segunda-feira, 20 de novembro de 2017

Dura Lex... parte 2


Três coisas devem ser feitas por um juiz: ouvir atentamente, considerar sobriamente e decidir imparcialmente.


Sócrates ( não , não era Engenheiro...)





Com tanta ladroagem , tanto burlão, tanto assassino, tanto criminoso em geral a aguardar julgamento por delitos cuja gravidade ultrapassa tantas vezes a imaginação, o João foi hoje presente ao juízo de instrução, praticamente 24 horas após a perpetração do seu "crime" de lesa agente da PSP em pensamentos e algumas palavras, que se traduziram no bico de obra de que aqui falei, na anterior publicação. 

Foi ouvido e condenado a DOIS ANOS de pena suspensa, e apenas por falta de antecedentes que imputassem qualquer risco ao seu comportamento de homem e cidadão português, durante quase 40 anos.
Foi a sentença também acrescida de uma sanção pecuniária de 250,00€ .

O João resignou-se. Quer esquecer que tudo isto aconteceu e voltar à normalidade e pacatez da sua vida profissional e familiar. Quer voltar a sair para pescar e abstrair-se do mundo.

Pena que a justiça nos tempos de hoje não seja apenas cega, mas surda, parcial e prolixa.
 E dura lex, sed lex,  deveria ser igual para todos, mas aqui é que a porca torce o rabo, porque "todos" não são iguais perante a lei.
Como dizia Orwell e muito bem, uns são muito mais iguais do que os outros, basta serem conhecidos, poderem cobrar favores e terem um pé de meia offshore.










domingo, 19 de novembro de 2017

Polícia, para que te quero

O homem que não sabe controlar-se a si mesmo torna-se absurdo quando quer controlar os outros.



Textos Judaicos










O abuso de autoridade das forças policiais é uma aberração que devia ter legislação e punição disciplinar adequada.
Abusar da autoridade não significa apenas andar por aí aos tiros e causar vítimas inocentes ou não, seguramente danos colaterais da falta de formação e preparação adequadas, com que os nossos agentes são despejados para as ruas, para manter a paz e fazer  cumprir a lei.  

Senão vejamos o que se passou hoje.

O João saiu de casa cedo para ir trabalhar. Saiu com a família toda. Iam bem dispostos , tomaram café no Sr. Macário, conversaram com os vizinhos e rumaram ao carro.
Meteram-se a caminho e a primeira paragem foi o Centro Comercial para deixar a esposa e as crianças a ver as montras e as iluminações de Natal.

Seguiu para o trabalho, sem pressa, tinha tempo, aliás ia com tempo porque sabia da dificuldade de estacionar em Belém num Domingo com Render da Guarda.

Chegou com tempo ao seu destino, como costuma dizer a voz falsa do GPS. Não havia lugares livres para estacionar, naturalmente... Mirou um TucTuc a aguardar passageiro, olhou para o relógio e deixou-se ficar a aguardar que saísse.

Havia mais polícia na rua, como normalmente acontece nos dias do Render da Guarda.
Um agente garboso, novinho, tão novinho que até parecia verde, estava em amena cavaqueira com a simpática e esguia condutora/guia, sentada no banco do motorista do TucTuc, que entretanto foi tomado por meia dúzia de turistas e partiu alegremente à descoberta de Lisboa.

O João que esperara pacientemente o lugar, estacionou.

É então que o mesmo agente verdinho e garboso, que animadamente conversara com a condutora do TucTuc informa o João que não pode estacionar ali.
"Mas Sr. Agente, estava aqui um TucTuc, que é uma viatura sujeita às mesmas regras de estacionamento que os outros veículos, e o Sr. Agente não só deixou estar, como entabulou animada conversa com a condutora." "Circule, já disse!" Mas é porque sou homem que não posso estacionar, ou quê ?" Disse o João aborrecido e arrancando com o carro. Nem 3 metros, outro agente manda-o parar ,  sair do carro e identificar-se, chega o colega, mais um empurrão, e é então que o João fez o que ninguém deveria fazer... empurrou de volta.

Seguraram-no virado para o carro, para o tentar algemar. O João ofereceu resistência, aquilo era um bocado ridículo... então e por isso mesmo, entrou em cena o Corpo de Intervenção, foi-lhe dada voz de prisão. Detido, roto de calças , camisa e casaco,  foi enfiado vigorosamente numa carrinha blindada e enviado para a Esquadra  do Lumiar. 
Tudo isto aconteceu bem em frente ao seu local de trabalho...

Se não fosse triste demais, daria seguramente para rir à gargalhada.

Pergunto-me e deixo no ar este pensamento:

Que Polícia é esta que nós temos que para autuar um incumprimento de transito, tem que  o CI intervir e prender uma pessoa que ia pacificamente trabalhar, tratando-a do mesmo modo como trataria  um ladrão ou um terrorista  ?

Que o João merecia uma multa, sem dúvida, agora CI e voz de prisão e aquele aparato todo ?!?

E isto sai-nos bem caro, a todos, todos os dias...



















sábado, 4 de novembro de 2017

Malfeitores e aproveitadores - Kayser Söze

“Mais do que o dinheiro, o mundo é movido pelas trocas de favor.” 


HARUKI MURAKAM







Há novelos que em começando a desenrolar uma ponta os fios da meada espalham-se por todo o lado e de tal modo, que chega a um ponto em que deixa de haver ponta por onde se lhes pegar. 
Aqui a solução é agarrar no baraço e colocar tudo no mesmo saco.

Não me interpretem mal. Como toda a gente com valores definidos e com alguma experiência de facto, acredito que todo o assédio sexual é tóxico, lesivo e perigoso, e deve ser punido como o acto de violação que representa.

Queria apenas falar-vos do actor que deu corpo ao meu vilão favorito de todos os tempos,o ubíquo, misterioso e indeterminado  Kayser Söze, brilhantemente interpretado na tela por Kevin Spacey, um dos homens do momento.


Quem viu atentamente o filme de 1997 " Meia noite no jardim do bem e do mal" realizado por Clint Eastwood, não pode ter ficado indiferente à "roupagem" cénica de Spacey, uma pele sobre a pele, de tal modo que a certo ponto ninguém consegue dissociar o actor da personagem. 
Eu, que não sou psicóloga nem vidente, nem tenho um QI astronómico, com aquela interpretação soube. 

Por isso sempre pensei que o Óscar em 1999 por "American Beauty" foi mais que merecido, apesar da ambiência do argumento tender a  deixar o actor um tanto confortável.

O facto de que um homem com mais de 40 anos que vai a todas as cerimónias dos Óscars ano após ano acompanhado pela mãe, ajuda a fortalecer a tese.

OK. O Kevin Spacey é homossexual. Que novidade!!
Não quis revelar-se até há alguns dias atrás. E dai? Escolha dele.
Assediou sexualmente homens durante 30 anos...
Pois , é capaz de o ter feito a alguns, ele próprio o confessou.

Agora que abriu a Caça às Bruxas, com o Weinstein, não vai parar por aqui. Ontem o Kevin, amanhã quem sabe ?


 Até há pouco tempo Frank Underwood era o presidente de todos os estados, agora em estado de desgraça, foi despedido.
Não estarão a impor o  impeachment ao presidente errado ?

Quem (dentro dessa corja que são os social climbers)  nunca tenha em Hollywood, lucrado com benefícios e proveitos obtidos consensualmente na horizontal,  que atire a primeira pedra.

Calculo a quantidade de carreiras que não se alicerçaram em favores que agora são escarros de ódio  em cheio na cara de quem os ajudou.


Dizem os antigos que uma mão lava a outra e ambas lavam... as costas - grande verdade, porque hoje nas costas de tanta gente, conseguimos um vislumbre das nossas próprias.