσική τέχνη - musiké téchne, a arte das musas é uma forma de arte que se constitui basicamente em combinar sons e silêncio seguindo uma pré-organização ao longo do tempo. É considerada por diversos autores como uma prática cultural e humana. Actualmente não se conhece nenhuma civilização ou agrupamento que não possua manifestações musicais próprias. Embora nem sempre seja feita com esse objectivo, a música pode ser considerada como uma forma de arte, considerada por muitos como sua principal função.




O primeiro som que gritamos quando a claridade nos atinge pela primeira vez é o choro, é a música que as nossas imperfeitas cordas vocais emitem para protestar contra a violência que é o nascimento.
Ao longo da vida o ser humano vai aperfeiçoando a voz, e os sons  e a musicalidade harmonizam-se , alguns alcançando uma beleza impar, outros cumprem a sua função mais básica, que é a comunicação.

A capacidade criativa humana é ilimitada e sempre inovadora  : de nada se faz tudo , do nada se cria som , do nada se transformam ruídos em  mágicas melodias e prodigiosas sinfonias. E é também do pó que nascem os génios, os que juntas as letras, os que juntam os números, os que juntam os sons.

Como seria um mundo sem música ? Seria seguramente cinzento, porque a música é cor, seria embrutecido pelo movimento surdo , a brutalidade muda e a incompreensão. Se é dito antigo que “ A falar é que as gentes se entendem” a afonia das palavras sem som cortaria ligações e criaria distâncias . Uma babel de silêncio destruiria o gregarismo e a vida deixava de fazer sentido.

Há musicalidade em cada língua, em cada palavra, em cada frase. A música embala-nos, embevece-nos e acalma-nos.
É tão espantosamente maravilhosa uma  límpida sonata nocturna, como a proeza rítmica duma beat box.

Eu adoro música. Adoro os clássicos. Toda a gente adora os clássicos ; é imperativo ! É incontornável !. Tive o privilégio de viver nas décadas de ouro na música, pop e rock.

Com a chegada do verão chegam os Festivais da música, para os jovens, os dentro da idade  e os outros, aqueles que nunca têm idade demais para gostar de ouvir música. As migrações sucedem-se aos bandos  para  a Bela Vista, para o Sudoeste, para a Ericeira, para Loulé, para Algés, para o Cabeço da Flauta, …  música para todos e todos pela música.

Sinto um pesar imenso de não conseguir acompanhar estas excursões tão gratificantes para o espírito, mas desengane-se quem pensa que o que me pesa é a idade !


Dar música foi uma das expressões de engate mais bem conseguidas de sempre : afinal quem é que não gosta ?





Music of the future,and music of the past.
                       


Sem comentários:

Enviar um comentário

É aqui que me mandas dar uma curva